Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2014 > 03 > Aplicativo que identifica carros roubados já tem 740 mil downloads

Cidadania e Justiça

Aplicativo que identifica carros roubados já tem 740 mil downloads

Tecnologia

Sinesp Cidadão (Chekplaca), instalado em smartphones e computadores, já teve mais 12 milhões de consultas e 500 veículos recuperados
por Portal Brasil publicado: 21/03/2014 17h41 última modificação: 30/07/2014 01h23

O aplicativo Sinesp Cidadão – Chekplaca-, da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Senasp/MJ), alcançou no último dia 9 de março um total de 739.272 downloads. O programa, que pode ser usado em aparelhos com sistemas operacionais Android, IOS e computadores foi baixado por 152.011 usuários da Apple e 587.261 clientes que usam os serviços da Google Play.

O Chekplaca permite que o cidadão verifique a situação de qualquer veículo no Brasil. Para isso, basta que a pessoa digite a placa do automóvel e aguarde alguns segundos para que o aplicativo informe o modelo e a situação do veículo junto ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). O programa mostra se o carro tem alguma ocorrência no Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Sinesp/MJ), se é roubado ou furtado.

Caso o aplicativo detecte alguma irregularidade, o programa alerta o usuário e dá a opção de ligar para a polícia, que envia uma equipe ao local para averiguar a situação. Atualmente, o aplicativo tem sido usado também por forças policiais do País, que tentam diminuir os números de roubos, furtos e clonagem de veículos.

Desde o lançamento do aplicativo, em dezembro de 2013, mais de 12 milhões de consultas foram feitas e mais de 500 veículos foram recuperados com a ajuda do Chekplaca.

Para baixar o aplicativo gratuitamente, o cidadão deve pesquisar “Sinesp Cidadão”, nas lojas da Apple ou Google Play. A consulta ainda pode ser realizada através do link.

Fonte:
Ministério da Justiça

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

40 anos da Operação Condor mobiliza Mercosul na defesa dos direitos humanos
Confira como acessar o programa de Integridade da CGU para empresas privadas
Os objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU
40 anos da Operação Condor mobiliza Mercosul na defesa dos direitos humanos
40 anos da Operação Condor mobiliza Mercosul na defesa dos direitos humanos
Confira como acessar o programa de Integridade da CGU para empresas privadas
Confira como acessar o programa de Integridade da CGU para empresas privadas
Os objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU
Os objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU

Últimas imagens

“É a luta do conservadorismo da elite contra uma população até então esquecida, casos dos negros, LGBTS e mulheres”, disse Eliana Emetéri
“É a luta do conservadorismo da elite contra uma população até então esquecida, casos dos negros, LGBTS e mulheres”, disse Eliana Emetéri
Foto: Blog do Planalto
Ação ocorreu na zona norte do Rio e na Baixada Fluminense
Ação ocorreu na zona norte do Rio e na Baixada Fluminense
Divulgação/EBc
Plano vai ser definido por representantes do ministério do Trabalho, OIT, governo estadual e Ministério Público
Plano vai ser definido por representantes do ministério do Trabalho, OIT, governo estadual e Ministério Público
Foto: Renato Alves / MTE
Na Câmara dos Deputados, representação das mulheres também é baixa, elas ocupam apenas 10% das cadeiras
Na Câmara dos Deputados, representação das mulheres também é baixa, elas ocupam apenas 10% das cadeiras
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Entidade diz ser fundamental ao Judiciário agir de acordo com a Constituição, que determina que qualquer investigação ou gravação envolvendo a presidenta da República deve ser previamente autorizada pelo Supremo Tribunal Federal
Entidade diz ser fundamental ao Judiciário agir de acordo com a Constituição, que determina que qualquer investigação ou gravação envolvendo a presidenta da República deve ser previamente autorizada pelo Supremo Tribunal Federal
Divulgação/OAB-RJ

Governo digital