Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2016 > 01 > Público debate filme “Que horas ela volta?” durante Fórum Social Temático

Cidadania e Justiça

Público debate filme “Que horas ela volta?” durante Fórum Social Temático

Inclusão Social

Ministra Tereza Campello participou de bate-papo e lembrou que a situação da personagem Jéssica não é mais uma exceção no Brasil
publicado: 25/01/2016 11h06 última modificação: 02/02/2016 16h22

Mudanças sociais, econômicas e culturais da população mais pobre foram temas do debate sobre o filme "Que horas ela volta?", promovido na última sexta-feira (22), em Porto Alegre (RS). A atividade integrou a programação do Fórum Social Temático.

O público assistiu ao filme e, em seguida, participou de um bate-papo com a diretora da obra, Anna Muylaert, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, e a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral. O debate foi moderado pela coordenadora nacional do Fórum Brasileiro de Economia Solidária, Xica da Silva.

Para Tereza Campello, a situação da personagem Jéssica não é mais uma exceção no Brasil atual. Ela lembrou que existem outros casos que mostram um País diferente, um Brasil de oportunidades. Destacou como exemplo o jovem Sérgio dos Santos Santana, de 18 anos, filho de um pedreiro e uma doméstica. Morador do município de São Lourenço do Piauí, ele foi aprovado no curso de Medicina na Universidade Federal do Piauí.

Na avaliação da ministra, “o filme pegou um momento de ruptura e da dificuldade de um novo nascer convivendo com o velho”.

Para a presidenta da UNE, Carina Vitral, os maiores responsáveis pelas mudanças que ocorrem hoje no País são os jovens. Na avaliação dela, é muito perceptível os dois "Brasis" do filme, um da personagem Val, de desigualdade, e o da personagem Jéssica, um novo Brasil, da mulher nordestina de cabeça erguida.

Já a diretora do filme, Anna Muylaert, afirmou que as mudanças no Brasil não têm mais volta e que não são apenas financeiras, mas de consciência. “A educação é uma porta possível de transformação”, disse.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Biometria deve ser usada em serviços públicos digitais
O secretário de Tecnologia da Informação, Marcelo Pagotti, fala sobre o recurso, que deve ser implantado em 2017
Estatuto da Igualdade Racial completa seis anos
Em julho, o Estatuto da Igualdade Racial completa seis anos. Resultado de anos de luta do movimento negro brasileiro, o estatuto abriu as portas para a criação de uma série de iniciativas de inclusão em diversas áreas.
Comitê busca ampliar renda de beneficiários do Bolsa Família
Governo vai criar comitê para incluir beneficiários do Bolsa Família na cadeia produtiva, permitindo que as famílias possam se emancipar
O secretário de Tecnologia da Informação, Marcelo Pagotti, fala sobre o recurso, que deve ser implantado em 2017
Biometria deve ser usada em serviços públicos digitais
Em julho, o Estatuto da Igualdade Racial completa seis anos. Resultado de anos de luta do movimento negro brasileiro, o estatuto abriu as portas para a criação de uma série de iniciativas de inclusão em diversas áreas.
Estatuto da Igualdade Racial completa seis anos
Governo vai criar comitê para incluir beneficiários do Bolsa Família na cadeia produtiva, permitindo que as famílias possam se emancipar
Comitê busca ampliar renda de beneficiários do Bolsa Família

Governo digital