Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2016 > 02 > Ações brasileiras contra pobreza e desigualdades são referências internacionais

Cidadania e Justiça

Ações brasileiras contra pobreza e desigualdades são referências internacionais

PNUD

Representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento diz que Brasil incorporou a agenda dos Objetivos do Milênio às suas políticas públicas
por Portal Brasil publicado: 11/02/2016 20h20 última modificação: 22/04/2016 16h55
Foto: Ana Nascimento/MDS Ministra Tereza Campello em reunião com  Niky Fabiancic, representante-residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) no Brasil

Ministra Tereza Campello em reunião com Niky Fabiancic, representante-residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) no Brasil

O Brasil incorporou a agenda dos Objetivos do Milênio às suas políticas públicas nos últimos 10, 15 anos, e, por isso, conquistou progressos muito significativos na redução da pobreza e das desigualdades. A avaliação é do coordenador-residente do Sistema Nações Unidas (ONU) no Brasil, Niky Fabiancic, que esteve reunido, nesta quinta-feira, com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.

Fabiancic, que também é representante-residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) no Brasil, discutiu hoje com a ministra Tereza Campello a continuidade de parcerias técnicas e o acompanhamento das políticas públicas executadas pelo governo federal. Ele ressaltou a vontade política do governo brasileiro para o sucesso das políticas sociais.

O representante do Pnud destacou, ainda, a importância do protagonismo do Brasil na discussão dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), propostos para serem alcançados até 2030. “Os Objetivos do Milênio foram uma agenda para países em desenvolvimento. O Brasil contribuiu para que a agenda de discussão dos ODS fosse uma agenda universal”, disse. “O País mostrou uma liderança ao discutir a intersetorialidade, a integralidade dos objetivos. Temos de trabalhar em avanços em todas as frentes para obter um desenvolvimento”, completou Fabiancic.

Ele também exaltou a trajetória brasileira e se recordou de uma parceria com o governo brasileiro ainda quando era coordenador residente do Sistema das Nações Unidas na República Dominicana para a construção de programas sociais semelhantes ao Bolsa Família naquele país. “O Brasil, com a sua experiência, já está contribuindo com outros países para alcançarem seus objetivos”, afirmou.

A Agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) é composta por 17 objetivos e 169 metas para países desenvolvidos e em desenvolvimento. Entre as propostas estão erradicar a fome e a pobreza, reduzir a desigualdade, promover a agricultura sustentável, saúde, educação e igualdade de gênero, além de garantir a todos o acesso à água, ao saneamento e à energia sustentável.

Fonte:  MDS

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Gastos com Bolsa Família devem ser informados até 31/08
Gestores estaduais e municipais do Bolsa Família devem comunicar o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário sobre os gastos com a execução do programa
Ministro explica programa para primeira infância
Durante encontro em Pelotas, o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, falou sobre o desenvolvimento integral nos primeiros anos de vida
Biometria deve ser usada em serviços públicos digitais
O secretário de Tecnologia da Informação, Marcelo Pagotti, fala sobre o recurso, que deve ser implantado em 2017
Gestores estaduais e municipais do Bolsa Família devem comunicar o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário sobre os gastos com a execução do programa
Gastos com Bolsa Família devem ser informados até 31/08
Durante encontro em Pelotas, o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, falou sobre o desenvolvimento integral nos primeiros anos de vida
Ministro explica programa para primeira infância
O secretário de Tecnologia da Informação, Marcelo Pagotti, fala sobre o recurso, que deve ser implantado em 2017
Biometria deve ser usada em serviços públicos digitais

Governo digital