Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2015 > 11 > "Pílula do câncer" entra em fase de testes pré-clínicos

Ciência e Tecnologia

"Pílula do câncer" entra em fase de testes pré-clínicos

Pesquisa

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação já disponibilizou R$ 2 milhões para a síntese da droga e para o início das pesquisas
por Portal Brasil publicado: 17/11/2015 09h14 última modificação: 17/11/2015 10h57
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil Molécula foi sintetizada pela equipe de pesquisadores chefiada por Gilberto Chierice, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo, em São Carlos, há cerca de 20 anos

Molécula foi sintetizada pela equipe de pesquisadores chefiada por Gilberto Chierice, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo, em São Carlos, há cerca de 20 anos

A fosfoetanolamina, substância que vem criando polêmica nos últimos meses por ter sido anunciada como cura para o câncer, terá sua primeira fase de testes pré-clínicos (feitos em cobaias, antes de a substância ser usada em humanos) concluída em sete meses. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (17) pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Celso Pansera.

Ele explicou que os testes serão feitos a partir de duas amostras da molécula. Uma será requisitada à Universidade de São Paulo (USP) e outra será manufaturada com base na descrição do composto registrado no pedido de patente apresentado ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Segundo o MCTI, depois da primeira etapa de análises, estão previstas as fases seguintes do estudo em humanos.

O composto gerou controvérsia após sua distribuição ter sido aprovada, por decisão judicial, para alguns pacientes em tratamento contra o câncer. No último dia 12, no entanto, o Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu o fornecimento da substância, mas os debates em torno da eficácia da substância continuam.

“Existe uma polêmica provocada por decisões judiciais no sentido de mandar a Universidade de São Paulo distribuir essa molécula. Não existe informação, por parte da Anvisa, nem de nenhum outro órgão, que certifique o uso desse remédio no Brasil ou no mundo; não há ninguém que tenha certificado essa molécula como remédio de combate à doença”, afirmou o ministro Pansera, em entrevista coletiva.

A molécula foi sintetizada pela equipe de pesquisadores chefiada por Gilberto Chierice, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo, em São Carlos, há cerca de 20 anos, e ficou conhecida nas redes sociais como “pilula do câncer”. Isso ocorreu antes de a substância ter passado oficialmente pelas etapas de pesquisa exigidas pela legislação, que prevê uma série de estudos antes de um medicamento ser usado por seres humanos.

O MCTI já disponibilizou R$ 2 milhões para a síntese da droga e para o início das pesquisas. A estimativa é que, nos próximos anos, sejam gastos, aproximadamente, R$ 10 milhões na pesquisa.

Em nota publicada no dia 13 de outubro de 2015, a Universidade de São Paulo informou que “por liminares judiciais”, foi obrigada a fornecer o produto, mas esclareceu que, em respeito aos doentes e seus familiares, informou que a substância não é remédio.

Segundo a USP, a fosfoetanolamina foi estudada como um produto químico e não existe demonstração cabal de que tenha ação efetiva contra a doença. “A USP não desenvolveu estudos sobre a ação do produto nos seres vivos, muito menos estudos clínicos controlados em humanos. Não há registro e autorização de uso dessa substância pela Anvisa e, portanto, ela não pode ser classificada como medicamento, tanto que não tem bula”, diz a nota.

Em audiência no Senado, em outubro, os donos da patente concordaram em cumprir as exigências científicas para determinar a eficácia da droga e também participam do grupo composto por representantes do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com o apoio do Instituto Nacional do Câncer e da Fiocruz.

Fonte: Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência

Últimas imagens

Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Arquivo/Agência Brasil
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
Arquivo/ Agência Brasil
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Arquivo/Agência Brasil
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital