Você está aqui: Página Inicial > Ciência e Tecnologia > 2017 > 08 > Soja geneticamente modificada é liberada em Comissão de Biossegurança

Ciência e Tecnologia

Soja geneticamente modificada é liberada em Comissão de Biossegurança

Melhoramento Genético

Variedade é resistente a insetos e tolerante a herbicidas e facilita a plantação
por Portal Brasil publicado: 08/08/2017 17h54 última modificação: 08/08/2017 17h54

Mais uma variedade de soja geneticamente modificada resistente a insetos e tolerante a herbicidas foi aprovada pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).

"Essa espécie reduz e até elimina o uso de inseticidas e agrotóxicos no plantio. Além disso, também torna essa soja insensível a certos herbicidas, evitando a necessidade de capina para limpar a cultura", explicou o professor da CTNBio Carlos Termignoni.

Ao avaliar e aprovar a liberação comercial de um produto, a CTNBio elabora um parecer que examina o risco em relação à biossegurança. Em seguida, a empresa precisa requerer ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a autorização e o registro do item a ser comercializado.

A Comissão também liberou o uso de uma enzima que será usada na fabricação de detergentes. Segundo Termignoni, a enzima não oferece riscos à saúde humana ou ao meio ambiente.

"É um avanço imenso na questão da qualidade do processo de obtenção do produto final, diminuindo a quantidade de resíduos na produção. Um produto mais limpo e eficiente barateia os custos", explicou o pesquisador Galdino Andrade.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Serão selecionados cerca de 50 projetos entre 2017 e 2018. Investimento total do governo federal é de R$ 10 milhões
Startup Brasil lança nova etapa para seleção de iniciativas inovadoras
Por lei, os canais devem destinar espaço para três horas e meia por semana, em horário nobre, para o conteúdo audiovisual de origem nacional
Canais de TV por assinatura devem ter conteúdo nacional
Acordo deve priorizar áreas de energia renovável, meio ambiente, agroindústria e bioeconomia
Brasil e Argentina firmam parceria em ciência

Governo digital