Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2012 > 05 > Em visita à INB, Raupp defende maior desenvolvimento da energia nuclear no Brasil

Ciência e Tecnologia

Em visita à INB, Raupp defende maior desenvolvimento da energia nuclear no Brasil

por Portal Brasil publicado: 14/05/2012 12h47 última modificação: 28/07/2014 16h25

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antonio Raupp, visitou na sexta-feira (11) as instalações da Fábrica de Combustível Nuclear das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), no Rio de Janeiro. Recepcionado pelo presidente da empresa, Alfredo Tranjan Filho, o ministro se mostrou impressionado com a tecnologia utilizada pela INB. “Hoje vi que o Brasil não está copiando tecnologia, está inovando. A INB tem pessoal altamente qualificado e o papel que a empresa desempenha é muito importante para a projeção estratégica nuclear do país no mundo.”

O ministro, que em 1988 visitou a INB como diretor-geral do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) afirmou também que pretende estreitar o relacionamento com a empresa, vinculada ao ministério. “A sociedade brasileira precisa ter conhecimento de que a energia nuclear é a mais limpa que existe. O MCTI pretende trabalhar para o maior desenvolvimento desta energia no País”.

Ao apresentar as atividades da empresa ao ministro, o presidente da INB comentou sobre o panorama nuclear no Brasil e no mundo. Ele ressaltou que a parceria entre a Marinha e a INB é importante para que a empresa consiga atingir à demanda de combustível nuclear no País, e que a capacidade atual de enriquecimento de urânio da INB atende a 14% das necessidades da usina de Angra 1.

Durante a visita do ministro à fábrica, o diretor-técnico do Enriquecimento da INB, Humberto Ruivo, destacou que apenas dez países no mundo detêm a tecnologia de enriquecimento de urânio e que o Brasil está entre eles. O diretor de Produção do Combustível Nuclear da INB, Samuel Fayad Filho, falou sobre o projeto para a possível instalação de uma fábrica de conversão em Resende e ainda sobre o aumento da demanda de combustível nuclear em virtude da conclusão de Angra 3. O diretor de Finanças e Administração da INB, Athayde Martins, também acompanhou a reunião.

 

Fonte:
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência

Últimas imagens

Próximo eclipse total que terá faixa de observação no Brasil está previsto para 2041
Próximo eclipse total que terá faixa de observação no Brasil está previsto para 2041
Divulgação/MCTIC
Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Arquivo/Agência Brasil
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
Arquivo/ Agência Brasil
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Arquivo/Agência Brasil
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Governo digital