Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2012 > 05 > Em visita à INB, Raupp defende maior desenvolvimento da energia nuclear no Brasil

Ciência e Tecnologia

Em visita à INB, Raupp defende maior desenvolvimento da energia nuclear no Brasil

por Portal Brasil publicado: 14/05/2012 12h47 última modificação: 28/07/2014 16h25

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antonio Raupp, visitou na sexta-feira (11) as instalações da Fábrica de Combustível Nuclear das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), no Rio de Janeiro. Recepcionado pelo presidente da empresa, Alfredo Tranjan Filho, o ministro se mostrou impressionado com a tecnologia utilizada pela INB. “Hoje vi que o Brasil não está copiando tecnologia, está inovando. A INB tem pessoal altamente qualificado e o papel que a empresa desempenha é muito importante para a projeção estratégica nuclear do país no mundo.”

O ministro, que em 1988 visitou a INB como diretor-geral do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) afirmou também que pretende estreitar o relacionamento com a empresa, vinculada ao ministério. “A sociedade brasileira precisa ter conhecimento de que a energia nuclear é a mais limpa que existe. O MCTI pretende trabalhar para o maior desenvolvimento desta energia no País”.

Ao apresentar as atividades da empresa ao ministro, o presidente da INB comentou sobre o panorama nuclear no Brasil e no mundo. Ele ressaltou que a parceria entre a Marinha e a INB é importante para que a empresa consiga atingir à demanda de combustível nuclear no País, e que a capacidade atual de enriquecimento de urânio da INB atende a 14% das necessidades da usina de Angra 1.

Durante a visita do ministro à fábrica, o diretor-técnico do Enriquecimento da INB, Humberto Ruivo, destacou que apenas dez países no mundo detêm a tecnologia de enriquecimento de urânio e que o Brasil está entre eles. O diretor de Produção do Combustível Nuclear da INB, Samuel Fayad Filho, falou sobre o projeto para a possível instalação de uma fábrica de conversão em Resende e ainda sobre o aumento da demanda de combustível nuclear em virtude da conclusão de Angra 3. O diretor de Finanças e Administração da INB, Athayde Martins, também acompanhou a reunião.

 

Fonte:
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil