Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2011 > 03 > Municípios tem até dia 31 para prestar contas da gestão do Bolsa Família

Cidadania e Justiça

Municípios tem até dia 31 para prestar contas da gestão do Bolsa Família

por Portal Brasil publicado: 22/03/2011 21h09 última modificação: 28/07/2014 14h57

Apenas um terço dos municípios prestaram contas sobre a gestão de recursos vinculados ao Bolsa Família aplicados em 2009. O prazo se encerra dia 31 de março, e as prefeituras que não apresentarem as informações podem perder o dinheiro a partir de abril.

Os municípios precisam prestar contas ao Conselho de Assistência Social sobre o uso dos recursos do Índice de Gestão Descentralizada Municipal (IGD-M). Mensalmente, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome repassa cerca de R$ 24 milhões a municípios que alcançam bons resultados nesse índice. O IGD-M monitora o cumprimento das condicionalidades do programa, como frequência escolar e manutenção de um cadastro atualizado dos beneficiários.

Os recursos devem ser aplicados em ações administrativas do programa, como acompanhamento das famílias cadastradas, atendimento das demandas solicitadas pelo ministério e na implementação de programas complementares ao Bolsa Família, como capacitação profissional, geração de trabalho e renda e alfabetização de adultos.

Das 5.565 prefeituras, 1.852 prestaram contas, mas somente 701 foram aprovadas pelos conselhos até 17 de março. Se o colegiado não apreciar as contas, ou aprová-las parcialmente, o município ficará impedido de receber o IGD-M e só voltará a ter acesso ao recurso quando o problema for resolvido. O gestor do Fundo Municipal de Assistência Social precisa registrar a apresentação de contas no sistema informatizado do ministério e o conselho indica a sua aprovação.


Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Mais creches, mais escolas
Durante evento de abertura da Marcha da Margaridas, Maria das Neves, coordenadora da Juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), defende manutenção dos 18 anos como marco etário penal brasileiro.
As Margaridas são contra a PEC 171
"Nós compreendemos que, de fato, o Brasil tem uma dívida com esses jovens (...)", defende Alessandra Lunas, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
A Marcha das Margaridas 2015
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima que 70 mil pessoas tenham ocupado gramado do Congresso Nacional em 2015.
Durante evento de abertura da Marcha da Margaridas, Maria das Neves, coordenadora da Juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), defende manutenção dos 18 anos como marco etário penal brasileiro.
Mais creches, mais escolas
"Nós compreendemos que, de fato, o Brasil tem uma dívida com esses jovens (...)", defende Alessandra Lunas, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
As Margaridas são contra a PEC 171
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima que 70 mil pessoas tenham ocupado gramado do Congresso Nacional em 2015.
A Marcha das Margaridas 2015

Últimas imagens

O estado de São Paulo é o mais populoso, com 44,4 milhões de habitantes
O estado de São Paulo é o mais populoso, com 44,4 milhões de habitantes
Marcelo Camargo/Agência Brasil
São 7,3 mil famílias de beneficiadas com o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais
São 7,3 mil famílias de beneficiadas com o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais
Divulgação/Governo do RS
Resultado mostra que o tema está inserido no dia a dia da gestão pública para apoiar a superação da pobreza em todo o País
Resultado mostra que o tema está inserido no dia a dia da gestão pública para apoiar a superação da pobreza em todo o País
Divulgação/Governo de GO
Ação contou com a participação direta das famílias, que construíram em suas comunidades os mobiliários das Arcas
Ação contou com a participação direta das famílias, que construíram em suas comunidades os mobiliários das Arcas
Divulgação/MDA

Governo digital