Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2015 > 09 > Ex-aluna do Ciência sem Fronteiras ganha olimpíada nuclear internacional

Ciência e Tecnologia

Ex-aluna do Ciência sem Fronteiras ganha olimpíada nuclear internacional

Reconhecimento profissional

Competição reuniu estudantes de graduação e pós de diversos países que foram instigados a produzir vídeos sobre alguma aplicação da energia nuclear
por Portal Brasil publicado: 23/09/2015 00h00 última modificação: 23/09/2015 18h55

A ex-bolsista do programa Ciência Sem Fronteiras (Csf) e estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Alice Cunha da Silva foi a vencedora da Nuclear Olympiad, organizada pela World Nuclear University (WNU) e pela Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea).

Sob o tema "Técnicas Nucleares para o Desenvolvimento Global", a competição reuniu estudantes de graduação e pós-graduação de diversos países, que foram instigados a produzir vídeos de 60 segundos sobre alguma aplicação da energia nuclear que não fosse relativa à geração de eletricidade ou ao ciclo de produção do combustível nuclear.

Alice, aluna do Curso de Engenharia Nuclear da UFRJ, produziu um vídeo intitulado "Nuclear Save Lives" (Nuclear Salva Vidas). Ela abordou a Medicina Nuclear e suas técnicas de diagnóstico e tratamento de doenças.

A qualidade do vídeo e a grande quantidade de visualizações do conteúdo na internet fizeram a estudante brasileira chegar à etapa final da competição. Alice foi a única finalista brasileira e também dos países americanos. 

Confira o vídeo:

"Todas as apresentações foram ótimas. Fomos julgados, os pontos foram contados e eu ganhei. Recebi o troféu das mãos do diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Yukiya Amano", relatou a estudante. Ela concorreu com quatro estudantes selecionados em duas etapas eliminatórias.

Na primeira, os juízes avaliaram os vídeos enviados pelos participantes considerando a criatividade de cada um, a relevância e a adequação ao tema "Técnicas nucleares para o desenvolvimento global". Os trabalhos selecionados para a segunda fase foram divulgados na internet para apreciação do público. Os cinco vídeos que receberam o maior número de avaliações positivas no YouTube seguiram na disputa.

Alice, agora, faz planos para o futuro. Conta que pretende seguir carreira na área de produção de energia. "Nós temos em mãos uma das chaves para a produção de energia de base limpa, confiável, barata e, ao contrário do que muitos pensam, segura", afirma.

Ciência sem Fronteiras

Pelo Programa Ciência sem Fronteiras, Alice estudou por um ano nos Estados Unidos (EUA). A estudante também já teve a oportunidade de apresentar seu trabalho em um congresso organizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA. (MIT, na sigla em inglês). No Brasil, Alice chegou a participar da fundação da Seção Estudantil de Engenharia Nuclear da UFRJ, a qual foi presidente.

Em 2013, a estudante foi uma das coordenadoras da Semana de Engenharia Nuclear, evento que tem o patrocínio de algumas empresas – entre elas as Indústrias Nucleares do Brasil (INB) –, com o propósito de estimular alunos de graduação no desenvolvimento de pesquisas e projetos na área.

Fonte: Portal Brasil, com informações do CNPq e das Indústrias Nucleares do Brasil (INB)

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário

Últimas imagens

Ação da Finep priorizará empresas aportadas por investidores-anjo, critério que valerá pontos na seleção
Ação da Finep priorizará empresas aportadas por investidores-anjo, critério que valerá pontos na seleção
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O próximo passo é descobrir medicamentos capazes de inibir os efeitos do zika em gestantes
O próximo passo é descobrir medicamentos capazes de inibir os efeitos do zika em gestantes
Tânia Rêgo/Arquivo/Agência Brasil
Migração é reivindicação dos radiodifusores e foi autorizada por um decreto presidencial em 2013
Migração é reivindicação dos radiodifusores e foi autorizada por um decreto presidencial em 2013
Arquivo/Agência Brasil
Revista foi criada pelo epidemiologista Oswald Cruz
Revista foi criada pelo epidemiologista Oswald Cruz
Arquivo/Agência Brasil
Transferência começa nesta quinta-feira (15)
Transferência começa nesta quinta-feira (15)
Ascom/MCTIC

Governo digital