Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2011 > 10 > Coleta Seletiva Solidária

Cidadania e Justiça

Coleta Seletiva Solidária

O projeto Coleta Seletiva Solidária é parte da inclusão produtiva do Brasil Sem Miséria e prevê ações socioambientais voltadas para os catadores de materiais recicláveis
por Portal Brasil publicado: 29/09/2011 16h18 última modificação: 28/07/2014 15h05

Como parte do eixo de inclusão produtiva das pessoas em situação de extrema pobreza do Brasil Sem Miséria, o projeto Coleta Seletiva Solidária busca construir uma cultura institucional para um novo modelo de gestão dos resíduos, somada aos princípios e metas da Agenda Ambiental da Administração Pública Federal.

Por intermédio do Comitê Interministerial de Inclusão Social dos Catadores de Materiais, o governo federal identifica as demandas dos catadores para desenvolver e articular ações que promovam a inclusão social e econômica desses trabalhadores.

Assim, o governo federal passou a articular ações como capacitação, formação e assessoria técnica; incubação de cooperativas e de empreendimentos sociais solidários que atuem na reciclagem; pesquisas e estudos para subsidiar ações que envolvam a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, entre outras.

Fontes:

Ministério do Meio Ambiente
Ministério do Desenvolvimento Social
Coleta Seletiva Solidária
Decreto nº 7.405, sobre a criação do Comitê Interministerial da Inclusão Social de Catadores de Lixo

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Mais creches, mais escolas
Durante evento de abertura da Marcha da Margaridas, Maria das Neves, coordenadora da Juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), defende manutenção dos 18 anos como marco etário penal brasileiro.
As Margaridas são contra a PEC 171
"Nós compreendemos que, de fato, o Brasil tem uma dívida com esses jovens (...)", defende Alessandra Lunas, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
A Marcha das Margaridas 2015
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima que 70 mil pessoas tenham ocupado gramado do Congresso Nacional em 2015.
Durante evento de abertura da Marcha da Margaridas, Maria das Neves, coordenadora da Juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), defende manutenção dos 18 anos como marco etário penal brasileiro.
Mais creches, mais escolas
"Nós compreendemos que, de fato, o Brasil tem uma dívida com esses jovens (...)", defende Alessandra Lunas, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).
As Margaridas são contra a PEC 171
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) estima que 70 mil pessoas tenham ocupado gramado do Congresso Nacional em 2015.
A Marcha das Margaridas 2015

Últimas imagens

Antiga reivindicação do setor pesqueiro, os CPGs é o local de debate entre o sociedade civil, setor pesqueiro e governo
Antiga reivindicação do setor pesqueiro, os CPGs é o local de debate entre o sociedade civil, setor pesqueiro e governo
Divulgação/ Ministério da Pesca e Aquicultura
Agricultores de municípios do RS começam a receber sementes
Agricultores de municípios do RS começam a receber sementes
Divulgação/ Ministério do Desenvolvimento Agrário
Informação como direito do cidadão tem se tornado cada dia uma realidade mais consistente
Informação como direito do cidadão tem se tornado cada dia uma realidade mais consistente
Divulgação/Blog da Previdência
Ao todo, são quatro categorias (Desenho, Redação I, Redação II e Redação III) que oferecerão prêmios aos três melhores trabalhos de cada série
Ao todo, são quatro categorias (Desenho, Redação I, Redação II e Redação III) que oferecerão prêmios aos três melhores trabalhos de cada série
Divulgação/Governo da BA
Ministra afirmou que cisternas são oportunidade para a população pobre que vive na zona rural
Ministra afirmou que cisternas são oportunidade para a população pobre que vive na zona rural
Divulgação/ MDS

Governo digital