Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2016 > 03 > Pesquisa comprova eficácia de óleos de orégano e de cravo no combate ao Aedes

Ciência e Tecnologia

Pesquisa comprova eficácia de óleos de orégano e de cravo no combate ao Aedes

Ciência

Desenvolver a fórmula para um larvicida e colocar à disposição do mercado é o próximo passo do estudo
por Portal Brasil publicado: 14/03/2016 09h00 última modificação: 14/03/2016 17h23

A eficiência do uso dos óleos de orégano e de cravo para matar as larvas do mosquito Aedes aegypti foi comprovada por uma pesquisa da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais e da Fundação Ezequiel Dias (Funed). Desenvolver a fórmula para um larvicida e colocar à disposição do mercado é o próximo passo do estudo.

A pesquisadora Alzira Batista Cecílio espera que, até o meio deste ano, a formulação já esteja pronta para ser apresentada à indústria. Em contato com o criadouro, os óleos matam as larvas em até 24 horas. "Produto natural não pode ser patenteado. Então, só após a formulação do larvicida, poderemos patentear e iniciar as negociações com as empresas", explica.

O estudo é um desdobramento de outra pesquisa mais ampla, que testa o uso de produtos naturais para combater diversos tipos de vírus. "Nesse cenário preocupante em relação ao vírus da dengue, decidimos começar a estudar também plantas que pudessem eliminar o vetor", acrescenta Alzira. Além da dengue, o mosquito Aedes aegypti é o transmissor de zika e chikungunya.

O orégano e o cravo foram selecionados após análise de mais de 20 plantas. O óleo é extraído com o uso de equipamentos específicos. Por essa razão, não adianta por exemplo colocar folhas de orégano ou cravo nos vasos das plantas.

Neste momento, está sendo feito o estudo fitoquímico para detalhar a composição química dos óleos. Futuramente, está previsto também o teste desses óleos no combate a outras fases da vida do mosquito, o que pode levar ao desenvolvimento de um inseticida aerosol ou um repelente. A pesquisadora alerta, porém, que esses produtos são apenas ferramentas auxiliares para combater o Aedes. "Eliminar os criadouros continua sendo o ponto chave", reitera.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Brasil e Argentina firmam parceria em ciência
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Parceria vai fortalecer a inovação e modernização dos Correios
O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e a Correios Participações fecharam um acordo de cooperação de startups nacionais
Empresas de TI já testam sistema do e-social
Em 2018, todas as empresas do País deverão usar a plataforma para prestar informações como pagamento de impostos e encargos trabalhistas
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência
O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e a Correios Participações fecharam um acordo de cooperação de startups nacionais
Parceria vai fortalecer a inovação e modernização dos Correios
Em 2018, todas as empresas do País deverão usar a plataforma para prestar informações como pagamento de impostos e encargos trabalhistas
Empresas de TI já testam sistema do e-social

Últimas imagens

Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Arquivo/Agência Brasil
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
Arquivo/ Agência Brasil
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Arquivo/Agência Brasil
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital