Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2013 > 09 > Brasil quer dar continuidade a programas de pesquisa na Antártida e em ilhas oceânicas

Ciência e Tecnologia

Brasil quer dar continuidade a programas de pesquisa na Antártida e em ilhas oceânicas

Pesquisa Científica

Os programas Antártico Brasileiro e Arquipélago e Ilhas Oceânicas têm novas Chamadas Públicas para selecionar propostas pesquisa científica, tecnológica e de inovação
por publicado: 23/09/2013 17h33 última modificação: 30/07/2014 00h43
Divulgação/Secretaria de Meio Ambiente/PE Chamadas Públicas destinam recursos para Antártica, Arquipélagos e Ilhas Oceânicas

Chamadas Públicas destinam recursos para Antártica, Arquipélagos e Ilhas Oceânicas

Duas novas chamadas públicas foram lançadas para selecionar propostas para os programas Antártico Brasileiro (Proantar) e Arquipélago e Ilhas Oceânicas. Os editais, publicados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), vão apoiar projetos que envolvam pesquisa, tecnologia, inovação e monitoramento. As propostas devem ser enviadas até o dia 4 de novembro.
 

Proantar

O Programa Antártico Brasileiro apoia a execução de pesquisas que visam ampliar os conhecimentos dos fenômenos antárticos e suas influências sobre questões de relevância global e regional.

Membro pleno do Tratado da Antártica há quase 40 anos, o Brasil tem trabalhado para  manter a qualidade dos seus programas científicos e garantir papel ativo nas decisões sobre a preservação ambiental e o futuro político do continente gelado.

A Chamada Pública 64/2013 dispõe de R$ 13,8 milhões para apoiar projetos do Proantar. Os trabalhos servirão para a geração de conhecimentos científicos, tecnológicos e em inovação relacionados à Antártica.

A atual chamada estabelece prioridade para projetos executados em cooperação internacional, principalmente com países sul-americanos parceiros, além de apoiar a participação de cientistas brasileiros em fóruns internacionais.

Uma novidade é que as propostas podem prever em seu orçamento o custeio com a logística científica, ou seja, diárias e passagens para deslocamento de membros da equipe para atividades de campo ou treinamento no Brasil ou no exterior, transporte de material, desembaraço alfandegário, fretamento de aeronaves, entre outros pontos.

As linhas de pesquisa seguem diretrizes do plano de ação de 2013 a 2022 para a ciência antártica brasileira, documento elaborado a pedido do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), para explorar conexões entre o continente gelado e a América do Sul. As novas diretrizes também buscam aumentar o protagonismo nacional no Sistema do Tratado Antártico.

Arquipélago e Ilhas Oceânicas

Criado após perceber a necessidade de ocupação e de avanço do conhecimento técnico-científico das ilhas oceânicas brasileiras, o Programa Arquipélago e Ilhas Oceânicas (Chamada 62/2013), dispõe de R$ 7 milhões para projetos de monitoramento do fluxo de dióxido de carbono (CO2) em ambientes marinhos, dinâmica de ecossistemas insulares no Oceano Atlântico, biodiversidade e biotecnologia marinha em ilhas oceânicas, modelagem, previsão climática e observação oceânica e geologia marinha. O recurso é do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

O edital inova ao estimular a implantação de um sistema remoto e integrado de observação do gás carbônico nos pontos mais afastados do território nacional, para assim, usar as ilhas como plataformas para monitorar e compreender o fluxo de gases e as interações entre oceano, atmosfera e continente.

 

Fonte:
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário

Últimas imagens

Também é possível encontrar mapas do monitoramento da vegetação para o período de 2007 a 2016
Também é possível encontrar mapas do monitoramento da vegetação para o período de 2007 a 2016
Foto: Paulo de Araújo/ MMA
Entre os meses de outubro e março, cientistas viajam ao continente gelado para realizar a coleta de fungos
Entre os meses de outubro e março, cientistas viajam ao continente gelado para realizar a coleta de fungos
Divulgação/Projeto MycoAntar
Em 20 anos, a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica já superou os 8 milhões de participantes
Em 20 anos, a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica já superou os 8 milhões de participantes
Divulgação/MCTIC
Mast vai oferecer planetário inflável e uma oficina sobre fontes de energia alternativas
Mast vai oferecer planetário inflável e uma oficina sobre fontes de energia alternativas
Divulgação/Museu de Astronomia
Programa capacita professores para conduzir aprendizagem e medição científica de parâmetros ambientais
Programa capacita professores para conduzir aprendizagem e medição científica de parâmetros ambientais
Divulgação/Ministério da Ciência

Governo digital