Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2016 > 02 > Pesquisadora brasileira reforça grupo internacional sobre biodiversidade

Ciência e Tecnologia

Pesquisadora brasileira reforça grupo internacional sobre biodiversidade

Ecossitemas

Ima Vieira ingressa na equipe que vai elaborar o Primeiro Diagnóstico Brasileiro sobre Biodiversidade e Serviços Ambientais, esforço global para conhecer e preservar a fauna e a flora
por Portal Brasil publicado: 18/02/2016 17h51 última modificação: 02/03/2016 11h44
Foto: Ibram O museu participa do esforço global, ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), para reunir o conhecimento acadêmico acerca da fauna e da flora do planeta

O museu participa do esforço global, ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), para reunir o conhecimento acadêmico acerca da fauna e da flora do planeta

A pesquisadora Ima Vieira, do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG/MCTI), especialista em estudos ecológicos sobre a Amazônia, é a nova integrante do grupo de trabalho nacional da Plataforma Intergovernamental sobre Serviços de Ecossistemas e da Biodiversidade (Ipbes, na sigla em inglês).

A iniciativa faz parte de um esforço global, ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), para reunir o conhecimento acadêmico acerca da fauna e da flora do planeta a fim de orientar o processo de criação de políticas internacionais sobre o tema.

A principal missão do grupo é criar o primeiro Diagnóstico Brasileiro sobre Biodiversidade e Serviços Ambientais, um guia para decisões políticas no campo do meio ambiente.

A equipe brasileira do Ipbes, que Ima integra a partir deste mês, é formada por dezenas de pesquisadores de todo o Brasil. O documento vai oferecer uma análise sobre a variedade de espécies no Brasil e os serviços ecossistêmicos a ela associados, com lançamento previsto para 2018.

No Museu Goeldi, Ima Vieira foi diretora na gestão 2005-2009. É pesquisadora titular da instituição e coordena o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia, programa que desenvolve pesquisas e ações de educação e comunicação da ciência no chamado Arco do Desmatamento.

Também atua como docente dos cursos de mestrado e doutorado em Ciências Ambientais da Universidade Federal do Pará (UFPA) com o MPEG e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e do curso de mestrado em botânica da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).

Fonte: Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Ciência ganha com as Comunicações, defende ministro
Existe uma sinergia entre as ações e programas dos dois ministérios, defende o ministro Gilberto Kassab
Brasil deve ampliar indústria de software
Essa é a opinião do engenheiro Maximiliano Martinhão, novo secretário de Política de Informática do MCTIC
Comunicações respiram tecnologia, afirma Gilberto Kassab
O ministro Gilberto Kassab esteve no Senado para participar de audiência pública que tratou sobre a a nova estrutura do Ministério
Existe uma sinergia entre as ações e programas dos dois ministérios, defende o ministro Gilberto Kassab
Ciência ganha com as Comunicações, defende ministro
Essa é a opinião do engenheiro Maximiliano Martinhão, novo secretário de Política de Informática do MCTIC
Brasil deve ampliar indústria de software
O ministro Gilberto Kassab esteve no Senado para participar de audiência pública que tratou sobre a a nova estrutura do Ministério
Comunicações respiram tecnologia, afirma Gilberto Kassab

Últimas imagens

O Lema/Cetem foi um de 12 laboratórios internacionais convidados pela AIEA
O Lema/Cetem foi um de 12 laboratórios internacionais convidados pela AIEA
Foto: Natasha Montier
O Pioneiras da Ciência foi criado há mais de dez anos para promover a participação feminina na ciência
O Pioneiras da Ciência foi criado há mais de dez anos para promover a participação feminina na ciência
Foto: Divulgação/CNPq
Desde 2014, quando começou a repatriação de dados sobre a biodiversidade brasileira, 1.608.875 registros já foram recuperados
Desde 2014, quando começou a repatriação de dados sobre a biodiversidade brasileira, 1.608.875 registros já foram recuperados
Foto: Divulgação/SiBBr
As manifestações recebidas serão examinadas pela agência e permanecerão à disposição do público na biblioteca da instituição
As manifestações recebidas serão examinadas pela agência e permanecerão à disposição do público na biblioteca da instituição
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Com a ferramenta, é possível dimensionar a área tomada pelo fogo ano a ano, desde 2005, em cada bioma
Com a ferramenta, é possível dimensionar a área tomada pelo fogo ano a ano, desde 2005, em cada bioma
Divulgação/MCTIC

Governo digital