Você está aqui: Página Inicial > Defesa e Segurança > 2015 > 03 > Mulheres militares também tem direito à licença-maternidade

Defesa e Segurança

Mulheres militares também tem direito à licença-maternidade

Dia Internacional da Mulher

Já aprovada pelo Congresso Nacional, lei que estende a elas o direito ao benefício por seis meses foi encaminhada para sanção presidencial
por Portal Brasil publicado: 08/03/2015 12h25 última modificação: 08/03/2015 18h10

As cerca de 23 mil militares da ativa das Forças Armadas estão prestes a ter garantido um importante direito que lhes trará maior tranquilidade e conforto na hora de serem mães.

Já aprovada pelo Congresso Nacional, foi encaminhada para sanção presidencial a lei que estende a elas o direito à licença maternidade de seis meses.

Além do período maior de licença, a nova legislação deverá garantir outros benefícios tanto às gestantes como às mulheres que optarem pela adoção. De acordo com o texto aprovado, a licença poderá ser usufruída a partir do parto ou do nono mês de gestação, conforme sua preferência.

Para o ministro da Defesa, Jaques Wagner, a aprovação da nova legislação é uma maneira de celebrar o Dia Internacional das Mulheres.

“É para mim uma satisfação notar esses grandes passos dados pela Defesa na direção da equidade de gênero, e ajudar a assegurar que o ministério seja cada vez mais aberto para a contribuição profissional e atencioso das mulheres brasileiras”, disse o ministro.

Outros benefícios

Com a lei sancionada, as futuras mães poderão mudar de função quando suas condições de saúde exigirem – se devidamente atestadas pela Junta de Inspeção de Saúde das Forças Armadas -, retornando ao cargo de origem logo após a licença.

Outro benefício previsto na legislação garante às militares em amamentação um intervalo de uma hora, que pode ser dividido em dois períodos de 30 minutos, para descanso – até que o bebê complete seis meses.

No caso das adotantes, a licença será de 90 dias quando os bebês tiverem menos de um ano. Quando a criança for mais velha, o benefício será de 30 dias.

Às mulheres que vierem a sofrer aborto, será assegurada uma licença de 30 dias para a recuperação. A nova legislação também prevê a oficialização da licença-paternidade aos militares de cinco dias consecutivos – inclusive nos casos de adoção.

Igualdade com as Civis

A nova legislação, na prática, estende às militares um direito já assegurado às servidoras públicas civis quando da promulgação da lei 11.770/2008.

Foi neste mesmo ano, por inciativa do Ministério da Defesa, que o Executivo iniciou os trabalhos para garantir os benefícios às mulheres que servem nas Forças Armadas.

No oitavo mês de gestação de seu segundo filho, a sargento da Aeronáutica Camila Veloso Alves, 32 anos, poderá se beneficiar da novidade: “São dois meses a mais que vão me possibilitar dar mais carinho, conforto e atenção à minha filha”, contou.

Servindo na Coordenação de Licitações e Contratos (Colic) do Ministério da Defesa, a sargento Camila, desde os 19 anos na Aeronáutica, está na expectativa pelo nascimento de Clarice. “A licença de seis meses será um reconhecimento que nos equipara à condição das civis”, ressaltou.

Para o coordenador-geral da recém-instalada Comissão de Gênero do Ministério da Defesa, o coronel Rodrigo Pires, a medida vai ao encontro do objetivo do órgão de efetivar os direitos das mulheres no âmbito da instituição e das Forças Armadas.

Confira na arte abaixo a história das mulheres nas Defesa Nacional

Confira o vídeo do Ministério da Defesa em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Fonte:
Ministério da Defesa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Plano de redução de mortes no Trânsito vai reduzir acidentes
Brasil ocupa a 4ª posição no ranking de mortes no trânsito no continente. Plano vai adotar série de medidas para a próxima década
Governo destinou mais de R$ 1,2 bi para o sistema prisional
Em 2017, o governo destinou mais de R$ 1,2 bilhão aos estados e Distrito Federal para o sistema prisional brasileiro
Operação Rodovida vai até fevereiro
A Polícia Rodoviária Federal iniciou nesta sexta-feira (22) a Operação Rodovida, para coibir ultrapassagens irregulares, excesso de velocidade, consumo de álcool e acidentes nas estradas. Nesta edição, a operação conta com mais de 10 mil policiais e segue até o dia 18 de fevereiro
Brasil ocupa a 4ª posição no ranking de mortes no trânsito no continente. Plano vai adotar série de medidas para a próxima década
Plano de redução de mortes no Trânsito vai reduzir acidentes
Em 2017, o governo destinou mais de R$ 1,2 bilhão aos estados e Distrito Federal para o sistema prisional brasileiro
Governo destinou mais de R$ 1,2 bi para o sistema prisional
A Polícia Rodoviária Federal iniciou nesta sexta-feira (22) a Operação Rodovida, para coibir ultrapassagens irregulares, excesso de velocidade, consumo de álcool e acidentes nas estradas. Nesta edição, a operação conta com mais de 10 mil policiais e segue até o dia 18 de fevereiro
Operação Rodovida vai até fevereiro

Governo digital