Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2016 > 03 > 'Caminhamos para construir cidadania plena das mulheres', diz Nilma Lino

Cidadania e Justiça

'Caminhamos para construir cidadania plena das mulheres', diz Nilma Lino

Respeito

Ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos defende consolidação e ampliação dos direitos conquistados pelas mulheres nos últimos anos
por Portal Brasil publicado: 08/03/2016 03h49 última modificação: 08/03/2016 03h49

O Brasil avançou muito na garantia de direitos e na promoção da igualdade de gênero nos últimos tempos, mas ainda há muito a ser conquistado. E esse é um caminho a ser tomado pelas próprias mulheres, que estão atualmente mais organizadas, mais firmes e cientes da importância de seu papel na sociedade, disse a ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Nilma Lino, em entrevista exclusiva ao Portal Brasil.

A pedagoga mineira, que comanda a pasta desde outubro de 2015, acredita que o próximo passo a ser conquistado é a ampliação dos direitos das mulheres. Ela cita a necessidade de avanços no direito à educação, saúde e ao emprego. Confira, abaixo, a entrevista completa da ministra Nilma Lino ao Portal Brasil:

Portal Brasil - O que foi feito nos últimos anos para o empoderamento das brasileiras?

Nilma Lino - A participação histórica das mulheres na luta por direitos, por igualdade, tem resultado em uma mudança, uma inflexão na nossa política, que é a existência de políticas públicas voltadas para as mulheres. Como, por exemplo, trazer a violência contra as mulheres como um tema de Estado, não somente da mulher que sofre a violência. E as mulheres fazem parte, ainda, de um grupo em situação de vulnerabilidade  entre ois diferentes sujeitos que compõem a nossa sociedade e a nossa democracia. Temos de pensar nas mulheres pobres, nas mulheres do campo, nas mulheres negras, nas mulheres indígenas, nas mulheres ciganas; ou seja, uma diversidade no modo de ser mulher.

O que nós temos tido nos últimos anos? Políticas. Algumas dessas políticas são Leis, com participação do Poder Executivo com o Poder Legislativo. Outras políticas são programas do próprio governo federal. Mas nada disso teria acontecido se não fosse a força do movimento das mulheres, do movimento social e do movimento feminista. São os movimentos sociais que trouxeram as demandas para o Estado e nos últimos 13 anos tivemos um governo atento e comprometido com essas questões.

Algumas das ações temos no âmbito do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, levadas à frente pela Secretaria de Políticas para as Mulheres. O Ligue 180, por exemplo, é um canal muito importante de recebimento de denúncias e de encaminhamento. Temos hoje aprovada a Lei do Feminicídio, o que é muito importante, porque o crime cometido contra a mulher por razões de gênero não é um simples homicídio, é um feminicídio.

Temos também iniciativas como a Casa da Mulher Brasileira, em parceria com os Estados e com municípios. Já temos duas Casas em funcionamento, em Brasília e em Campo Grande. Devemos inaugurar a terceira em março, em Curitiba, e mais quatro até o final do ano. A ideia é que nós tenhamos uma Casa em cada capital do Brasil. É um espaço de acolhimento e garantia de direitos, onde estão todos os serviços que a mulher vítima de violência precisa. E não podemos nos esquecer da Lei Maria da Penha, a grande propulsora de uma série de políticas, de uma série de mudanças que temos hoje e que recebe muito destaque, internacionalmente.

Portal Brasil - Além da questão do enfrentamento da violência contra as mulheres, quais são as outras frentes de atuação para garantir os direitos do gênero feminino?

Nilma Lino - Temos uma série de políticas no governo federal que, se olharmos sob perspectiva de gênero, vamos ver que beneficiam as mulheres. Por exemplo, o Bolsa Família. Mais de 90% das titulares do benefícios são concedidos a mulheres. Se tomarmos como exemplo o Minha Casa, Minha Vida, a grande maioria das beneficiadas é composta de mulheres.

Temos também os cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, o Pronatec, com grande número de mulheres nos cursos ofertados. Se levarmos em consideração todas essas políticas e também outros avanços na garantia dos direitos das mulheres, podemos concluir que estamos caminhando para a construção de uma cidadania plena. Ou seja, ser mulher no Brasil hoje significa ser sujeito de direitos e ser uma cidadã plena.

Portal Brasil - A mulher teve de lutar para conquistar o direito ao voto, ao divórcio e outros tantos direitos na sociedade brasileira. Qual é o próximo passo?

Nilma Lino - É a consolidação dos direitos que já conquistamos. Hoje temos direitos, políticas públicas, uma maior movimentação no reconhecimento na sociedade brasileira de que as mulheres sofrem violência e que elas são sujeitos de direito. Então a consolidação do que já se foi conquistado e a ampliação desses direitos é o próximo passo a ser conquistado. E temos de pensar nos direitos nas áreas de educação, direito ao trabalho, direito à vida, direito à saúde.

Por isso é que o tema da nossa 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, em maio, é muito significativo: Mais Direitos, Mais Participação e Mais Poder Para as Mulheres. Acho que esse é o próximo passo, nos consolidar em lugares de poder e com poder de fato. Poder de decisão e de traçar novos rumos em uma perspectiva nossa para a melhoria da igualdade entre homens e mulheres.

Portal Brasil - As mulheres estão em um caminho de mudança de opinião, percepção e conscientização das suas próprias realidades? O que isso gera para a nossa sociedade?

Nilma Lino - Gera mudança social, busca por emancipação social. Acho que todos os ensinamentos da luta das mulheres, sejam as lutas anônimas ou as mais conhecidas, têm nos reeducado, como sociedade, a entender e compreender os problemas de gênero. A entender que temos um conjunto de desigualdades que torna mais complexa a nossa luta por democracia. Não é apenas a desigualdade socioeconômica que incide e interpõe prejuízos na trajetória das mulheres. Temos a desigualdade de gênero, associada à desigualdade de raça, temos a desigualdade regional e várias questões ligadas à orientação sexual.

Todas essas questões, juntas, apontam para um outro País que estamos construindo e que precisamos construir. E nada disso seria feito se não fosse por nós, mulheres, nessa luta. Claro que temos aliados homens, mas quem puxa e quem faz a diferença, trazendo a mulher para esse lugar central na sociedade, como sujeito da história, um sujeito participativo, têm sido de fato nós, mulheres.

Fonte: Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

"Sou mais um para um trânsito mais seguro"
Governo destaca alto número de vítimas fatais no trânsito brasileiro durante a Semana Nacional do Trânsito 2016
Campanha do governo alerta sobre risco do uso de celular no carro
Campanha da semana nacional do Trânsito lembra que qualquer atividade com celular enquanto dirigir, mesmo com o carro parado, gera multa
Prorrogada emissão de vistos a haitianos
Governo federal prorrogou entrega de vistos humanitários pela quarta vez
Governo destaca alto número de vítimas fatais no trânsito brasileiro durante a Semana Nacional do Trânsito 2016
"Sou mais um para um trânsito mais seguro"
Campanha da semana nacional do Trânsito lembra que qualquer atividade com celular enquanto dirigir, mesmo com o carro parado, gera multa
Campanha do governo alerta sobre risco do uso de celular no carro
Governo federal prorrogou entrega de vistos humanitários  pela quarta vez
Prorrogada emissão de vistos a haitianos

Últimas imagens

No mesmo período, o Ligue 180 mais de 3 mil atendimentos por dia em todo o Brasil
No mesmo período, o Ligue 180 mais de 3 mil atendimentos por dia em todo o Brasil
Elza Fiúza/Agência Brasil
Segundo o ministro Osmar Terra, uma das possibilidades é de que o CPF dos beneficiários esteja sendo usado sem o conhecimento deles
Segundo o ministro Osmar Terra, uma das possibilidades é de que o CPF dos beneficiários esteja sendo usado sem o conhecimento deles
Mauro Vieira/MDSA
O Consumidor.gov.br conta com mais de 420 mil reclamações registradas
O Consumidor.gov.br conta com mais de 420 mil reclamações registradas
Divulgação/MJC
A data foi instituída por iniciativa de movimentos sociais, em 1982, e oficializada por lei em 2005
A data foi instituída por iniciativa de movimentos sociais, em 1982, e oficializada por lei em 2005
Julio Cavalheiro/Governo de Santa Catarina
A iluminação de monumentos como o Congresso Nacional é uma das ações da campanha
A iluminação de monumentos como o Congresso Nacional é uma das ações da campanha
Divulgação/Setembro Amarelo

Governo digital