Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2016 > 01 > Público debate filme “Que horas ela volta?” durante Fórum Social Temático

Cidadania e Justiça

Público debate filme “Que horas ela volta?” durante Fórum Social Temático

Inclusão Social

Ministra Tereza Campello participou de bate-papo e lembrou que a situação da personagem Jéssica não é mais uma exceção no Brasil
publicado: 25/01/2016 11h06 última modificação: 02/02/2016 16h22

Mudanças sociais, econômicas e culturais da população mais pobre foram temas do debate sobre o filme "Que horas ela volta?", promovido na última sexta-feira (22), em Porto Alegre (RS). A atividade integrou a programação do Fórum Social Temático.

O público assistiu ao filme e, em seguida, participou de um bate-papo com a diretora da obra, Anna Muylaert, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, e a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral. O debate foi moderado pela coordenadora nacional do Fórum Brasileiro de Economia Solidária, Xica da Silva.

Para Tereza Campello, a situação da personagem Jéssica não é mais uma exceção no Brasil atual. Ela lembrou que existem outros casos que mostram um País diferente, um Brasil de oportunidades. Destacou como exemplo o jovem Sérgio dos Santos Santana, de 18 anos, filho de um pedreiro e uma doméstica. Morador do município de São Lourenço do Piauí, ele foi aprovado no curso de Medicina na Universidade Federal do Piauí.

Na avaliação da ministra, “o filme pegou um momento de ruptura e da dificuldade de um novo nascer convivendo com o velho”.

Para a presidenta da UNE, Carina Vitral, os maiores responsáveis pelas mudanças que ocorrem hoje no País são os jovens. Na avaliação dela, é muito perceptível os dois "Brasis" do filme, um da personagem Val, de desigualdade, e o da personagem Jéssica, um novo Brasil, da mulher nordestina de cabeça erguida.

Já a diretora do filme, Anna Muylaert, afirmou que as mudanças no Brasil não têm mais volta e que não são apenas financeiras, mas de consciência. “A educação é uma porta possível de transformação”, disse.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Visita à Rede Sarah mostra avanços na estimulação de crianças
O Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, e a embaixadora do Programa Criança Feliz, primeira-dama Marcela Temer, visitaram na quarta-feira (16) unidade Rede Sarah, em Brasília
Ministério da Justiça tem curso de educação financeira
Curso online e gratuito, busca orientar participantes sobre questões como orçamento doméstico e cálculo de despesas e receitas
Representantes do Cone Sul se reúnem para debater ações de criminalidade
Países do Cone Sul irão se reunir no Palácio do Itamaraty nesta semana
O Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, e a embaixadora do Programa Criança Feliz, primeira-dama Marcela Temer, visitaram na quarta-feira (16) unidade Rede Sarah, em Brasília
Visita à Rede Sarah mostra avanços na estimulação de crianças
Curso online e gratuito, busca orientar participantes sobre questões como orçamento doméstico e cálculo de despesas e receitas
Ministério da Justiça tem curso de educação financeira
Países do Cone Sul irão se reunir no Palácio do Itamaraty nesta semana
Representantes do Cone Sul se reúnem para debater ações de criminalidade

Últimas imagens

Levou-se em consideração a necessidade de estudos para a avaliar efetividade da exigência
Levou-se em consideração a necessidade de estudos para a avaliar efetividade da exigência
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Cada familia recebeu uma unidade habitacional no valor total de R$ 33 mil
Cada familia recebeu uma unidade habitacional no valor total de R$ 33 mil
Divulgação/Incra
O sistema possui atualmente 352 empresas cadastradas
O sistema possui atualmente 352 empresas cadastradas
Marcos Santos/USP Imagens
A iniciativa é do Ministério da Justiça e Cidadania e Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas
A iniciativa é do Ministério da Justiça e Cidadania e Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas
Foto: Isaac Amorim/Ministério da Justiça
A titulação de terras é importante porque dá segurança jurídica aos assentados
A titulação de terras é importante porque dá segurança jurídica aos assentados
Divulgação/Incra (TO)

Governo digital