Cidadania e Justiça

Incra

Extremo Sul da Bahia terá novo modelo de assentamento

Proposta é implantar áreas menores, localizadas perto dos centros consumidores, com tecnologia intensiva e agregação de valor à produção
publicado: 11/03/2016 15h30, última modificação: 23/12/2017 11h06
Extremo Sul da Bahia terá novo modelo de assentamento

Reunião do Incra e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar - Foto: Incra

Um novo modelo de assentamento, com áreas menores, localizadas perto dos centros consumidores, com uso de tecnologia intensiva e agregação de valor à produção associado à agroindústria, será implementado em fase piloto no Território Extremo Sul da Bahia. A aprovação do projeto-piloto foi definida pela direção do Incra e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf), durante reunião realizada na sede do instituto em Brasília (DF).

Lideranças da Fetraf, na Bahia se reuniram com a presidente Maria Lúcia Falcón, o secretário de Desenvolvimento Rural do Estado, Jerônimo Rodrigues e a coordenadora Executiva de Articulação Social da secretaria de Relações Institucionais da Bahia, Mary Cláudia Souza, para discutir os conflitos na região.

A presidente Maria Lúcia Falcón disse que o Território Extremo Sul é prioritário para o Incra, no esforço de promover a reforma agrária. Ela lembrou no entanto, que a oferta de terras na região é baixa, seja por questões ambientais, como a necessidade de conservação de fragmentos de Mata Atlântica ou pelos projetos de silvicultura, por isso é necessário pensar em um outro modelo de desenvolvimento para os agricultores assentados que não seja aquele do assentamento tradicional.

Maria Lúcia propôs a implantação de uma espécie de cordão de segurança alimentar no entorno de cidades-polo, como Eunápolis, Porto Seguro, Itabela, Itamaraju e, assim, fomentar o vínculo da territorialidade, com o campo produzindo alimentos e a cidade fornecendo serviços. 

Agenda

Os representantes do governo estadual destacaram que a proposta apresentada é inovadora e responde a uma situação de difícil solução, que é conseguir terras para promover a reforma agrária na região, seja pela modalidade de desapropriação ou compra direta. "Estamos de braços dados com o Incra para resolver essa situação", afirmou Mary Cláudia.

Fonte: Incra

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems