Você está aqui: Página Inicial > Defesa e Segurança > 2015 > 11 > Negras são maiores vítimas de homicídio de mulheres no País

Cidadania e Justiça

Negras são maiores vítimas de homicídio de mulheres no País

Segurança Pública

ONU mostra crescimento de 54% nos homicídios em 10 anos, enquanto mortes de brancas caíram 10% entre 2003 e 2013
por Portal Brasil publicado: 09/11/2015 10h00 última modificação: 09/11/2015 13h10

O Brasil ocupa a incomoda 5ª posição em ranking global de homicídios de mulheres, entre 83 países elencados pela Organização das Nações Unidas (ONU). É o que mostra estudo divulgado nesta segunda-feira (9). Em 2013, a taxa de mortes por assassinato de mulheres para cada 100 mil habitantes foi de 4,8 casos. A média mundial foi de dois casos. Foram 4.762 mulheres mortas violentamente no País naquele ano: 13 vítimas fatais por dia.

O quadro foi ainda mais alarmante em relação às mulheres negras. A década 2003-2013 teve aumento de 54,2% no total de assassinatos desse grupo étnico, saltando de 1.864, em 2003, para 2.875, em 2013. Aproximadamente mil mortes a mais em 10 anos. Em contraposição, houve recuo de 9,8% nos crimes envolvendo mulheres brancas, que caiu de 1.747 para 1.576 entre os anos.

Os números constam do estudo "Mapa da Violência 2015: Homicídios de Mulheres no Brasil", realizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), a pedido da ONU Mulheres. "Em 2013, morreram assassinadas, proporcionalmente ao tamanho das respectivas populações, 66,7% mais meninas e mulheres negras do que brancas", alerta o documento.

A vitimização de mulheres negras - a violência contra elas, que pode não ter se concretizado como homicídio -, cresceu 190,9% na década analisada. A vitimização desse grupo era de 22,9%, em 2003, e saltou 66,7% no ano passado.

"Alguns estados chegam a limites absurdos de vitimização de mulheres negras, como Amapá, Paraíba, Pernambuco e Distrito Federal, em que os índices passam de 300%", observa a pesquisa.

O documento observa a existência de escalada na violência contra mulheres a partir de 1980, como uma “tendência histórica que evidência um lento, mas contínuo, aumento do flagelo” vivido por elas.

Agressores

As mortes ocorrem em todos os estados e o Distrito Federal indistintamente, de acordo com o estudo, como um traço “cultural do patriarcalismo” que, supostamente, “autoriza que o homem pratique essa violência”. 

No ano passado, 1.583 homicídios de mulheres foram praticados por pessoas identificadas como parceiros ou ex-parceiros das vítimas. Esses casos representaram 33,2% de mortes em 2013. Já 50,3% (ou 2.393) das mortes por assassinato tiveram familiares no papel do agressor. 

"Como essas mulheres foram vitimadas de forma dispersa ao longo do território nacional, reina a indiferença, como se não existisse um problema", assinala o documento.

Embora a pesquisa encerre o recorte sobre os homicídios em 2013, quando ainda não existia a Lei do Feminicídio, o documento reúne dados do Sistema Único de Saúde (SUS) relativos a 2014. O SUS registrou 85,9 mil atendimentos a mulheres e meninas "vítimas de violência exercida por pais, parceiros e ex-parceiros, filhos, irmãos".

Feminicídio

O período analisado pelo estudo não contabiliza os crimes contra as mulheres depois da criação da Lei do Feminicídio, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em 2015. A legislação pode atenuar o movimento crescente de assassinatos contra as mulheres ao tipificar o crime hediondo. 

O levantamento da ONU aponta uma desaceleração no ritmo de mortes de mulheres após a criação da Lei Maria da Penha, em 2006. A partir daquele ano, a pesquisa da ONU aponta que o homicídio contra mulheres negras, por exemplo, crescesse 35% entre 2006 e 2013. A diferença foi de 19,2 pontos porcentuais na comparação com a alta de 54,2% no período 2003-2013.

No recorte geral, incluindo mulheres brancas e negras, a taxa de homicídio foi de 4,2 casos para 100 mil habitantes de 2006 a 2013, contra 4,8 casos entre 2003 e 2013. 

“No período anterior à Lei (1980 a 2006), o crescimento do número de homicídios de mulheres foi de 7,6% ao ano. Com a vigência da Lei, o crescimento no número de homicídios cai de 2,6% ao ano”, afirma o documento.

Mapa da Violência Contra a Mulher Negra

Fonte:
ONU Mulheres e Flacso

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Dia da Força Aérea Brasileira e do Aviador
O Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira (FAB) foi a data em que Alberto Santos Dumont realizou o primeiro voo com o 14 Bis
Cenipa investe em investigação para prevenir acidentes aeronáuticos
Brasil é o único país da América Latina capaz de recuperar e analisar as caixas pretas resgatadas em acidentes aéreos
FAB - Voo da esperança: a história de Liliane Maciel
Com trombose na veia do fígado, Liliane Maciel conta como lidou com uma gravidez enquanto aguardava um transplante. Para o médico dela, Dr. Rodrigo Bronze, o sucesso da operação se deve à Força Aérea Brasileira (FAB).
O Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira (FAB) foi a data em que Alberto Santos Dumont realizou o primeiro voo com o 14 Bis
Dia da Força Aérea Brasileira e do Aviador
Brasil é o único país da América Latina capaz de recuperar e analisar as caixas pretas resgatadas em acidentes aéreos
Cenipa investe em investigação para prevenir acidentes aeronáuticos
Com trombose na veia do fígado, Liliane Maciel conta como lidou com uma gravidez enquanto aguardava um transplante. Para o médico dela, Dr. Rodrigo Bronze, o sucesso da operação se deve à Força Aérea Brasileira (FAB).
FAB - Voo da esperança: a história de Liliane Maciel

Governo digital