Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2012 > 03 > Jornada de trabalho considera tempo no local de serviço ou à disposição

Cidadania e Justiça

Jornada de trabalho considera tempo no local de serviço ou à disposição

Direitos trabalhistas

Trabalhador que cumprir hora extra em sua jornada de trabalho deverá receber, no mínimo, 50% acima do valor da hora normal
por Portal Brasil publicado: 22/03/2012 16h50 última modificação: 28/07/2014 16h22

O tempo em que o empregado permanece em seu local de serviço, ou à disposição de seu empregador, é considerado sua jornada de trabalho. Sua duração não poderá ultrapassar oito horas diárias, ou 44 horas semanais.

O que é hora extra?

É o tempo trabalhado além da jornada normal pelo empregado, que não pode ser obrigado a cumpri-las, a não ser nos casos de necessidade imperiosa, quando há necessidade de se terminar um serviço já iniciado, por exemplo. Para que as horas extras aconteçam, deverá existir um acordo escrito entre as partes ou em norma coletiva, com exceção dos casos de necessidade imperiosa, em que as horas extras podem ser exigidas, independentemente do acordo feito entre as partes ou norma coletiva.

Qual a remuneração da hora extra?

O trabalhador que cumprir hora extra em sua jornada de trabalho deverá receber, no mínimo, 50% acima do valor da hora normal. “As horas extras podem ser trocadas por folgas, desde que elas não ultrapassem dez horas por dia ou a soma de jornadas semanais de trabalho em um ano”, diz o advogado trabalhista José Oscar Borges, coordenador da Escola Superior da Advocacia. Esta compensação precisa ser autorizada pela autoridade competente.

Como acontece a reposição das horas não trabalhadas?

Se a interrupção do trabalho na empresa foi resultante de causas acidentais ou força maior, por parte do trabalhador, é permitido que o empregador compense esta jornada de trabalho não efetuada. A jornada compensatória deverá ser realizada nos dias seguintes à interrupção, por no máximo duas horas a mais na jornada habitual e no período de até 45 dias.

Fonte:
Ministério do Trabalho

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Operação Carnaval soma menos vítimas fatais em 8 anos
Foram 2,7 mil acidentes, 22% a menos do que em 2014 e 120 mortes, sendo 14 delas em Minas Gerais, o estado que mais registrou vítimas fatais
Carnaval impulsiona campanhas de segurança no trânsito
Álcool, celular, velocidade e direção não combinam. É o que explica a atriz Rosângela Lima, que participou de uma ação de conscientização em Brasília
Instituída comissão para combater violência contra LGBT
Portaria foi publicada no Diário Oficial da União nessa terça-feira (10)
Foram 2,7 mil acidentes, 22% a menos do que em 2014 e 120 mortes, sendo 14 delas em Minas Gerais, o estado que mais registrou vítimas fatais
Operação Carnaval soma menos vítimas fatais em 8 anos
Álcool, celular, velocidade e direção não combinam. É o que explica a atriz Rosângela Lima, que participou de uma ação de conscientização em Brasília
Carnaval impulsiona campanhas de segurança no trânsito
Portaria foi publicada no Diário Oficial da União nessa terça-feira (10)
Instituída comissão para combater violência contra LGBT

Últimas imagens

Benefício é liberado nos últimos 10 dias úteis de cada mês
Benefício é liberado nos últimos 10 dias úteis de cada mês
Exigência vale para os que estão há mais de dois anos sem revisar o cadastro ou que receberam aviso no extrato de pagamento
Exigência vale para os que estão há mais de dois anos sem revisar o cadastro ou que receberam aviso no extrato de pagamento
Assentamento fica entre três municípios sergipanos: Malhador, Santa Rosa e Riachuelo
Assentamento fica entre três municípios sergipanos: Malhador, Santa Rosa e Riachuelo
Divulgação/MDA
Com a conclusão do processo, a autarquia criará um projeto de assentamento com capacidade para abrigar a 200 famílias
Com a conclusão do processo, a autarquia criará um projeto de assentamento com capacidade para abrigar a 200 famílias
Divulgação/Incra
Greve afronta a Constituição Federal de 1988,  que proíbe a sindicalização e a greve aos militares
Greve afronta a Constituição Federal de 1988, que proíbe a sindicalização e a greve aos militares
Divulgação/AGU

Governo digital