Você está aqui: Página Inicial > Cidadania e Justiça > 2016 > 03 > Parto humanizado pela Rede Cegonha assegura direito das mulheres

Cidadania e Justiça

Parto humanizado pela Rede Cegonha assegura direito das mulheres

Mês da Mulher

Parto humanizado respeita o direito das mulheres e suas escolhas; Rede Cegonha garante acompanhamento e incentiva o parto normal
por Portal Brasil publicado: 08/03/2016 04h11 última modificação: 08/03/2016 04h11

Para o parto normal do seu primeiro filho pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na quinta-feira da semana passada (3),  em Brasília, Eugênia Barbosa, 29 anos, contou com a presença da sua mãe, a baiana Luciene Barbosa. Ela pode se alimentar durante o trabalho de parto e também escolher a posição do nascimento de Emanuela. Ao nascer, a pequena teve o primeiro contato com a mãe em um abraço, com calma, reforçando os laços e contribuindo com a saúde da bebê e da mãe.

Questões que podem parecer detalhes para alguns, na verdade fazem parte de um dos pilares da Rede Cegonha, estratégia do Ministério da Saúde para incentivar não só o parto humanizado, como foi o de Luciene, mas também qualificar e garantir o acompanhamento das mãe e bebês.

Segundo dados do Ministério da Saúde, atualmente a Rede Cegonha desenvolve ações em 5.488 municípios, alcançando mais de 2,5 milhões de gestantes. Para incentivar o parto normal, a Estratégia Rede Cegonha possui atualmente 13 Centros de Parto Normal (CPN) habilitados, segundo suas diretrizes de atenção ao parto e nascimento.

A recém-mamãe, apesar da inexperiência, admitiu que não se sentiria confortável se não fosse o tratamento dado pela equipe do parto humanizado no Hospital Materno Infantil de Brasília. "Eu não queria fazer cesárea e fui muito respeitada. Foi natural, como tem de ser. Fui explicada de tudo que estava acontecendo e pude fazer da forma que eu escolhi", conta.

A avó de Emanuela - e acompanhante de Eugênia - observava tudo. Com 65 anos, Luciene teve dez filhos, todos de parto normal, em Santo Sé, na Bahia. "Naquela época não tinha isso, a gente tinha em casa. Eu não queria que ela fizesse cesárea porque são dois resguardos. É uma cirurgia né? Se não tem necessidade, não precisa".

Outra mãe ainda no puerpério, Iohanna Santos, de 23 anos, também teve seu primeiro parto de forma humanizada pela Rede Cegonha. O Henrique pode vir ao mundo respeitando o tempo do próprio nascimento e das escolhas da mãe. "Eu estava nervosa porque a bolsa estorou antes, mas foi todo mundo muito atencioso. Eu não fiz indução de parto com remédio, esperamos a ordem natural das coisas", disse.

Para Iohanna, o essencial do respeito é o conforto e a segurança em um momento tão delicado. "É muito importante o respeito com a mulher porque, mesmo em situação complexa que é o parto, temos direito de escolha que devem ser respeitados, se não há risco para o bebê".

Respeito no parto é forma de empoderamento

A coordenadora da Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, acredita que há várias outras formas de dar lugar e voz as mulheres na saúde, mas que os direitos reprodutivos e sexuais têm grande importância. A qualificação das equipes médicas para uma outra experiência do nascimento, com respeito ao direito da mulher, melhoram o  parto e diminuem os números de mortalidade neonatal.

"Os direitos das mulheres na saúde não devem começar e acabar no parto. O intuito é atender o parto da forma que as mulheres merecem. É isso que a Rede Cegonha propõe, com uma série de ações para mudar o modelo de atenção ao parto e nascimento, como a criação das Casas de Parto Normal, inclusão das enfermeiras-obstetras nos partos de baixo risco e para as boas práticas no geral", observa. 

Esther explica que o parto humanizado tem quatro pilares: o da beneficência, das evidências científicas, nos direitos das mulheres e das crianças e, em primeiro lugar, em não ser nocivo. "As práticas do parto visto como algo mecânico é nocivo para essa mulher e para a criança. O cuidado deve ser centrado na mulher e na sua família. Ela precisa se sentir segura e acolhida, tudo isso no ambiente de respeito no evento que seja dela, isso é o principal".

Fonte: Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo cria núcleo de combate à violência contra mulher
A iniciativa promoverá ações para reprimir e combater efetivamente crimes contra a mulher. Anúncio foi feito nesta terça (31)
Temer defende ação conjunta para banir violência
Temer afirmou que é necessário trabalho conjunto da União com os estados para banir todos os tipos de violência
Campanha Maio Amarelo conscientiza motoristas
Campanha Maio Amarelo pretende conscientizar motoristas para a redução de acidentes no trânsito
A iniciativa promoverá ações para reprimir e combater efetivamente crimes contra a mulher. Anúncio foi feito nesta terça (31)
Governo cria núcleo de combate à violência contra mulher
Temer afirmou que é necessário trabalho conjunto da União com os estados para banir todos os tipos de violência
Temer defende ação conjunta para banir violência
Campanha Maio Amarelo pretende conscientizar motoristas para a redução de acidentes no trânsito
Campanha Maio Amarelo conscientiza motoristas

Últimas imagens

O governo vai transferir mais de R$ 2,2 bilhões às famílias de baixa renda inscritas no Programa
O governo vai transferir mais de R$ 2,2 bilhões às famílias de baixa renda inscritas no Programa
A seleção dos aprendizes será realizada a partir do cadastro no Portal Mais Emprego
A seleção dos aprendizes será realizada a partir do cadastro no Portal Mais Emprego
Foto: Pref. de Campo Verde/MT
“É a luta do conservadorismo da elite contra uma população até então esquecida, casos dos negros, LGBTS e mulheres”, disse Eliana Emetéri
“É a luta do conservadorismo da elite contra uma população até então esquecida, casos dos negros, LGBTS e mulheres”, disse Eliana Emetéri
Foto: Blog do Planalto
Ação ocorreu na zona norte do Rio e na Baixada Fluminense
Ação ocorreu na zona norte do Rio e na Baixada Fluminense
Divulgação/EBc

Governo digital