Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2011 > 04 > Comissão de direitos humanos acompanha conflito entre índios e latifundiários na Bahia

Cidadania e Justiça

Comissão de direitos humanos acompanha conflito entre índios e latifundiários na Bahia

por Portal Brasil publicado: 15/04/2011 11h57 última modificação: 28/07/2014 14h58

A comissão especial do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), que apura violações de direitos humanos de populações indígenas na região sul da Bahia, desembarcou na quinta-feira (14), em Salvador (BA), para uma série de encontros com a sociedade civil e autoridades. O objetivo é discutir a situação do conflito de terras que gera uma série de embates entre os indígenas e latifundiários, bem como seus funcionários. O grupo permanece no estado até domingo (17). 

A agenda em cinco dias inclui reunião com a 1ª vice-presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Maria José Sales; o secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos e presidente do Conselho de Direitos Humanos da Bahia, Almiro Sena; a chefe de gabinete do secretário de Segurança Pública, Emília Blanco; a diretora de Estudos e Pesquisas da Superintendência de Gestão Integrada da Ação Policial da Secretaria de Segurança Pública, Ilma Paiva; e a promotora de Justiça da Cidadania, Márcia Virgens; entre outros.

 

Histórico

Segundo a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em junho de 2009, em Ilhéus (BA), os indígenas Ailza Silva Barbosa, Alzenir Oliveira da Silva, Carmerindo Batista da Silva, Mário Oliveira Barbosa e José Otávio de Freitas da etnia Tupinambá da Serra do Padeiro foram vítimas de agressiva atuação da Polícia Federal, abuso de autoridade, prática de torturas, bem como, criminalização de lideranças. 

O contexto das violações dos direitos humanos do povo Tupinambá junta-se ao fato de que indígenas da etnia Tupinambá da Serra do Padeiro retomaram a fazenda Santa Rosa, localizada na BR 101, estrada da Uma Cau, Km 9, zona do Rio das Calheiras, em Uma (BA). Essa disputa de terras tem gerado uma série de conflitos.

 

Fonte:
Secretaria de Direitos Humanos

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

40 anos da Operação Condor mobiliza Mercosul na defesa dos direitos humanos
Confira como acessar o programa de Integridade da CGU para empresas privadas
Os objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU
40 anos da Operação Condor mobiliza Mercosul na defesa dos direitos humanos
40 anos da Operação Condor mobiliza Mercosul na defesa dos direitos humanos
Confira como acessar o programa de Integridade da CGU para empresas privadas
Confira como acessar o programa de Integridade da CGU para empresas privadas
Os objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU
Os objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU

Últimas imagens

“É a luta do conservadorismo da elite contra uma população até então esquecida, casos dos negros, LGBTS e mulheres”, disse Eliana Emetéri
“É a luta do conservadorismo da elite contra uma população até então esquecida, casos dos negros, LGBTS e mulheres”, disse Eliana Emetéri
Foto: Blog do Planalto
Ação ocorreu na zona norte do Rio e na Baixada Fluminense
Ação ocorreu na zona norte do Rio e na Baixada Fluminense
Divulgação/EBc
Plano vai ser definido por representantes do ministério do Trabalho, OIT, governo estadual e Ministério Público
Plano vai ser definido por representantes do ministério do Trabalho, OIT, governo estadual e Ministério Público
Foto: Renato Alves / MTE
Na Câmara dos Deputados, representação das mulheres também é baixa, elas ocupam apenas 10% das cadeiras
Na Câmara dos Deputados, representação das mulheres também é baixa, elas ocupam apenas 10% das cadeiras
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Entidade diz ser fundamental ao Judiciário agir de acordo com a Constituição, que determina que qualquer investigação ou gravação envolvendo a presidenta da República deve ser previamente autorizada pelo Supremo Tribunal Federal
Entidade diz ser fundamental ao Judiciário agir de acordo com a Constituição, que determina que qualquer investigação ou gravação envolvendo a presidenta da República deve ser previamente autorizada pelo Supremo Tribunal Federal
Divulgação/OAB-RJ

Governo digital