Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2012 > 07 > Estatuto da Criança e do Adolescente completa 22 anos com avanço nos direitos

Cidadania e Justiça

Estatuto da Criança e do Adolescente completa 22 anos com avanço nos direitos

por Portal Brasil publicado: 13/07/2012 12h08 última modificação: 28/07/2014 16h20
Agência Brasil/Antônio Cruz Vinte e dois anos do ECA são comemorados durante Conferência em Brasília

Vinte e dois anos do ECA são comemorados durante Conferência em Brasília

Data é marcada por avanços na garantia de direitos e por aumento de denúncias contra maus tratos


O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 22 anos nesta sexta-feira (13). O Brasil foi um dos primeiros países a organizar uma legislação que seguisse os princípios da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, criando em 13 de julho de 1990 o Estatuto.

Entre os principais objetivos da lei está o detalhamento sobre direitos e deveres das crianças e dos adolescentes, pais, gestores públicos, profissionais da saúde e conselhos tutelares. Além de estabelecer punições para maus tratos, o ECA contém políticas de atendimento e assistência e, inclui, também, medidas de proteção e socioeducativas.
Muitos avanços foram ocasionados pelo Estatuto e entre eles está o aumento no número de denúncias de maus tratos e punições aos agressores.

O envolvimento da sociedade, segundo o Ministério Público, foi fundamental para que os direitos fossem e sejam assegurados. Nessa quinta-feira (12), um outro avanço foi anunciado durante a 9º Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,  que acontece em Brasília desde a segunda-feira (11): a parceria entre a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República  e o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público (CNPG). 

O acordo garantirá que as denúncias de violações dos direitos de crianças e adolescentes, por meio do Disque 100, sejam interligadas em tempo real com o Ministério Público dos estados e da União. “O Ministério Público vai apoiar o governo federal nas investigações e em todas as medidas necessárias para proteger a criança e responsabilizar o agressor. Queremos que o Disque 100 tenha efeitos concretos”, disse a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário.

O presidente do CNPG, Cláudio Soares Lopes, considera que a parceria vai agilizar o processo das denúncias. “Nesses casos a rapidez da informação é fundamental para proteção das crianças e dos adolescentes, especialmente nos casos de crimes sexuais”.

De acordo com dados do Disque Direitos Humanos, o Disque 100, apenas nos primeiros quatro meses do ano, o módulo Criança e Adolescente teve 34.142 denúncias. Oito em cada dez vítimas são meninas. De janeiro a março deste ano, foram registradas 4.205 denúncias de violência sexual - dessas, 2.165 referem-se a crianças e adolescentes.

O que diz o ECA?

Segundo o ECA, é considerado criança o cidadão que tem até 12 anos incompletos. Aqueles com idade entre 12 e 18 anos são adolescentes. O ECA define que crianças e adolescentes têm direito à vida, saúde, alimentação, educação, esporte, cultura e liberdade. Esses cidadãos têm direito, ainda, ao atendimento prioritário em postos de saúde e hospitais e devem receber socorro em primeiro lugar no caso de acidente de trânsito, incêndio, enchente ou qualquer situação de emergência.

Nenhuma criança ou adolescente pode sofrer maus tratos: descuido, preconceito, exploração ou violência. Os casos de suspeita ou confirmação de maus tratos devem sempre ser comunicados a um Conselho Tutelar, órgão ligado à prefeitura e formado por pessoas da comunidade. Os direitos da criança começam antes mesmo do nascimento. As gestantes devem ter bom atendimento médico na rede pública de saúde e, depois de dar à luz, têm direito a condições de trabalho adequadas para a amamentação, como horário especial e local silencioso.

A educação pela família é outro direito da criança e do adolescente. Os pais têm o dever de sustentar, guardar e educar os filhos menores, que não devem ser afastados da família só porque os pais não têm dinheiro. Se esse é o caso, a família deve ser incluída em um programa oficial de auxílio. 

Acompanhe notícias da Conferência no Facebook e no Twitter

Leia mais:

Direitos Humanos são tema de encontro nacional

Governo prepara campanha nacional para estimular a adoção de crianças e adolescentes

Novo código penal pode tipificar como crime a prática de bullying

Campanha marca Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Fonte:
Agência Brasil


Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil