Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2011 > 08 > Petrópolis (RJ) recebe exposição sobre tortura

Cidadania e Justiça

Petrópolis (RJ) recebe exposição sobre tortura

por Portal Brasil publicado: 10/08/2011 15h10 última modificação: 28/07/2014 15h02

O Instituto Frei Tito de Alencar, em parceria com o Projeto Marcas da Memória da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, abre nesta quarta-feira (10) visitação à exposição “Sala Escura da Tortura”. A mostra pode ser vista até 19 de agosto, das 9h às 17h, no Palácio Rio Negro do Museu da República em Petrópolis (RJ). 

A Sala Escura da Tortura, composta por sete telas, inspira-se nos relatos de Frei Tito durante seu exílio na França. Apresentada originalmente em 1973 no Museu de Arte Moderna de Paris, a exposição coloca a perspectiva crítica das artes para denunciar a tortura.

Na opinião do secretário Nacional de Justiça, Paulo Abrão, com a exposição, o Estado cumpre seu papel de disseminar uma visão humanista, inscrita na Constituição democrática. “Ao mesmo tempo, prestamos homenagem à memória de Frei Tito, exemplo de resistência, engajamento e dignidade em favor dos injustiçados. Sua capacidade de sensibilizar as pessoas por um mundo melhor extrapola o seu plano existencial. Eis o seu legado eterno”, afirma ele que também é presidente da Comissão de Anistia.

Depois de passar por Petrópolis, a Sala Escura de Tortura segue para Brasília (DF) e Belo Horizonte (MG). A ação tem o apoio do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis. Para mais informações, acesse o site da exposição.

 

Fonte:
Ministério da Justiça

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Mais creches, mais escolas
Durante evento de abertura da Marcha da Margaridas, Maria das Neves, coordenadora da Juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), defende manutenção dos 18 anos como marco etário penal brasileiro.
As Margaridas são contra a PEC 171
"Nós compreendemos que, de fato, o Brasil tem uma dívida com esses jovens (...)", defende Alessandra Lunas, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
A Marcha das Margaridas 2015
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima que 70 mil pessoas tenham ocupado gramado do Congresso Nacional em 2015.
Durante evento de abertura da Marcha da Margaridas, Maria das Neves, coordenadora da Juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), defende manutenção dos 18 anos como marco etário penal brasileiro.
Mais creches, mais escolas
"Nós compreendemos que, de fato, o Brasil tem uma dívida com esses jovens (...)", defende Alessandra Lunas, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
As Margaridas são contra a PEC 171
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima que 70 mil pessoas tenham ocupado gramado do Congresso Nacional em 2015.
A Marcha das Margaridas 2015

Últimas imagens

Antiga reivindicação do setor pesqueiro, os CPGs é o local de debate entre o sociedade civil, setor pesqueiro e governo
Antiga reivindicação do setor pesqueiro, os CPGs é o local de debate entre o sociedade civil, setor pesqueiro e governo
Divulgação/ Ministério da Pesca e Aquicultura
Agricultores de municípios do RS começam a receber sementes
Agricultores de municípios do RS começam a receber sementes
Divulgação/ Ministério do Desenvolvimento Agrário
Informação como direito do cidadão tem se tornado cada dia uma realidade mais consistente
Informação como direito do cidadão tem se tornado cada dia uma realidade mais consistente
Divulgação/Blog da Previdência
Ao todo, são quatro categorias (Desenho, Redação I, Redação II e Redação III) que oferecerão prêmios aos três melhores trabalhos de cada série
Ao todo, são quatro categorias (Desenho, Redação I, Redação II e Redação III) que oferecerão prêmios aos três melhores trabalhos de cada série
Divulgação/Governo da BA
Ministra afirmou que cisternas são oportunidade para a população pobre que vive na zona rural
Ministra afirmou que cisternas são oportunidade para a população pobre que vive na zona rural
Divulgação/ MDS

Governo digital