Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2017 > 06 > Capitais ganham domínio próprio “.br” para páginas de internet

Ciência e Tecnologia

Capitais ganham domínio próprio “.br” para páginas de internet

Internet Local

População pode contribuir com sugestões de domínios de capitais e cidades com mais de 500 mil habitantes
por Portal Brasil publicado: 08/06/2017 16h49 última modificação: 08/06/2017 17h54

João Pessoa (PB), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS) são as primeiras cidades brasileiras a contar com o próprio domínio ".br" para sites locais na internet. A novidade foi anunciada pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), responsável, entre outras atribuições, pelo registro de domínios ".br".

"Essa iniciativa permite a identificação do empreendimento com sua localização física, além de reforçar a identidade local", afirmou o secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Maximiliano Martinhão.

O "jampa.br", da capital da Paraíba, passa a valer a partir desta quinta-feira (8). Em seguida, será a vez de "floripa.br", a partir da segunda-feira (12), e "poa.br", na próxima quarta-feira (14).

Para definir a denominação personalizada dos endereços, o NIC.br deu início a uma campanha de votação, em maio deste ano, para que cidades com mais de 500 mil habitantes escolhessem o próprio domínio. Saiba como participar.

Em todo o País, outros 43 municípios estão participando da iniciativa e mais de 5 mil sugestões foram enviadas ao NIC.br. A votação pode ser feita e acompanhada na página do Núcleo, na internet.

Núcleo

O NIC.br é uma entidade civil, de direito privado e sem fins lucrativos, que implementa as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). O CGI.br é responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da internet no País.

O comitê é composto por 21 integrantes, sendo 11 representantes eleitos pela sociedade civil, nove representantes de órgãos de governo e um representante de notório saber em assuntos de internet.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTIC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Assunto(s): Internet

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência

Últimas imagens

Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Recursos serão distribuídos pelo CNPq
Arquivo/Agência Brasil
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
MCTIC encaminhou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa até o momento
Arquivo/ Agência Brasil
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Estudo sobre novas espécies pretende impulsionar geração de novos produtos
Arquivo/Agência Brasil
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Podem participar estudantes do ensino médio, técnico ou superior; e egressos formados há menos de três anos
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital