Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2016 > 02 > Novas unidades de inovação industrial receberão R$ 100 milhões

Ciência e Tecnologia

Novas unidades de inovação industrial receberão R$ 100 milhões

Embrapii

Com os novos credenciamentos, subirá para 28 o número de unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial
por Portal Brasil publicado: 29/02/2016 19h45 última modificação: 03/03/2016 11h39

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) vai investir R$ 100 milhões em projetos de inovação industrial. Os recursos serão repassados a sete novas unidades selecionadas na Chamada 02/2015, cujo resultado foi divulgado nesta segunda-feira (29). Com os novos credenciamentos, subirá para 28 o número de unidades da Embrapii.

O processo seletivo cujo resultado foi divulgado agora teve início em agosto de 2015 e recebeu 57 propostas, no valor total de R$ 1,08 bilhão. Após análise das propostas, foram selecionadas sete unidades para o desenvolvimento de projetos nas áreas de Internet das Coisas; equipamentos para internet e computação móvel; tecnologias metal-mecânica; comunicações digitais; materiais de construção; computação gráfica; e sistemas computacionais.

Com esta nova chamada, divulgada em dezembro passado, a Embrapii vai investir, este ano, R$ 229 milhões em projetos de inovação. Este valor é apenas parte da contrapartida, que ainda contará com os recursos das unidades e empresas parceiras, totalizando R$ 687 milhões.

"A grande vantagem deste modelo de negócios é a redução de risco de investimento das empresas e agilidade na aplicação dos recursos, sem burocracia. Precisamos estimular o setor industrial a inovar e potencializar a força competitiva das empresas tanto no mercado interno como no mercado internacional", destaca o diretor-presidente da Embrapii, Jorge Guimarães.

A empresa pode investir até um terço das despesas das unidades com projetos de PD&I com empresas, enquanto o restante é dividido entre a empresa parceira e a unidade. Entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015 foram firmados 72 projetos no valor total de R$ 126,7 milhões. O valor do contrato é de R$ 1,5 bilhão até 2018.

Fonte: MCTI

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Produção de peixes no Brasil cresce a cada ano, a partir de tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Psicultura cresce no Brasil com apoio da Embrapa
Esse tipo de conexão é mais rápida e hoje já cobre quase 1700 cidades. Até o fim deste ano, a 4G deve chegar a todos os municípios com mais de 30 mil habitantes
Internet 4G cresceu 120% em um ano no Brasil
Projeto será utilizado para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga
Brasil lança primeiro satélite geoestacionário

Últimas imagens

Revista foi criada pelo epidemiologista Oswald Cruz
Revista foi criada pelo epidemiologista Oswald Cruz
Arquivo/Agência Brasil
Transferência começa nesta quinta-feira (15)
Transferência começa nesta quinta-feira (15)
Ascom/MCTIC
A planta do parque tecnológico prevê a construção de quatro blocos principais e estruturas auxiliares
A planta do parque tecnológico prevê a construção de quatro blocos principais e estruturas auxiliares
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Onças são monitoradas o ano todo pelos pesquisadores do Instituto Mamirauá
Onças são monitoradas o ano todo pelos pesquisadores do Instituto Mamirauá
Divulgação/Instituto Mamirauá
Estudos do órgão constataram que cana modificada não oferece riscos
Estudos do órgão constataram que cana modificada não oferece riscos
Arquivo/MCTI

Governo digital