Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2014 > 07 > Metodologias da biogeografia ecológica serão discutidas em encontro

Ciência e Tecnologia

Metodologias da biogeografia ecológica serão discutidas em encontro

Semiárido em Foco

Ideia é promover o intercâmbio de informações e aplicações de novas metodologias de trabalho no bioma Caatinga
publicado: 23/07/2014 15h54 última modificação: 23/07/2014 15h54

'Regimes ecodinâmicos e levantamentos de vegetação na Sub-bacia hidrográfica do Alto Paraíba' é o tema da discussão desta sexta-feira (25) do programa Semiárido em Foco. O evento, a partir dass 14h, na sede do Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCTI), em Campina Grande (PB), contará com a presença dos professores Bartolomeu Israel de Souza e Eduardo Rodrigues Viana de Lima, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Na ocasião, serão apresentados resultados de pesquisas inicialmente desenvolvidas nos estágios de pós-doutorado realizados pelos pesquisadores na Universidad de Sevilla (Espanha) e que podem ser muito importantes para os estudos sobre o processo de desertificação.

O uso de metodologias com abordagem biogeográfica de classificação da vegetação, segundo unidades denominadas de Regimes Ecodinâmicos, assim como de levantamento da vegetação, ainda é de uso escasso no Brasil, sobretudo quando se trata da sua aplicação na Caatinga. De forma inovadora, os professores aplicaram em áreas do bioma Caatinga, localizadas na região dos Cariris Velhos (PB). Os resultados até agora obtidos indicam que as propostas metodológicas se mostram muito promissoras para analisar aspectos quantitativos e qualitativos da Caatinga, em situações de preservação e degradação.

O encontro será uma oportunidade para intercâmbio e para disseminar a aplicação das novas metodologias de trabalho no bioma Caatinga, com o objetivo de trocar experiências e receber contribuições da comunidade científica. As pesquisas iniciadas na sub-bacia do Alto Paraíba poderão ser realizadas também em outras áreas do Semiárido. 

Sobre o programa

O Semiárido em Foco integra Sistema de Gestão da Informação e do Conhecimento no Semiárido Brasileiro e atende à necessidade de democratizar conhecimentos. Pretende difundir pesquisas, experiências e conceitos associados ao campo da ciência, tecnologia e inovação para contribuir com novas linhas de pensamento e caminhos para a região semiárida, seja no universo rural ou urbano.

É orientado no sentido de valorizar as potencialidades locais, além de articular e mobilizar diferentes atores que operam ou são interessados pelas questões pertinentes à região.

Organizado em forma de palestras, todas as sextas-feiras à tarde, pesquisadores e técnicos do Instituto apresentavam e discutiam seus planos de trabalho e temáticas relacionadas às áreas de atuação do Insa.

Fontes:
Instituto Nacional do Semiárido
Semiárido em Foco

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário

Últimas imagens

Entre os meses de outubro e março, cientistas viajam ao continente gelado para realizar a coleta de fungos
Entre os meses de outubro e março, cientistas viajam ao continente gelado para realizar a coleta de fungos
Divulgação/Projeto MycoAntar
Em 20 anos, a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica já superou os 8 milhões de participantes
Em 20 anos, a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica já superou os 8 milhões de participantes
Divulgação/MCTIC
Mast vai oferecer planetário inflável e uma oficina sobre fontes de energia alternativas
Mast vai oferecer planetário inflável e uma oficina sobre fontes de energia alternativas
Divulgação/Museu de Astronomia
Programa capacita professores para conduzir aprendizagem e medição científica de parâmetros ambientais
Programa capacita professores para conduzir aprendizagem e medição científica de parâmetros ambientais
Divulgação/Ministério da Ciência
SGDC é o primeiro equipamento geoestacionário brasileiro de uso civil e militar
SGDC é o primeiro equipamento geoestacionário brasileiro de uso civil e militar
Divulgação/MCTIC

Governo digital