Você está aqui: Página Inicial > Defesa e Segurança > 2011 > 12 > IBGE e Marinha lançam Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas

Defesa e Segurança

IBGE e Marinha lançam Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas

por Portal Brasil publicado: 05/12/2011 15h55 última modificação: 28/07/2014 14h35

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com a Marinha do Brasil, lançou nesta segunda-feira (5) o Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas do Brasil. O documento é voltado para a difusão, entre os estudantes e o público em geral, de informações e conhecimentos atualizados sobre o litoral brasileiro, abordando as dimensões histórica, demográfica, econômica, social, cultural e natural.

A publicação tornou-se realidade a partir de uma ideia concebida pela Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (Cirm) e desenvolvida em conjunto com a Coordenação de Geografia da Diretoria de Geociências do IBGE. O objetivo é incentivar a sociedade a pensar, conhecer e valorizar o uso racional da biodiversidade e dos recursos minerais e energéticos presentes nas águas oceânicas, solo e subsolo marinhos, que constituem parte fundamental do desenvolvimento socioeconômico e da sustentabilidade ambiental do País.

O Atlas apresenta ainda a evolução da distribuição da população pelo território e os padrões de ocupação do litoral, tratando de temas socioeconômicos e suas relações com os ambientes costeiros: população, turismo, balneabilidade, recursos pesqueiros, estrutura portuária, logística do petróleo e áreas de preservação e proteção ambiental.

 

Municípios da zona costeira

Devido a fatores históricos relacionados à ocupação do território brasileiro e seguindo a tendência mundial da população em ocupar predominantemente áreas próximas ao litoral, o Brasil apresenta 26,6% da população em municípios da zona costeira, o equivalente a 50,7 milhões de habitantes. Parte dessa população está ocupada em atividades, direta ou indiretamente, ligadas ao turismo, produção de petróleo e gás natural, pesca e serviços que atendem à dinâmica econômica gerada por esses municípios e outros próximos.

Os 463 municípios da zona costeira possuem 17,4 milhões de domicílios, dos quais 9,2% são de uso ocasional (usado para descanso de fins de semana, férias ou outro fim). Esse percentual nos outros municípios é de apenas 4,6%. A proporção é ainda maior em cidades como Balneário Camboriú (SC), onde 30,3% dos domicílios são de uso ocasional.

 

Ocupação humana 

A ocupação humana da costa do Brasil causa impactos no bioma marinho e na sobrevivência das espécies que o compõem, tornando necessário definir as áreas de maior importância biológica, assim como as áreas prioritárias para conservação. Toda a costa do estado do Rio Grande do Sul e a parte mais ao sul de Santa Catarina, caracterizada por longas linhas de praias e restingas, relativamente pouco impactadas pela ação humana, estão classificadas como de alta importância biológica e áreas prioritárias para conservação. Quanto aos recifes, a região Nordeste é a que apresenta maior área prioritária para conservação. Ressalta-se que mais de 90% das áreas prioritárias de conservação encontram-se fora das áreas abrangidas por unidades de conservação oficiais.

 

Espécies marinhas exóticas

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, os estados que apresentavam maiores variedades de espécies marinhas exóticas (não naturais da região) em 2009 eram o Rio de Janeiro (36 espécies identificadas) e São Paulo (33). Elas podem causar grande desequilíbrio ecológico nos lugares onde se instalam, situação em que passam a ser consideradas como invasoras. Geralmente as espécies exóticas são introduzidas no Brasil inadvertidamente, transportadas na água de lastro ou mesmo fixadas no casco dos navios oriundos principalmente de portos da Ásia.

 

Balança comercial pesqueira

De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o saldo da balança comercial pesqueira, que abrange peixes, crustáceos, moluscos e outros invertebrados aquáticos, tem se tornado cada vez mais negativo. No ano 2000, as exportações do setor representaram US$ 227,5 milhões, enquanto as importações somaram US$ 274,1 milhões, resultando em um saldo comercial negativo de US$ 46,6 milhões. O saldo viria a se tornar positivo entre os anos 2001 e 2005, mas a situação voltou a se inverter em 2006, quando o saldo ficou negativo em US$ 75,2 milhões. Essa diferença foi aumentando com o passar dos anos até se tornar dez vezes maior em 2010 (– US$ 757,2 milhões), quando as exportações somaram US$ 199,4 milhões e as importações totalizaram US$ 956,5 milhões:

Segundo o Ministério da Pesca e Aquicultura, a produção nacional da pesca extrativa marinha foi de 484,6 mil toneladas em 2003, subindo gradativamente a cada ano até atingir 585,7 mil toneladas em 2009. Já a produção da aquicultura marinha (cultivo de organismos marinhos) caiu de 101,6 mil toneladas em 2003 para 78,3 mil toneladas em 2009:

A publicação poderá ser adquirida na Loja Virtual do IBGE.

 

Fonte:
IBGE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Dia da Força Aérea Brasileira e do Aviador
O Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira (FAB) foi a data em que Alberto Santos Dumont realizou o primeiro voo com o 14 Bis
Cenipa investe em investigação para prevenir acidentes aeronáuticos
Brasil é o único país da América Latina capaz de recuperar e analisar as caixas pretas resgatadas em acidentes aéreos
FAB - Voo da esperança: a história de Liliane Maciel
Com trombose na veia do fígado, Liliane Maciel conta como lidou com uma gravidez enquanto aguardava um transplante. Para o médico dela, Dr. Rodrigo Bronze, o sucesso da operação se deve à Força Aérea Brasileira (FAB).
O Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira (FAB) foi a data em que Alberto Santos Dumont realizou o primeiro voo com o 14 Bis
Dia da Força Aérea Brasileira e do Aviador
Brasil é o único país da América Latina capaz de recuperar e analisar as caixas pretas resgatadas em acidentes aéreos
Cenipa investe em investigação para prevenir acidentes aeronáuticos
Com trombose na veia do fígado, Liliane Maciel conta como lidou com uma gravidez enquanto aguardava um transplante. Para o médico dela, Dr. Rodrigo Bronze, o sucesso da operação se deve à Força Aérea Brasileira (FAB).
FAB - Voo da esperança: a história de Liliane Maciel

Governo digital