Você está aqui: Página Inicial > Defesa e Segurança > 2012 > 04 > Em tempos de paz, Exército defende fronteiras nacionais

Defesa e Segurança

Em tempos de paz, Exército defende fronteiras nacionais

Forças Armadas

Além desta função, Exército também dá apoio à fiscalização ambiental, missões de paz, assistência social e de saúde em comunidades isoladas, entre outras iniciativas
por Portal Brasil publicado: 29/04/2012 11h13 última modificação: 28/07/2014 16h32

O Exército brasileiro é uma das três Forças Armadas do País, ao lado da Marinha e da Força Aérea. As Forças Armadas são subordinadas ao Ministério da Defesa do Brasil, pasta cujo responsável submete-se diretamente ao presidente da República.

O Exército tem como missão preservar e garantir a defesa da pátria, zelar pelo cumprimento pleno da constituição e pela manutenção da lei e da ordem. Em tempos de paz, uma das principais funções do Exército é defender as fronteiras brasileiras, garantindo a soberania nacional. Além de coordenar ações de apoio à fiscalização ambiental, missões de paz (como a do Haiti), assistência social e de saúde em comunidades isoladas, entre outras iniciativas.

Responsável exclusivamente pelas operações terrestres das Forças Armadas, o Exército brasileiro é composto por cerca de 235 mil soldados, o maior efetivo da América do Sul. O Exército atua por meio de unidades, subunidades e comandos, estruturas responsáveis por garantir o cumprimento das obrigações militares nas diversas regiões do País. Devido à complexidade e ao tamanho do território nacional, o Exército brasileiro ainda possui grupos altamente especializados no combate em terrenos especiais, como a Região Amazônica, a Caatinga e áreas montanhosas.

Os diversos equipamentos e efetivos do Exército são divididos em Armas (Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia e Comunicações), Quadros (Material Bélico, Engenheiros Militares e Oficiais) e Serviços (Intendência, Saúde e Assistência Religiosa).

Hierarquia

No Brasil, a hierarquia militar divide-se em duas classes: a dos praças e a dos oficiais. Os primeiros são admitidos na corporação logo após passar pelo alistamento. Entre eles, a hierarquia é a seguinte – da mais alta para a mais baixa: subtenente, 1º sargento, 2º sargento, 3º sargento, cabo e soldado.

Já para atingir o cargo de oficial, é preciso concluir algum curso de formação, em centros de preparação ou na Escola Superior de Guerra. A categoria mais alta da classe de oficiais é a de marechal, posição ocupada apenas para os momentos de guerra. Em tempos de paz, os postos mais altos são, pela ordem, general de Exército, general de Divisão e general de Brigada. As funções que se seguem são: coronel, tenente-coronel, major, capitão, 1º tenente, 2º tenente e aspirante-a-oficial.

As promoções no Exército dependem basicamente do tempo ocupado naquele cargo, uma pré-condição para candidatar-se a um posto mais elevado. Mas há outra opção de ascensão na carreira, que seria a promoção por merecimento. Essa categoria abriga uma série extensa e diversa de indicadores, como cursos em escolas de aperfeiçoamento, boas colocações em índices de desempenho físico, trabalhos relevantes dentro da corporação, fluência em línguas estrangeiras e avaliação dos superiores.

Não é regra, mas o tempo médio de promoção na categoria de sargento é de oito anos; para subtenente, cinco; 2º tenente para 1º tenente, quatro.

Fonte:
Exército

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

FAB garante transporte de órgãos para salvar vidas
Decreto de junho de 2016 determina que uma aeronave da Força Aérea Brasileira esteja sempre à disposição para transporte de órgãos
Governo investe R$ 470 milhões no monitoramento de fronteiras
Ministro da Defesa anunciou que investimentos do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron) serão dobrados em 2017
Ministro defende Sisfron para combate às drogas e ao contrabando
No Mato Grosso do Sul, o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras cobre uma faixa de 600 km da fronteira com o Paraguai
Decreto de junho de 2016 determina que uma aeronave da Força Aérea Brasileira esteja sempre à disposição para transporte de órgãos
FAB garante transporte de órgãos para salvar vidas
Ministro da Defesa anunciou que investimentos do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron) serão dobrados em 2017
Governo investe R$ 470 milhões no monitoramento de fronteiras
No Mato Grosso do Sul, o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras cobre uma faixa de 600 km da fronteira com o Paraguai
Ministro defende Sisfron para combate às drogas e ao contrabando

Governo digital