Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2016 > 09 > Satélite que ampliará banda larga no País passa por fase final de testes

Ciência e Tecnologia

Satélite que ampliará banda larga no País passa por fase final de testes

Tecnologia

Com investimento de R$ 1,7 bilhão, equipamento viabilizará internet mais barata e garantirá segurança a comunicações do governo
por Portal Brasil publicado: 09/09/2016 18h46 última modificação: 12/09/2016 15h36

O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) entrou em fase final de testes. Construído na França, o equipamento garantirá a comunicação segura ao governo e levará banda larga para todo o País. A previsão é que o satélite seja lançado em órbita no primeiro trimestre do ano que vem.

Com investimentos de cerca de R$ 1,7 bilhão, o SGDC cobrirá todo o território nacional com uma banda larga de altíssima qualidade, com uma capacidade 60 vezes maior que a dos satélites atuais. Operado pela Telebrás, deve entregar entre 58 e 59 gigabytes por segundo. As condições dos equipamentos atuais levam o morador de localidades mais isoladas a pagar 10 a 15 vezes mais em comparação a grandes cidades.

“Esse é o primeiro satélite que vai conseguir levar uma cobertura de alta capacidade para todos os cantos do País”, afirmou Artur Coimbra, diretor de Banda Larga do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações.

Além de melhorar a cobertura da internet, o SGDC dará maior autonomia e segurança às comunicações das Forças Armadas. Hoje, a comunicação de operações militares é feita em equipamentos controlados por empresas estrangeiras. Outro benefício é o ganho de capacidade e qualidade na comunicação.

“Esse satélite vai oferecer à Defesa um feixe de comunicação também móvel. Esse feixe permite uma cobertura dinâmica, contínua, para operações específicas em determinadas áreas do globo. Por exemplo, se a gente tem uma operação no sul do Oceano Atlântico, a gente consegue levar essa cobertura até lá”, disse Coimbra.


Testes

Construído em Cannes, na França, o satélite geoestacionário passou por testes iniciais para verificar a qualidade do sistema e por testes ambientais, que consistem na verificação da resistência física do equipamento no espaço. O SGDC passou também por um teste de termovácuo, para simular a temperatura e o alto nível de radiação a que será submetido.

Agora, os técnicos da empresa Thales Alenia Space verificam se o equipamento funciona corretamente após a bateria de experimentos. “Essa etapa ainda não terminou, mas tudo indica que vai ser bem-sucedida”, disse Coimbra.

A projeção do governo brasileiro é que o satélite tenha vida útil de 18 anos, três a mais que o previsto. Isso porque, um técnico brasileiro que foi à França para participar de um processo de transferência de tecnologia ao Brasil, conseguiu aumentar a capacidade do tanque de combustível.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTIC


Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Exposição mostra Feira em uma Aventura Alimentar
Feira da Ceilândia no labirinto Aventura Alimentar faz parte da programação da 13ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT)
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia vai até 23 de outubro
Confira a programação
Saiba mais sobre o Banco Ativo de Germoplasma
O pesquisador Marcelo Fernandes de Oliveira aborda a importância do Banco Ativo de Germoplasma, uma coleção com 35 mil tipos de soja.
Feira da Ceilândia no labirinto Aventura Alimentar faz parte da programação da 13ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT)
Exposição mostra Feira em uma Aventura Alimentar
Confira a programação
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia vai até 23 de outubro
O pesquisador Marcelo Fernandes de Oliveira aborda a importância do Banco Ativo de Germoplasma, uma coleção com 35 mil tipos de soja.
Saiba mais sobre o Banco Ativo de Germoplasma

Últimas imagens

Não se deve ficar no mar quando há descargas elétricas: água salgada potencializa a condutividade
Não se deve ficar no mar quando há descargas elétricas: água salgada potencializa a condutividade
Divulgação/Elat
Governo investiu R$60 milhões em pesquisa nos últimos cinco anos
Governo investiu R$60 milhões em pesquisa nos últimos cinco anos
Arquivo/MCTI
Custo da obra, desde a infraestrutura à logística, é financiado pela Marinha do Brasil e pelo Ministério da Defesa
Custo da obra, desde a infraestrutura à logística, é financiado pela Marinha do Brasil e pelo Ministério da Defesa
Arquivo/Agência Brasil
Inicialmente, serão oferecidos apenas planos pré-pagos, chips e recargas
Inicialmente, serão oferecidos apenas planos pré-pagos, chips e recargas
Arquivo/Agência Brasil
A liberação é fruto de solicitação do ministro Gilberto Kassab ao governo federal
A liberação é fruto de solicitação do ministro Gilberto Kassab ao governo federal
Divulgação/Mctic

Governo digital