Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2014 > 04 > Programa estimula o registro de 'Patentes Verdes' no País

Ciência e Tecnologia

Programa estimula o registro de 'Patentes Verdes' no País

Inovação

Iniciativa do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual busca promover tecnologias e produtos que geram pouco ou nenhum resíduo
por Portal Brasil publicado: 16/04/2014 17h16 última modificação: 30/07/2014 01h38

O programa ‘Patentes Verdes’, iniciado em abril de 2012, encontra-se agora na sua terceira fase, que se estenderá até 16 de abril de 2015 ou até atingir 500 novas vagas.

A iniciativa visa contribuir para o enfrentamento das mudanças climáticas globais e busca a acelerar o exame dos pedidos de patentes relacionados a tecnologias voltadas para o meio ambiente. Com o Patentes Verdes, o Inpi também possibilita a identificação de novas tecnologias que possam ser rapidamente usadas pela sociedade, estimulando o seu licenciamento e incentivando a inovação no País.

Segundo informações do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), após nova ampliação, os pedidos via Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT, na sigla em inglês) poderão participar. O Instituto divulgará em breve a nova Resolução do Programa Piloto de Patentes Verdes.

Sobre o Inpi

Instituto Nacional da Propriedade Industrial é uma autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). É responsável pelo aperfeiçoamento, disseminação e gestão do sistema brasileiro de concessão e garantia de direitos de propriedade intelectual para a indústria.

Entre os serviços do Instituto, estão os registros de marcas, desenhos industriais, indicações geográficas, programas de computador e topografias de circuitos, as concessões de patentes e as averbações de contratos de franquia e das distintas modalidades de transferência de tecnologia. Na economia do conhecimento, estes direitos se transformam em diferenciais competitivos, estimulando o surgimento constante de novas identidades e soluções técnicas.

Fonte:
Instituto Nacional da Propriedade Industrial

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Sinal da TV analógica será desligado em cidades de São Paulo
O sinal analógico de TV será desligado em 39 municípios da região metropolitana de São Paulo (SP). Após mudança, aparelhos de TV mais antigos necessitarão de antena e conversor de sinal digital
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
O sinal analógico de TV será desligado em 39 municípios da região metropolitana de São Paulo (SP). Após mudança, aparelhos de TV mais antigos necessitarão de antena e conversor de sinal digital
Sinal da TV analógica será desligado em cidades de São Paulo

Últimas imagens

O Open OBC é usado para controlar satélites de pequeno porte
O Open OBC é usado para controlar satélites de pequeno porte
Divulgação/MCTIC
Este é o quarto projeto que será desenvolvido pela Unidade Embrapii INT
Este é o quarto projeto que será desenvolvido pela Unidade Embrapii INT
Divulgação/Petrobras
Um dos projetos selecionados busca criar um nanorepelente natural de longa duração contra o vírus zika
Um dos projetos selecionados busca criar um nanorepelente natural de longa duração contra o vírus zika
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
O contrato com a estatal Combustibles Nucleares Argentinos é de US$ 4,5 milhões
O contrato com a estatal Combustibles Nucleares Argentinos é de US$ 4,5 milhões
Divulgação/MCTIC
Mais de dois mil quilômetros quadrados serão monitorados
Mais de dois mil quilômetros quadrados serão monitorados
Arquivo/MCTI

Governo digital