Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2015 > 02 > Vídeo mostra o monitoramento de desastres naturais

Ciência e Tecnologia

Vídeo mostra o monitoramento de desastres naturais

Mudanças climáticas

Projeto fala sobre as causas do aumento do número de desastres naturais nos últimos anos e como o País se prepara para prevenir
por Portal Brasil publicado: 25/02/2015 17h09 última modificação: 25/02/2015 17h09
Divulgação/INCT Material integra o projeto de difusão do conhecimento gerado pelas pesquisas realizadas nos seis anos de vigência da entidade

Material integra o projeto de difusão do conhecimento gerado pelas pesquisas realizadas nos seis anos de vigência da entidade

Os desastres naturais e os sistemas de monitoramento e prevenção de seus impactos no Brasil são temas de vídeo educacional lançado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC).

O material integra o projeto de difusão do conhecimento gerado pelas pesquisas realizadas nos seis anos de vigência da entidade (2008-2014) sediada no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Dirigido a educadores, estudantes de ensino médio e graduação, e formuladores de políticas públicas, o vídeo traz informações sobre as causas do aumento do número de desastres naturais nos últimos anos e como o País se prepara para prevenir e reduzir os prejuízos nos diversos setores da sociedade.

Pesquisadores e tecnologistas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) mostram como é feito o monitoramento de áreas de risco por 24 horas.

Também são apresentadas as dimensões humanas, ou seja, como os desastres interferem e prejudicam a vida das pessoas e como o surgimento de cenários de risco pode e deve ser evitado.

Até junho próximo, serão concluídos outros cinco vídeos educacionais, abordando temas relacionados às pesquisas do INCT para Mudanças Climáticas: segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde e biodiversidade.

Portal

O conhecimento produzido durante seis anos de pesquisas realizadas no âmbito do INCT-MC será reunido em um portal na Internet, a ser lançado ainda neste primeiro semestre.

O ambiente virtual oferecerá conteúdos com linguagem adequada para os diversos públicos de interesse: pesquisadores, educadores, estudantes (divididos por faixas etárias) e formuladores de políticas públicas.

O material é organizado em seis grandes áreas temáticas: segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde humana, biodiversidade e desastres naturais.

Além de reportagens, vídeos, desenhos animados, imagens, infográficos, cartilhas ilustradas e testes interativos, estarão disponíveis também as mais de 400 publicações científicas produzidas pelos integrantes do INCT-MC de 2008 a 2014.

O usuário poderá buscar as publicações por tipo (artigo em periódico nacional, artigo em periódico internacional, livro ou capítulo de livro), tema integrador (segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde e biodiversidade), subprojeto do INCT-MC, autor, título etc.

Instituição

Com sede no Inpe, o INCT-MC envolve mais de 90 grupos de pesquisa de 102 instituições e universidades nacionais e estrangeiras, com cerca de 300 participantes. Trata-se de um ambicioso empreendimento científico criado para prover informações de alta qualidade relevantes para ajudar o Brasil a cumprir os objetivos do seu Plano Nacional sobre Mudança do Clima.

A fim de informar os cientistas, os responsáveis pelas políticas públicas, os meios de comunicação e o público em geral, o INCT-MC publica relatórios periódicos.

A principal meta do Instituto é fornecer informação científica de alta qualidade necessária para: a) compreender o funcionamento do clima, sua variabilidade e suas mudanças e b) subsidiar as políticas públicas de mitigação e adaptação em níveis local, nacional e internacional.

Fonte:
Agência Espacial Brasileira

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Consulta Pública sobre Marco Legal
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação promove um processo de Consulta Pública em duas fases. Saiba como participar
Brasil reduz emissão de gás carbônico
Brasil reduz 53,5% do total de gás carbônico (CO2) emitido pelo na atmosfera entre 2005 e 2010
100 anos da Academia Brasileira de Ciências
A ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Emília Ribeiro, convocou pesquisadores a se unirem pelo futuro do Brasil
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação promove um processo de Consulta Pública em duas fases. Saiba como participar
Consulta Pública sobre Marco Legal
Brasil reduz 53,5% do total de gás carbônico (CO2) emitido pelo  na atmosfera entre 2005 e 2010
Brasil reduz emissão de gás carbônico
A ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Emília Ribeiro, convocou pesquisadores a se unirem pelo futuro do Brasil
100 anos da Academia Brasileira de Ciências

Últimas imagens

Reagentes do teste estão em produção e serão distribuídos para centros de pesquisa e laboratórios do País
Reagentes do teste estão em produção e serão distribuídos para centros de pesquisa e laboratórios do País
Divulgação/Fiocruz
Satélite deve ser colocado em órbita no segundo semestre de 2016
Satélite deve ser colocado em órbita no segundo semestre de 2016
Divulgação/Finep
Melhores classificados representarão o Brasil nas olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica de 2017
Melhores classificados representarão o Brasil nas olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica de 2017
Divulgação/MCTI
Pesquisadora Rose Monnerat diz que bioinseticida pode ser adicionado em qualquer lugar que acumule água ou tenha potencial para ser um criadouro do Aedes aegypti
Pesquisadora Rose Monnerat diz que bioinseticida pode ser adicionado em qualquer lugar que acumule água ou tenha potencial para ser um criadouro do Aedes aegypti
Divulgação/Embrapa
Radares Atlas e Adour foram modernizados
Radares Atlas e Adour foram modernizados
Divulgação/AEB

Governo digital