Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2012 > 08 > Cartilha orienta sobre Lei Maria da Penha

Cidadania e Justiça

Cartilha orienta sobre Lei Maria da Penha

por Portal Brasil publicado: 09/08/2012 17h48 última modificação: 28/07/2014 16h20
SEPM Cartilha da Secretaria de Políticas para as Mulheres orienta sobre a Lei Maria da Penha

Cartilha da Secretaria de Políticas para as Mulheres orienta sobre a Lei Maria da Penha

A publicação, lançada pelo INSS nessa quarta-feira (8), reúne informações sobre a Lei e esclarece sobre serviços do Instituto em prol da defesa das mulheres

A Cartilha “Quanto Custa o Machismo” foi lançada nessa quarta-feira (8) durante o evento “O INSS no enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher”.  Elaborada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em parceria com o Instituto Maria da Penha e a Secretaria de Política para as Mulheres – reúne, entre outros assuntos, informações sobre a Lei nº 11.340/06, enumera benefícios e serviços do INSS que podem ser requeridos em caso de violência doméstica praticada contra a mulher e esclarece dúvidas sobre o tema. A publicação também incentiva que as vítimas de agressão procurem a Central de Atendimento à Mulher, por meio do telefone 180.

A Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) da Presidência da República também reeditou, por ocasião dos 6 anos da Lei 11340/2006, a publicação que esclarece o texto da legislação com o objetivo de divulgá-la para instituições que atuam com políticas para as mulheres, redes de atendimento à mulher em situação de violência, conselhos e organizações da sociedade civil. A Secretaria irá distribuir 100 mil exemplares do livro.

O Ministério da Previdência Social, a Secretaria de Políticas para as Mulheres e o  Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já haviam firmado parceria na semana passada para o desenvolvimento de ações conjuntas de enfrentamento à violência doméstica e familiar. A cooperação entre as três entidades irá garantir o ajuizamento de ações regressivas decorrentes de violência contra a mulher, o que indica que casos antigos também poderão ser revistos e punidos.

Lei Maria da Penha 

Criada há seis anos, a Lei 11.340/2006 cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, além de promover a discriminação contra as mulheres, prevenir, punir agressores e erradicar a violência.

A lei é chamada de Lei Maria da Penha em homenagem a ativista que, em 1983, por duas vezes, sofreu tentativa de assassinato por parte do então marido. Na primeira vez, por arma de fogo e, na segunda, por eletrocussão e afogamento. As tentativas de homicídio resultaram em lesões irreversíveis à sua saúde, como paraplegia e outras sequelas. Atualmente, ela recebe aposentadoria por invalidez do INSS.

A Lei Maria da Lei Maria da Penha - sancionada em 7 de agosto de 2006 - é reconhecida pelas Nações Unidas como uma das três melhores legislações no mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Confira página especial da campanha ”Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha – A lei é mais forte”.

Leia mais:

Campanha pela Lei Maria da Penha irá reforçar defesa das mulheres

Saiba mais sobre Saúde da Mulher

Fonte:

Ministério da Previdência Social

Secretaria de Políticas para Mulheres







Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Receita Federal oferece serviço de inclusão de nome social do CPF
A medida dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal, autárquica e fundacional
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 27 anos
Texto assegura direitos básicos, como educação, segurança e alimentação básica
Atendimento à população ribeirinha da Amazônia é desafio para poder público
Muitos moram em locais distantes das cidades e o transporte só pode ser feito por barco e, às vezes, a viagem pode levar dias. Para atender essa população, navios da Marinha brasileira percorrem a região desde 1984.
A medida dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal, autárquica e fundacional
Receita Federal oferece serviço de inclusão de nome social do CPF
Texto assegura direitos básicos, como educação, segurança e alimentação básica
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 27 anos
Muitos moram em locais distantes das cidades e o transporte só pode ser feito por barco e, às vezes, a viagem pode levar dias. Para atender essa população, navios da Marinha brasileira percorrem a região desde 1984.
Atendimento à população ribeirinha da Amazônia é desafio para poder público

Últimas imagens

Cozinheiros de Rua foi um dos grupos de economia solidária criados com investimento federal
Cozinheiros de Rua foi um dos grupos de economia solidária criados com investimento federal
Arquivo/Cozinheiros de Rua
Para fazer a carteira pela primeira vez é necessário apresentar documentos originais
Para fazer a carteira pela primeira vez é necessário apresentar documentos originais
Jana Pessôa/Governo de Mato Grosso
Podem participar brasileiros de 18 a 35 anos, sejam estudantes ou já formados
Podem participar brasileiros de 18 a 35 anos, sejam estudantes ou já formados
Divulgação/Gender Summit
Emissão de passaportes estava suspensa pela Polícia Federal desde 27 de junho
Emissão de passaportes estava suspensa pela Polícia Federal desde 27 de junho
Foto: Isaac Amorim/Ministério da Justiça
Proprietário de veículo com tais especificações deve ligar para 0800-7013432 ou acessar o site da Honda
Proprietário de veículo com tais especificações deve ligar para 0800-7013432 ou acessar o site da Honda
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Governo digital