Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2015 > 11 > Casamentos crescem e Brasil tem 1,1 milhão de uniões em 2014

Cidadania e Justiça

Casamentos crescem e Brasil tem 1,1 milhão de uniões em 2014

IBGE

Pesquisa apurou que no ano passado houve 53.993 casamentos a mais que em 2013
publicado: 30/11/2015 15h00 última modificação: 02/12/2015 15h14

O Brasil registrou 1.106.440 casamentos em 2014, o que representou um aumento de 5,1% em relação a 2013. Em números absolutos, isso representa 53.993 casamentos a mais de um ano para outro. O dado faz parte da pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2014, divulgada nesta segunda-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

A pesquisa mostra que, ao longo dos anos, o índice de casamentos foi diminuindo. Na década de 1970, observaram-se altas taxas de nupcialidade, em torno de 13 casamentos por mil habitantes de 15 anos ou mais. Na década de 1980, essas taxas começaram a cair para algo em torno de 11 casamentos por mil habitantes. Na década de 1990, foi registrado o declínio mais acentuado da série, com a taxa passando de 7,96 para cada grupo de mil habitantes para taxas próximas a 7 por mil habitantes, na década seguinte.

Recentemente, a taxa de nupcialidade cresceu, passando de 6,9 por mil habitantes, em 2013, para 7,1 por mil habitantes, em 2014. Os maiores índices foram registrados nas regiões Centro-Oeste (8,04 por mil habitantes) e Sudeste (8,00 por mil), em 2014. Por Estados, tiveram destaque Rondônia (10,88 por mil); Espírito Santo (8,73 por mil); Goiás (8,67 por mil); São Paulo (8,57 por mil) e Distrito Federal (8,30 por mil). As menores taxas de nupcialidade de 2014 foram observadas no Amapá (4,26 por mil); Rio Grande do Sul (4,63 por mil); e no Maranhão (5,08 por mil).

A idade média dos cônjuges solteiros homens, na data do casamento, passou de 27 anos para 30 anos, entre 1974 e 2014, enquanto entre as mulheres passou de 23 para 27 anos, nesse período. Entre os cônjuges de mesmo sexo, a idade média observada foi de 34 anos para homens e mulheres, em 2014.

Nos grupos etários de 15 a 19 anos e 20 a 24 anos, observou-se, claramente, nos últimos 40 anos, a tendência de redução dos casamentos, evidenciando a postergação dessas uniões para idades mais avançadas. No conjunto das mulheres para o grupo de 20 a 24 anos, a taxa passou de 61,6 por mil habitantens, em 1974, para 30,01 por mil, em 2014.

Em contrapartida, a partir de 1994 os grupos de 30 a 34 anos, 35 a 39 anos e 45 a 49 anos apresentaram crescimento da taxa de nupcialidade. Por exemplo, ela mais que dobrou nos últimos 20 anos no grupo de 30 a 34 anos (9,11por mil, em 1994, para 21,40 por mil, em 2014). O adiamento do casamento pode decorrer do maior tempo dedicado aos estudos, bem como pela busca de inserção no mercado de trabalho com salários mais elevados, especialmente, entre as pessoas mais jovens, aponta o IBGE.

O IBGE apurou uma redução no indicador de recasamentos (quando pelo menos um dos cônjuges tinha o estado civil divorciado ou viúvo) de 86,3% para 76,4% entre 2004 e 2014. Em paralelo, houve crescimento da proporção de recasamentos, representando 23,6% do total das uniões formalizadas em 2014, ante 13,7%, em 2004, e 17,6%, em 2009.

 A edição 2014 das Estatísticas do Registro Civil mostra as transformações na sociedade brasileira ao longo de 40 anos. O estudo resulta da coleta das informações prestadas pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, Varas de Família, Foros ou Varas Cíveis e os Tabelionatos de Notas do País. Em São Paulo, os dados resultam de convênio entre o IBGE e a Fundação Sistema Estadual de Análises de Dados (Seade).

Clique AQUI para acessar a pesquisa.

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Integrantes do Conselhão criam comitê de proteção para a primeira infância
Integrantes do Conselhão recomendam a ampliação dos cuidados para a primeira infância, a partir dessa sugestão foi criado um comitê de articulação de medidas para atender as crianças
Lançado projeto de caravanas pelos direitos da criança e do adolescente
Projeto de caravanas pelos direitos da criança e do adolescente terá início em setembro. Cinco equipes visitarão todas as regiões do País, com o intuito de conhecer a situação de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade
Motoristas poderão ter a versão eletrônica da CNH
Documento equivale à CNH impressa e ficará disponível por meio de aplicativo para celulares
Integrantes do Conselhão recomendam a ampliação dos cuidados para a primeira infância, a partir dessa sugestão foi criado um comitê de articulação de medidas para atender as crianças
Integrantes do Conselhão criam comitê de proteção para a primeira infância
Projeto de caravanas pelos direitos da criança e do adolescente terá início em setembro. Cinco equipes visitarão todas as regiões do País, com o intuito de conhecer a situação de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade
Lançado projeto de caravanas pelos direitos da criança e do adolescente
Documento equivale à CNH impressa e ficará disponível por meio de aplicativo para celulares
Motoristas poderão ter a versão eletrônica da CNH

Últimas imagens

O governo federal estima que 50 mil jovens sejam beneficiados com a ação
O governo federal estima que 50 mil jovens sejam beneficiados com a ação
Foto: Ana Nascimento/MDS
Além da declaração de nascido vivo, pais devem apresentar os documentos pessoais, como RG e CPF
Além da declaração de nascido vivo, pais devem apresentar os documentos pessoais, como RG e CPF
Divulgação/Prefeitura de Barreiras (BA)
Participação do pai no parto tranquiliza a mulher e ajuda aliviar a dor
Participação do pai no parto tranquiliza a mulher e ajuda aliviar a dor
Divulgação/Ministério da Saúde
Servidor deve solicitar o benefício em até dois dias úteis após o nascimento
Servidor deve solicitar o benefício em até dois dias úteis após o nascimento
Gabriel Jabur/Agência Brasília
Participação dos municípios está sujeita à aprovação do Conselho de Assistência Social
Participação dos municípios está sujeita à aprovação do Conselho de Assistência Social
Foto: Sergio Amaral/MDS

Governo digital