Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2014 > 04 > Caravana da Embrapa divulga manejo integrado de pragas

Ciência e Tecnologia

Caravana da Embrapa divulga manejo integrado de pragas

Pesquisa agropecuária

Técnica busca a diminuição do uso de agrotóxicos, buscando o equilíbrio nas plantas e monitoramento de pragas
por Portal Brasil publicado: 28/04/2014 19h17 última modificação: 30/07/2014 01h38

Técnicas de Manejo Integrado de Pragas (MIP) serão demonstradas pela Embrapa na 21ª Agrishow. O evento acontece de 28 de abril a 2 de maio, em Ribeirão Preto (SP), cidade considerada  a capital brasileira do agronegócio. Para participar da feira é necessário adquirir o ingresso, que custa R$ 30,00 e estarão disponíveis no local, durante a realização do evento.

O MIP é um plano de medidas voltadas para diminuir o uso de agrotóxicos na produção convencional, buscando promover o equilíbrio nas plantas e monitorar as pragas evitando, ao máximo, o uso desses produtos no sistema. Assim, existe uma preocupação em se utilizar agrotóxicos apenas quando a população dos organismos que causam problemas nas plantações atingir um nível de dano econômico (em que as perdas de produção gerem prejuízos econômicos significativos), diminuindo a contaminação do ambiente.

A base do MIP são os conhecimentos sobre taxonomia, biologia e ecologia que subsidiam a identificação das pragas chaves e dos inimigos naturais, o seu monitoramento com base nas informações sobre seus níveis de controle e o manejo do agroecossistema, priorizando condições para o equilíbrio das plantas e o combate natural das pragas".

Conforme pesquisadores da Embrapa de Alerta para Ameaças Fitossanitárias, "quando o monitoramento indica que a densidade populacional atingiu o nível de dano econômico, a tomada de decisão pelo controle segue uma lógica que prioriza os controles cultural, biológico, comportamental, genético, varietal e, como última opção, o controle químico. No caso do controle químico, são utilizados produtos seletivos em favor dos inimigos naturais e polinizadores, além da rotação de produtos por modos de ação e grupo químico, a fim de evitar a resistência. A ocorrência de recentes ameaças fitossanitárias, como a Helicoverpa armigera, vem comprovar não apenas a eficácia do MIP, como a necessidade de sua ampliação para o âmbito de toda paisagem".


Caravana da Embrapa

Durante a 21ª. Agrishow, a Embrapa fará um balanço da Caravana de Alerta para Ameaças Fitossanitárias, que  teve início em dezembro de 2013 e percorreu polos agrícolas importantes dos Cerrados Amazônicos, Mato Grosso, Bahia, Maranhão, Tocantins, Piauí, Goiás, Distrito Federal, Grande Dourados, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Alagoas e Sergipe.

A iniciativa busca levar aos técnicos multiplicadores da extensão rural e de cooperativas, consultores independentes e de associações orientações sobre o manejo das principais ameaças fitossanitárias. O destaque nessa primeira edição foi a Helicoverpa armigera. Seu principal enfoque foi o da adoção do MIP. A previsão é que sejam implantadas a partir de agora Unidades de Referência Tecnológica (URT) do modelo MIP nas macrorregiões visitadas para uso na capacitação de extensionistas e produtores.

A Caravana foi realizada em parceria com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). No estado de São Paulo a Caravana teve apoio da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA), Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto (AEAARP) e também do Instituto Federal de São Paulo, Campus de Avaré.

Fonte:
Embrapa
Agrishow

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Ministério da Ciência e Tecnologia incentiva métodos de pesquisa sem utilização de cobaias animais
Em cinco anos, governo já repassou R$ 7 milhões para projetos que utilizam meios alternativos de pesquisa no setor
Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Em cinco anos, governo já repassou R$ 7 milhões para projetos que utilizam meios alternativos de pesquisa no setor
Ministério da Ciência e Tecnologia incentiva métodos de pesquisa sem utilização de cobaias animais
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil

Últimas imagens

Vencedoras receberão mentoria das principais empresas de turismo do País, além de viagens
Vencedoras receberão mentoria das principais empresas de turismo do País, além de viagens
Arquivo/Agência Brasil
Nos últimos doze meses, houve aumento de usuários em todos os estados
Nos últimos doze meses, houve aumento de usuários em todos os estados
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Equipamento irá viabilizar comunicações entre governo e Forças Armadas nas áreas remotas
Equipamento irá viabilizar comunicações entre governo e Forças Armadas nas áreas remotas
Arquivo/ Agência Brasil
Por meio do documento, os países destacam a relevância do Atlântico para suas economias e sociedades
Por meio do documento, os países destacam a relevância do Atlântico para suas economias e sociedades
Divulgação/Petrobras
Setores espacial e de saúde são prioritários nas pesquisas científicas
Setores espacial e de saúde são prioritários nas pesquisas científicas
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital