Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2011 > 09 > Brasil Sem Miséria: chamada de assistência técnica e rural vai atender a mais de 5 mil famílias Quilombolas

Cidadania e Justiça

Brasil Sem Miséria: chamada de assistência técnica e rural vai atender a mais de 5 mil famílias Quilombolas

por Portal Brasil publicado: 20/09/2011 16h59 última modificação: 28/07/2014 15h03
Divulgação/Ministério do Desenvolvimento Agrário As entidades selecionadas vão atender as famílias durante de 15 meses. O diagnóstico de carências e o acesso a políticas públicas serão os principais serviços

As entidades selecionadas vão atender as famílias durante de 15 meses. O diagnóstico de carências e o acesso a políticas públicas serão os principais serviços

O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) publicou nesta terça-feira (20) no Diário Oficial da União (DOU) uma chamada pública para a prestação de serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) a famílias quilombolas em situação de vulnerabilidade social no Pará, Maranhão, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo. 

O orçamento de R$ 9,19 milhões da chamada será destinado às empresas selecionadas, que vão atender a 5.520 famílias nos municípios de Francisco Sá (MG), Pai Pedro (MG), Jaíba (MG), Porteirinha (MG), Catuti (MG), Janaúba (MG), Monte Azul (MG), Conceição da Barra (ES), São Mateus (ES), Santarém (PA), Bom Conselho (PE), Campo Formoso (BA) e Alcântara (MA). O edital faz parte do Plano Brasil Sem Miséria. 

A relação das famílias atendidas foi definida pelo MDA, juntamente com Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Fundação Palmares e Secretaria do Patrimônio da União. 

Pará, Bahia, Pernambuco, Maranhão e Minas Gerais contam com o maior número de comunidades quilombolas certificadas e/ou tituladas. No Espírito Santo, serão atendidas comunidades onde foi constatada violação do direito humano à alimentação adequada, conforme relatório da Comissão Especial de Acompanhamento aprovado pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH).

“Dentro do processo do Plano Brasil Sem Miséria, esta chamada de Ater reconhece a importância e as especificidades das comunidades quilombolas, repeitando as questões étnicas, culturais e territoriais”, afirma o  Assessor Especial para Povos e Comunidades Tradicionais do MDA, Edmilton Cerqueira.


Serviços

As empresas selecionadas pela chamada pública prestarão atendimento às famílias das comunidades quilombolas ao longo de 15 meses. Em primeiro lugar, as equipes contratadas realizarão um diagnóstico da Unidade de Produção Familiar e um diagnóstico da comunidade quilombola atendida. 

Uma das tarefas será fazer o mapeamento das carências das famílias - documentação, acesso a benefícios sociais, alfabetização, casa, água, luz e estrada – e encaminhar as demandas locais aos órgãos responsáveis na estrutura administrativa local. As equipes técnicas também vão reforçar medidas para a inclusão produtiva: a estruturação da produção para autoconsumo e a comercialização do excedente, além de ajudarem no acesso das famílias às demais políticas públicas voltadas para a agricultura familiar.


Reserva para mulheres

A chamada pública determina como obrigatoriedade que a lista de atendidos tenha composição de pelo menos 30% de mulheres. As entidades selecionadas não poderão atender a famílias já assistidas por convênios, contratos de repasse e contratos administrativos de Ater celebrados pelo governo federal ainda vigente.

Esta é a terceira chamada pública para a contratação de serviços de Ater como parte do Plano Brasil Sem Miséria, estratégia lançada pelo governo federal em junho para erradicar a pobreza extrema no País. 

As duas primeiras chamadas foram direcionadas ao atendimento de 25.040 famílias de agricultores familiares do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais que possuem renda mensal inferior a R$ 70,00 por pessoa. Com esta chamada pública, o número de famílias a serem atendidas chega a 30.560.


Fonte:
Ministério do Desenvolvimento Agrário

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Visita à Rede Sarah mostra avanços na estimulação de crianças
O Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, e a embaixadora do Programa Criança Feliz, primeira-dama Marcela Temer, visitaram na quarta-feira (16) unidade Rede Sarah, em Brasília
Ministério da Justiça tem curso de educação financeira
Curso online e gratuito, busca orientar participantes sobre questões como orçamento doméstico e cálculo de despesas e receitas
Representantes do Cone Sul se reúnem para debater ações de criminalidade
Países do Cone Sul irão se reunir no Palácio do Itamaraty nesta semana
O Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, e a embaixadora do Programa Criança Feliz, primeira-dama Marcela Temer, visitaram na quarta-feira (16) unidade Rede Sarah, em Brasília
Visita à Rede Sarah mostra avanços na estimulação de crianças
Curso online e gratuito, busca orientar participantes sobre questões como orçamento doméstico e cálculo de despesas e receitas
Ministério da Justiça tem curso de educação financeira
Países do Cone Sul irão se reunir no Palácio do Itamaraty nesta semana
Representantes do Cone Sul se reúnem para debater ações de criminalidade

Últimas imagens

Levou-se em consideração a necessidade de estudos para a avaliar efetividade da exigência
Levou-se em consideração a necessidade de estudos para a avaliar efetividade da exigência
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Cada familia recebeu uma unidade habitacional no valor total de R$ 33 mil
Cada familia recebeu uma unidade habitacional no valor total de R$ 33 mil
Divulgação/Incra
O sistema possui atualmente 352 empresas cadastradas
O sistema possui atualmente 352 empresas cadastradas
Marcos Santos/USP Imagens
A iniciativa é do Ministério da Justiça e Cidadania e Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas
A iniciativa é do Ministério da Justiça e Cidadania e Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas
Foto: Isaac Amorim/Ministério da Justiça
A titulação de terras é importante porque dá segurança jurídica aos assentados
A titulação de terras é importante porque dá segurança jurídica aos assentados
Divulgação/Incra (TO)

Governo digital