Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2014 > 04 > CTNBio aprova liberação de mosquito transgênico contra dengue

Ciência e Tecnologia

CTNBio aprova liberação de mosquito transgênico contra dengue

Espécies

Segundo companhia, isso facilita monitoramento em campo e assegura controle dos insetos
por Portal Brasil publicado: 10/04/2014 18h57 última modificação: 30/07/2014 01h38

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou nesta quinta-feira (10), por 16 votos a 1, a liberação comercial da linhagem OX513A do Aedes aegypti, mosquito geneticamente modificado para controlar a população do vetor do vírus da dengue e, assim, combater a doença. 

Desenvolvida pela empresa britânica Oxitec, a tecnologia consiste na inserção de dois genes em mosquitos machos, que, após serem liberados na natureza, copulam com fêmeas da população original e geram descendentes que não conseguem chegar à fase adulta. As crias do OX513A também herdam um marcador que os torna visíveis sob uma luz específica. Segundo a companhia, isso facilita o monitoramento em campo e assegura o controle dos insetos.

No Brasil, o projeto ocorre em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e a organização social Moscamed, por meio de uma bio-fábrica na cidade de Juazeiro (BA), onde laboratórios reproduzem e soltam mosquitos transgênicos desde 2011. Depois de ensaios em campo, a Oxitec protocolou a solicitação de liberação comercial na CTNBio em julho de 2013. O OX513A é o primeiro inseto geneticamente modificado a obter essa licença no País.

Além da liberação comercial, o órgão definiu a necessidade de monitorar populações selvagens do mosquito Aedes albopictus, outro vetor do vírus da dengue, devido ao risco de a espécie ocupar o nicho ecológico deixado pela supressão do Aedes aegypti original. “Toda tecnologia nova precisa de um acompanhamento constante”, explicou o representante do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) na CTNBio, Ruy Caldas.

Combate

Segundo levantamento recente do Ministério da Saúde, o Brasil tem 321 cidades em situação de risco e outras 725 em condição de alerta para epidemia. Em 2013, foram notificados cerca de 1,5 milhão de casos prováveis de dengue no País. Como ainda não existe vacina efetiva, a ação mais simples para evitar a contaminação é controlar a população do mosquito.

A coordenadora-geral da secretaria executiva da CTNBio, Tassiana Fronza, informou que a comissão vai publicar um extrato do parecer da liberação no Diário Oficial da União e, a partir daí, os órgãos de registro e fiscalização têm 30 dias para se manifestar. Após esse período, cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitir autorizações e registros e fiscalizar os produtos, para que eles possam ser utilizados em campanhas de saúde pública.

“A CTNBio não avalia eficácia, mas a biossegurança de produtos destinados à comercialização”, disse Tassiana. “Sendo assim, os interessados em obter autorização para essa finalidade apresentam os estudos requeridos pela norma. Com base na análise científica dos dados, o órgão toma decisões.”

Renovação

Na reunião ordinária, Ruy Caldas, em nome do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina Diniz, deu posse ao novo presidente da CTNBio, Edivaldo Domingues Velini, e à vice-presidenta Maria Lucia Zaidan Dagli. O engenheiro agrônomo assume a condução do órgão no lugar do farmacêutico químico Flavio Finardi Filho, que teve o mandato encerrado em 25 de março.

“Eu entendo que o papel do presidente e da vice-presidente da CTNBio é muito simples: criar as condições para que se faça o melhor debate científico e para que se tomem as decisões justas”, afirmou Velini. “É com esse objetivo que eu pretendo trabalhar na comissão, e tenho certeza que a Maria Lucia também.”

Caldas destacou aspectos dos currículos da dupla, eleita pelo ministro Campolina por meio de lista tríplice aprovada pela comissão em 13 de março. “O professor Velini tem uma longa experiência numa temática crítica do agronegócio brasileiro, o controle de ervas daninhas, com centenas de trabalhos publicados, além da gestão de fundações de apoio, sobretudo como diretor científico do parque tecnológico de Botucatu”, comentou.

Especialista em patologia animal, a nova vice-presidenta é médica veterinária e professora da USP. “A Maria Lucia é pesquisadora nível 1A do CNPq [Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico], quer dizer, tem uma carreira acadêmica extremamente brilhante, com muitos trabalhos publicados em revistas de alto impacto”, apontou o representante do MCTI.

A CTNBio é uma instância colegiada multidisciplinar ligada ao MCTI. Sua finalidade é prestar apoio técnico-consultivo e assessoramento ao governo federal para formular, atualizar e implementar a Política Nacional de Biossegurança, em relação a organismos geneticamente modificados.

 

Fonte:

Ministério de Ciência e Tecnologia

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Exposição mostra Feira em uma Aventura Alimentar
Feira da Ceilândia no labirinto Aventura Alimentar faz parte da programação da 13ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT)
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia vai até 23 de outubro
Confira a programação
Saiba mais sobre o Banco Ativo de Germoplasma
O pesquisador Marcelo Fernandes de Oliveira aborda a importância do Banco Ativo de Germoplasma, uma coleção com 35 mil tipos de soja.
Feira da Ceilândia no labirinto Aventura Alimentar faz parte da programação da 13ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT)
Exposição mostra Feira em uma Aventura Alimentar
Confira a programação
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia vai até 23 de outubro
O pesquisador Marcelo Fernandes de Oliveira aborda a importância do Banco Ativo de Germoplasma, uma coleção com 35 mil tipos de soja.
Saiba mais sobre o Banco Ativo de Germoplasma

Últimas imagens

Para funcionar, a Internet das Coisas precisa de sensores, para compilar os dados das atividades ou aplicações
Para funcionar, a Internet das Coisas precisa de sensores, para compilar os dados das atividades ou aplicações
Foto: Hedeson Alves/Governo do Paraná
As informações coletadas farão parte do SiBBr e do Catálogo Taxonômico da Fauna Brasileira
As informações coletadas farão parte do SiBBr e do Catálogo Taxonômico da Fauna Brasileira
Divulgação/Inpa
Estudos sobre a planta se desenvolvem há sete anos
Estudos sobre a planta se desenvolvem há sete anos
Arquivo/Agência Brasil
Brasil conta com mais de 10 mil emissoras de rádio
Brasil conta com mais de 10 mil emissoras de rádio
Divulgação/MCTIC
Os investimentos destinados ao projeto são da ordem de R$ 2,1 bilhões
Os investimentos destinados ao projeto são da ordem de R$ 2,1 bilhões
José Cruz/Agência Brasil

Governo digital