Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2016 > 02 > Laboratório Nacional de Biociências avança nas pesquisas sobre zika

Ciência e Tecnologia

Laboratório Nacional de Biociências avança nas pesquisas sobre zika

Enfrentamento

Pesquisas podem levar ao desenvolvimento de medicamentos e vacinas
publicado: 26/02/2016 17h02 última modificação: 26/02/2016 22h21
MCTI Diretor do LNBio, Kleber Franchini explicou como as pesquisas sobre a membrana do zika vírus estão sendo conduzidas

Diretor do LNBio, Kleber Franchini explicou como as pesquisas sobre a membrana do zika vírus estão sendo conduzidas

Pesquisadores do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio) descobriram uma proteína ligada ao zika vírus que pode ser a chave para o desenvolvimento de medicamentos e vacinas para combater a doença. Usando técnicas de bioinformática e bioquímica, os cientistas observaram que o vírus zika é bastante similar ao da dengue.

Três proteínas seriam responsáveis por manter a estrutura das membranas que revestem o material genético do zika e da dengue. No entanto, a diferença entre os dois vírus estaria na proteína E.

"Uma das pistas é procurar nessa proteína se ela tem alguma diferença, se apresenta alguma peculiaridade que vá determinar essas características que estamos procurando. Utilizamos uma série de técnicas para identificar possíveis regiões que vão determinar as diferenças entre o que é zika e o que é dengue. Isso é insumo para uma série de desenvolvimentos adicionais", explicou o diretor do LNBio Kleber Franchini, que apresentou a pesquisa para o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera.

Segundo Franchini, as pesquisas, que começaram em novembro de 2015, têm pelo menos dois impactos. O primeiro é a produção de insumos para um kit diagnóstico que permita a detecção de traços do vírus em pessoas que foram infectadas anteriormente e que já não apresentam os sintomas da doença. O segundo é a produção de uma molécula capaz de combater a infecção provocada pelo zika. A ideia é produzir um anticorpo monoclonal para tratar exclusivamente da enfermidade.

O pesquisador alerta, no entanto, que o desenvolvimento desse "antídoto" é uma medida paliativa até que seja desenvolvida uma vacina eficaz contra o zika vírus. "O anticorpo monoclonal é eficiente por ser específico. Ele funciona como uma chave própria para abrir a fechadura do envelope do vírus. Enquanto você não tem a vacina, é muito importante que você tenha meios de antagonizar aquele vírus."

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTI

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Pesquisadores desenvolvem inovação para produção de etanol
Pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Estados Unidos conseguem importante avanço para a produção de etanol de segunda geração
Kassab fala sobre o decreto que impulsionará a ciência no País
Durante o programa Por dentro do Governo, o ministro Gilberto Kassab falou sobre decreto que vai dar retaguarda e impulsionar a ciência no Brasil
Espírito Santo e Rio de Janeiro terão sinal analógico desligado
Com mudança, mais telespectadores terão acesso ao sinal digital, com imagem e som de melhor qualidade
Pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Estados Unidos conseguem importante avanço para a produção de etanol de segunda geração
Pesquisadores desenvolvem inovação para produção de etanol
Durante o programa Por dentro do Governo, o ministro Gilberto Kassab falou sobre decreto que vai dar retaguarda e impulsionar a ciência no Brasil
Kassab fala sobre o decreto que impulsionará a ciência no País
Com mudança, mais telespectadores terão acesso ao sinal digital, com imagem e som de melhor qualidade
Espírito Santo e Rio de Janeiro terão sinal analógico desligado

Governo digital