Você está aqui: Página Inicial > Defesa e Segurança > 2016 > 02 > Aldo Rebelo destaca importância dos estudantes na mobilização contra o Aedes

Defesa e Segurança

Aldo Rebelo destaca importância dos estudantes na mobilização contra o Aedes

Enfrentamento

O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, participou de ação contra o mosquito no Centro de Educação Unificado (CEU) Heliópolis, na capital paulista
publicado: 19/02/2016 17h52 última modificação: 24/02/2016 13h46
Ministério da Defesa Aldo e o vice-almirante Glauco Castilho Dall'Antonia; o comandante Militar do Sudeste, general Mauro César Cid Lourena; e o comandante do IV Comando Aéreo Regional, brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno

Aldo e o vice-almirante Glauco Castilho Dall'Antonia; o comandante Militar do Sudeste, general Mauro César Cid Lourena; e o comandante do IV Comando Aéreo Regional, brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno

O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, destacou nesta sexta-feira (19)  a importância do papel mobilizador de crianças e adolescentes no trabalho coletivo de combate ao Aedes aegypti. Ele participou de evento integrante da mobilização nacional da Educação zika zero, no Centro de Educação Unificado (CEU) Heliópolis, na capital paulista.

“As crianças constituem um elemento de mobilização das suas famílias. Elas chegam em casa, alertam os pais, as mães, os avós, os irmãos e os familiares em geral sobre a campanha que viram nas escolas e dos alertas dos professores, dos agentes de saúde e das Forças Armadas, no sentido de que todos têm que estar mobilizados para remover os focos dentro de casa”, afirmou o ministro.

Aldo apresentou aos estudantes o comandante do 8º Distrito Naval, vice-almirante Glauco Castilho Dall'Antonia; o comandante Militar do Sudeste, general Mauro César Cid Lourena; e o comandante do IV Comando Aéreo Regional, brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno.

Participaram da ação no CEU Heliópolis cerca de 400 alunos da educação infantil e do ensino fundamental, além de professores, coordenadores pedagógicos e membros da diretoria da escola, além de outros profissionais da educação.

O secretário municipal de Educação de São Paulo, Gabriel Chalita, também esteve presente. Ele falou às crianças sobre a importância de que todas elas levem às suas casas o conhecimento adquirido na escola em relação ao combate ao Aedes. "Se a gente conseguir evitar água parada, já é um grande caminho pra combater esta doença, que é um problema não só do Brasil. O mundo está se unindo contra isso, para que esse mosquito que nos faz tão mal possa ser evitado", disse o secretário aos alunos.

Depois da ação na escola, os estudantes partiram para uma caminhada nas ruas próximas ao CEU junto com o ministro Aldo, o secretário Chalita, os comandantes militares e a equipe escolar. Eles entregaram panfletos para os moradores da vizinhança e chamaram a atenção das pessoas para o engajamento no combate ao mosquito.

O ministro destacou ainda que se não houver a remoção dos criadouros e dos focos dentro das residências, o esforço dos governos federal, estaduais e municipais torna-se frágil. “Nós encontramos ontem, em cerca de 1,2 mil residências que visitamos em Guarulhos, com o pessoal da Aeronáutica, um número muito elevado de focos, que foram removidos. Essa estatística demonstra que a maior parte dos focos precisa ser removida de dentro de casa e, se isso não for feito, o esforço será muito fragilizado”, afirmou Aldo. Ainda de acordo com o ministro, de 70% a 80% dos criadouros do Aedes são encontrados em residências.

Mobilização nacional

Durante todo o dia autoridades federais visitaram escolas em diferentes cidades do País, acompanhados de secretários estaduais e municipais de Educação, gestores escolares, reitores, professores e servidores técnico-administrativos de universidades federais e institutos federais de educação profissional e tecnológica, além de dirigentes de entidades educacionais públicas e privadas.

Foram realizadas atividades no formato de aula e palestras com os estudantes sobre a necessidade de mobilização para o combate ao mosquito. Também foram distribuídos materiais informativos nas escolas e no entorno com explicações sobre medidas de prevenção e orientações sobre a importância do envolvimento de toda a população na eliminação dos criadouros.

Forças Armadas

A mobilização nacional da Educação conta com o apoio dos militares para as visitas às escolas e palestras aos alunos. Trata-se da quarta fase da operação do Ministério da Defesa para contribuir com o combate ao Aedes aegypti. A primeira ocorreu entre os dias 29 de janeiro a 4 de fevereiro, com a erradicação dos focos de mosquito nas 1,2 mil unidades militares espalhadas pelo Brasil.

A segunda fase foi realizada no último dia 13, com a mobilização nacional e o emprego de 220 mil militares em 428 municípios. E, na terceira etapa, entre os dias 15 e 18 de fevereiro, 55 mil militares atuaram em cerca de 290 municípios, por meio do combate direto aos focos e de visitas às escolas.

Fonte: Ministério da Defesa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

FAB garante transporte de órgãos para salvar vidas
Decreto de junho de 2016 determina que uma aeronave da Força Aérea Brasileira esteja sempre à disposição para transporte de órgãos
Governo investe R$ 470 milhões no monitoramento de fronteiras
Ministro da Defesa anunciou que investimentos do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron) serão dobrados em 2017
Ministro defende Sisfron para combate às drogas e ao contrabando
No Mato Grosso do Sul, o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras cobre uma faixa de 600 km da fronteira com o Paraguai
Decreto de junho de 2016 determina que uma aeronave da Força Aérea Brasileira esteja sempre à disposição para transporte de órgãos
FAB garante transporte de órgãos para salvar vidas
Ministro da Defesa anunciou que investimentos do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron) serão dobrados em 2017
Governo investe R$ 470 milhões no monitoramento de fronteiras
No Mato Grosso do Sul, o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras cobre uma faixa de 600 km da fronteira com o Paraguai
Ministro defende Sisfron para combate às drogas e ao contrabando

Governo digital