Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2016 > 03 > Nanossatélite brasileiro conclui missão e volta à atmosfera terrestre

Ciência e Tecnologia

Nanossatélite brasileiro conclui missão e volta à atmosfera terrestre

Serpens

Equipamento coleta, armazena e retransmite dados ambientais de diversas partes do mundo
por Portal Brasil publicado: 23/03/2016 10h00 última modificação: 23/03/2016 15h26
Divulgação/Jaxa O nanossatélite brasileiro Serpens, desenvolvido pela Agência Espacial Brasileira (AEB), em parceria com universidades, foi lançado a partir da Estação Espacial Internacional

O nanossatélite brasileiro Serpens, desenvolvido pela Agência Espacial Brasileira (AEB), em parceria com universidades, foi lançado a partir da Estação Espacial Internacional

O Sistema Espacial para Realização de Pesquisa e Experimentos com Nanossatélites (Serpens) vai reentrar na atmosfera terrestre até o fim deste mês de março. Ele foi lançado ao espaço no dia 17 de dezembro de 2015, a partir da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), e completa com sucesso a sua missão.

Desenvolvido por um consórcio acadêmico coordenado pela professora Chantal Cappelletti, da Universidade de Brasília (UnB), o equipamento foi desenvolvido para coletar, armazenar e retransmitir dados ambientais usando bandas de frequência de radioamadorismo. O projeto, apoiado pela Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI), tem como propósito a capacitação de estudantes de cursos de engenharia aeroespacial no Brasil.

"O Serpens vem cumprindo seus objetivos, que começam com a concepção da missão, os estudos de viabilidade, projeto dos sistemas, construção, testes, lançamento e operação", afirmou o engenheiro mecatrônico e bolsista da AEB, Gabriel Figueiró.

Construído em 18 meses, o cubesat fez coleta de dados ambientais em diversas partes da Terra. A cada 90 minutos, aproximadamente, o Serpens dá uma volta ao redor do planeta. Desde o começo da missão, o satélite forneceu mais de 150 mil pacotes de telemetria e mais de 700 acessos de comunicação. Os sinais foram captados por vários radioamadores do Brasil e do mundo, sendo a maior parte das operações em órbita coordenadas pela estação de solo da Universidade de Vigo, na Espanha, parceira internacional do projeto.

Figueiró afirmou ainda que, nos primeiros meses em órbita, foi possível experimentar a coleta de dados ambientais com uma plataforma no espaço construída com a participação de estudantes e jovens engenheiros brasileiros.

Trabalho conjunto

A primeira missão do programa foi coordenada pela UnB, com a participação de outras unidades de ensino federais: Universidade Federal do ABC (UFABC), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Instituto Federal Fluminense (UFF). Também participaram do processo universidades do exterior: Universidade de Vigo (Espanha), Sapienza Università di Roma (Itália), Morehead University (EUA) e California State Polytechnic University (EUA).

A proposta é que as instituições se revezem na coordenação do projeto. Pelo cronograma, a UFSC será responsável pelo desenvolvimento do Serpens 2.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTI

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Lei Geral de Telecomunicações precisa ser renovada, diz secretário
O novo secretário de Telecomunicações do MCTIC, André Borges, espera contribuir para a atualização das regras do setor
O papel da ciência na formação de uma sociedade sustentável
o programa Conexão Ciência entrevista o pesquisador Judson Valentim, da Embrapa Acre
Ciência ganha com as Comunicações, defende ministro
Existe uma sinergia entre as ações e programas dos dois ministérios, defende o ministro Gilberto Kassab
O novo secretário de Telecomunicações do MCTIC, André Borges, espera contribuir para a atualização das regras do setor
Lei Geral de Telecomunicações precisa ser renovada, diz secretário
o programa Conexão Ciência entrevista o pesquisador Judson Valentim, da Embrapa Acre
O papel da ciência na formação de uma sociedade sustentável
Existe uma sinergia entre as ações e programas dos dois ministérios, defende o ministro Gilberto Kassab
Ciência ganha com as Comunicações, defende ministro

Últimas imagens

Competição tem impulsionado o ensino e a pesquisa na área das ciências exatas no País
Competição tem impulsionado o ensino e a pesquisa na área das ciências exatas no País
Foto: Peter Rosbjerg/ Creative Commons
Depois do evento, a página vai servir como memória digital dos Jogos
Depois do evento, a página vai servir como memória digital dos Jogos
Divulgação/Impa
Grupo discute consequências de infecções transmitidas pelo mosquito, como microcefalia
Grupo discute consequências de infecções transmitidas pelo mosquito, como microcefalia
Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas
Aplicações envolvem transmissão de dados de pesquisa no coração da floresta amazônica e inclusão digital de comunidades ribeirinhas
Aplicações envolvem transmissão de dados de pesquisa no coração da floresta amazônica e inclusão digital de comunidades ribeirinhas
Foto: Instituto Mamirauá/divulgação
Popa faz parte de Programa de Desenvolvimento de Submarinos que prevê ainda a construção do submarino brasileiro de propulsão nuclear
Popa faz parte de Programa de Desenvolvimento de Submarinos que prevê ainda a construção do submarino brasileiro de propulsão nuclear
Reprodução/Nuclebras

Governo digital