Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2016 > 03 > Parto humanizado pela Rede Cegonha assegura direito das mulheres

Cidadania e Justiça

Parto humanizado pela Rede Cegonha assegura direito das mulheres

Mês da Mulher

Parto humanizado respeita o direito das mulheres e suas escolhas; Rede Cegonha garante acompanhamento e incentiva o parto normal
por Portal Brasil publicado: 08/03/2016 04h11 última modificação: 08/03/2016 04h11

Para o parto normal do seu primeiro filho pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na quinta-feira da semana passada (3),  em Brasília, Eugênia Barbosa, 29 anos, contou com a presença da sua mãe, a baiana Luciene Barbosa. Ela pode se alimentar durante o trabalho de parto e também escolher a posição do nascimento de Emanuela. Ao nascer, a pequena teve o primeiro contato com a mãe em um abraço, com calma, reforçando os laços e contribuindo com a saúde da bebê e da mãe.

Questões que podem parecer detalhes para alguns, na verdade fazem parte de um dos pilares da Rede Cegonha, estratégia do Ministério da Saúde para incentivar não só o parto humanizado, como foi o de Luciene, mas também qualificar e garantir o acompanhamento das mãe e bebês.

Segundo dados do Ministério da Saúde, atualmente a Rede Cegonha desenvolve ações em 5.488 municípios, alcançando mais de 2,5 milhões de gestantes. Para incentivar o parto normal, a Estratégia Rede Cegonha possui atualmente 13 Centros de Parto Normal (CPN) habilitados, segundo suas diretrizes de atenção ao parto e nascimento.

A recém-mamãe, apesar da inexperiência, admitiu que não se sentiria confortável se não fosse o tratamento dado pela equipe do parto humanizado no Hospital Materno Infantil de Brasília. "Eu não queria fazer cesárea e fui muito respeitada. Foi natural, como tem de ser. Fui explicada de tudo que estava acontecendo e pude fazer da forma que eu escolhi", conta.

A avó de Emanuela - e acompanhante de Eugênia - observava tudo. Com 65 anos, Luciene teve dez filhos, todos de parto normal, em Santo Sé, na Bahia. "Naquela época não tinha isso, a gente tinha em casa. Eu não queria que ela fizesse cesárea porque são dois resguardos. É uma cirurgia né? Se não tem necessidade, não precisa".

Outra mãe ainda no puerpério, Iohanna Santos, de 23 anos, também teve seu primeiro parto de forma humanizada pela Rede Cegonha. O Henrique pode vir ao mundo respeitando o tempo do próprio nascimento e das escolhas da mãe. "Eu estava nervosa porque a bolsa estorou antes, mas foi todo mundo muito atencioso. Eu não fiz indução de parto com remédio, esperamos a ordem natural das coisas", disse.

Para Iohanna, o essencial do respeito é o conforto e a segurança em um momento tão delicado. "É muito importante o respeito com a mulher porque, mesmo em situação complexa que é o parto, temos direito de escolha que devem ser respeitados, se não há risco para o bebê".

Respeito no parto é forma de empoderamento

A coordenadora da Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, acredita que há várias outras formas de dar lugar e voz as mulheres na saúde, mas que os direitos reprodutivos e sexuais têm grande importância. A qualificação das equipes médicas para uma outra experiência do nascimento, com respeito ao direito da mulher, melhoram o  parto e diminuem os números de mortalidade neonatal.

"Os direitos das mulheres na saúde não devem começar e acabar no parto. O intuito é atender o parto da forma que as mulheres merecem. É isso que a Rede Cegonha propõe, com uma série de ações para mudar o modelo de atenção ao parto e nascimento, como a criação das Casas de Parto Normal, inclusão das enfermeiras-obstetras nos partos de baixo risco e para as boas práticas no geral", observa. 

Esther explica que o parto humanizado tem quatro pilares: o da beneficência, das evidências científicas, nos direitos das mulheres e das crianças e, em primeiro lugar, em não ser nocivo. "As práticas do parto visto como algo mecânico é nocivo para essa mulher e para a criança. O cuidado deve ser centrado na mulher e na sua família. Ela precisa se sentir segura e acolhida, tudo isso no ambiente de respeito no evento que seja dela, isso é o principal".

Fonte: Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa Criança Feliz
Brasil tem mais de 8,2 mil Centros de Referência de Assistência Social
Locais oferecem apoio a brasileiros em situação de risco, com serviços relacionados a concessões de benefícios sociais, auxílio psicológico e diversas atividades
Em 2017, 70 Centros de Arte e Esporte serão inagurados
Os CEUs contam com atividades educativas e culturais, além permitir acesso a programas sociais dos municípios e do governo federal
Programa Criança Feliz
Programa Criança Feliz
Locais oferecem apoio a brasileiros em situação de risco, com serviços relacionados a concessões de benefícios sociais, auxílio psicológico e diversas atividades
Brasil tem mais de 8,2 mil Centros de Referência de Assistência Social
Os CEUs contam com atividades educativas e culturais, além permitir acesso a programas sociais dos municípios e do governo federal
Em 2017, 70 Centros de Arte e Esporte serão inagurados

Últimas imagens

Antes, a única forma de resolver essa situação era procurar a justiça para iniciar o processo legal
Antes, a única forma de resolver essa situação era procurar a justiça para iniciar o processo legal
Foto: Meneguini/Governo do Mato Grosso
Tráfico de pessoas é uma violação dos direitos humanos e é um problema em escala global
Tráfico de pessoas é uma violação dos direitos humanos e é um problema em escala global
Arquivo/EBC
A ação orientará as famílias sobre a melhor maneira de estimular os filhos
A ação orientará as famílias sobre a melhor maneira de estimular os filhos
Divulgação/Governo de Mato Grosso do Sul
Peritos revisaram 126,2 mil benefícios de segurados que não passavam por avaliação médica há mais de dois anos
Peritos revisaram 126,2 mil benefícios de segurados que não passavam por avaliação médica há mais de dois anos
Arquivo/EBC
A maior parte das denúncias é referente aos crimes de abuso sexual (72%) e exploração sexual (20%)
A maior parte das denúncias é referente aos crimes de abuso sexual (72%) e exploração sexual (20%)
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Governo digital