Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2011 > 11 > Brasil e Reino Unido discutem intercâmbio científico e tecnológico

Ciência e Tecnologia

Brasil e Reino Unido discutem intercâmbio científico e tecnológico

por Portal Brasil publicado: 07/11/2011 20h34 última modificação: 28/07/2014 14h52

A abertura da 6ª reunião do Comitê Econômico e de Comércio Conjunto (Jetco) entre Brasil e Reino Unido foi realizada nesta segunda-feira (7), em Londres. Durante o evento, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, reafirmou aos empresários ingleses e representantes do governo britânico o interesse do governo brasileiro de promover o intercâmbio científico e tecnológico entre as empresas dos dois países.

“O Reino Unido tem muito a nos oferecer com a sua experiência em inovação tecnológica e industrial. Esse é o momento ideal para aprofundarmos as nossas relações”, afirmou o ministro. Em reunião bilateral com o ministro de Negócios, Inovação e Treinamento do Reino Unido, Vince Cable, Pimentel anunciou que vai coordenar uma nova missão empresarial ao país no início de 2012. A ideia é aproveitar as discussões do Jetco e priorizar a cooperação entre as empresas, no modelo universidade–empresa e, também, nos clusters de desenvolvimento tecnológico.

Última reunião do comitê antes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Londres 2012, o sexto encontro dará atenção especial ao tema esporte e infraestrutura. A cooperação e a troca de experiência entre os dois países na organização de grandes eventos esportivos tende a aumentar durante e após a realização dos jogos. Outros temas em destaque são inovação, energia, saúde e indústrias criativas, no escopo da cooperação em promoção comercial e atração de investimentos entre os dois países.

Também participam do evento, os representantes do Ministério da Cultura do Brasil, Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP), Banco do Brasil, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de empresas brasileiras como Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática, Cutrale, TAM Airlines, Grupo Marfrig, Embraer, Odebrecht Óleo e Gás, BrFoods  e Queiroz Galvão.

A delegação britânica inclui representantes da British Telecom, Smiths Detection, GlaxoSmithKline, Oxford Capital Partners, HSBC, Anglo American PLC, Gordon Murray Design limited, London Stock Exchange, The City UK, Lloyds of London, Rolls Royce, Shell, entre outros.

A programação inclui um seminário sobre a cooperação entre Brasil e Reino Unido em promoção comercial e atração de investimentos, conduzido pela UK Trade & Investment, o Ministério de Negócios, Inovação e Treinamento do Reino Unido (BIS), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e o Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério de Relações Exteriores do Brasil. A comitiva brasileira também participa de uma agenda de visitas técnicas sobre inovação, esporte e infraestrutura e energia, incluindo locais como a Universidade de Cambridge e o parque da inovação para a construção (BRE Innovation Park).


Jetco

O Jetco é um mecanismo formal entre os governos de Brasil e Reino Unido para, em coordenação com o setor privado, promover relações econômicas e desenvolver processos para estimular o comércio e investimento bilaterais, além de promover alianças empresariais estratégicas e discutir o aprimoramento das políticas públicas com vistas a favorecer o fluxo comercial entre os dois países.

O comitê é organizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, pela Apex-Brasil, com o apoio do Ministério das Relações Exteriores, e pela UK Trade & Investment (UKTI), que promove o comércio exterior britânico.


Fonte:
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Sinal da TV analógica será desligado em cidades de São Paulo
O sinal analógico de TV será desligado em 39 municípios da região metropolitana de São Paulo (SP). Após mudança, aparelhos de TV mais antigos necessitarão de antena e conversor de sinal digital
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
O sinal analógico de TV será desligado em 39 municípios da região metropolitana de São Paulo (SP). Após mudança, aparelhos de TV mais antigos necessitarão de antena e conversor de sinal digital
Sinal da TV analógica será desligado em cidades de São Paulo

Últimas imagens

Dos 14 mil volumes que compõem o acervo da ABC, 2 mil já foram catalogados e serão expostos na próxima semana
Dos 14 mil volumes que compõem o acervo da ABC, 2 mil já foram catalogados e serão expostos na próxima semana
Arquivo/MAST
O Open OBC é usado para controlar satélites de pequeno porte
O Open OBC é usado para controlar satélites de pequeno porte
Divulgação/MCTIC
Este é o quarto projeto que será desenvolvido pela Unidade Embrapii INT
Este é o quarto projeto que será desenvolvido pela Unidade Embrapii INT
Divulgação/Petrobras
Um dos projetos selecionados busca criar um nanorepelente natural de longa duração contra o vírus zika
Um dos projetos selecionados busca criar um nanorepelente natural de longa duração contra o vírus zika
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
O contrato com a estatal Combustibles Nucleares Argentinos é de US$ 4,5 milhões
O contrato com a estatal Combustibles Nucleares Argentinos é de US$ 4,5 milhões
Divulgação/MCTIC

Governo digital