Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2009 > 11 > Real é a moeda corrente no Brasil desde 1994

Economia e Emprego

Real é a moeda corrente no Brasil desde 1994

Seu dinheiro

Cédulas têm como temática a fauna brasileira
por Portal Brasil publicado: 05/11/2009 08h29 última modificação: 28/07/2014 08h57
Exibir carrossel de imagens A faixa holográfica altera suas formas e cores ao ser movimentada

A faixa holográfica altera suas formas e cores ao ser movimentada

O Real é a moeda corrente no Brasil desde 1994. As cédulas de Real que circulam no país têm como temática a fauna brasileira e são de 100 (garoupa), 50 (onça-pintada), 20 (mico-leão-dourado), 10 (arara), 5 (garça) e 2 (tartaruga marinha).

Todas trazem no anverso a efígie da República, personificação da nação brasileira representada por uma mulher. A imagem, inspirada na obra “A Liberdade guiando o povo”, de Eugène Delacroix, foi usada pela primeira vez para simbolizar a Proclamação da República e tornou-se símbolo do país.

A moeda de 1 Real traz no reverso um grafismo indígena marajoara e uma faixa que, com a constelação do Cruzeiro do Sul, faz alusão ao Pavilhão Nacional. Na parte frontal está estampada a efígie da República e mais grafismos encontrados em cerâmicas indígenas de origem marajoara.

O reverso das demais moedas também traz o símbolo do Cruzeiro do Sul e, na face da moeda, símbolos nacionais e efígies de personagens históricos: 0,50 (José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão do Rio Branco); 0,25 (Manuel Deodoro da Fonseca); 0,10 (D. Pedro I); 0,5 (Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes); 0,1 (Pedro Álvares Cabral)

História do Real
O Real foi criado após sucessivos planos econômicos e trocas monetárias no País, que já operou com réis, cruzeiro, cruzeiro novo, cruzado, cruzado novo, cruzeiro e cruzeiro real.

Foi implantado na gestão do presidente Itamar Franco, sob o comando da equipe do então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, que logo depois seria eleito presidente da República.

O lançamento do Plano Real, em 1º de julho de 1994, é um marco na economia brasileira. A implantação do plano começou em 1º de março do mesmo ano, com a criação de um novo índice - a Unidade Real de Valor (URV).

A URV uniformizou todos os reajustes de preços, câmbio e salários de maneira desvinculada da moeda vigente, o Cruzeiro Real (CR$). A cada dia, o Banco Central fixava uma taxa de conversão da URV em CR$, com base na média de três índices diários de inflação – os bens e serviços continuavam a ser pagos em CR$, mas passaram a ter referência numa unidade de valor estável.

Isso permitiu, durante três meses, o alinhamento dos preços sem a necessidade do congelamento de preços.

Em 1º de julho de 1994, a conversão e os cálculos baseados na URV saíram de cena para a entrada do Real. Cada Real valia um dólar, ou o equivalente a CR$ 2.750,00. A moeda forte trouxe estabilidade de preços e controle inflacionário, num semestre em que a taxa de inflação acumulada chegava a 758,59%. Para se ter uma ideia, a primeira inflação registrada da nova moeda bateu um recorde para a época e atingiu 6,08%.

Hoje o Real é considerado uma das moedas mais fortes e estáveis do mundo. Atingiu sua cotação máxima no dia 14 de outubro de 1994, quando chegou a valer 1,20 dólar.

Segurança das notas
As notas de Real têm elementos de segurança que facilitam a identificação e dificultam a falsificação, como a faixa holográfica, com desenhos personalizados por valor. Essa tecnologia, de acordo com o Banco Central, é um dos mais avançados elementos antifalsificação.

O tamanho das novas notas são diferentes: a de R$ 2 é a menor, a de R$ 5 um pouco maior, e assim sucessivamente. Essa diferenciação atende a uma demanda das pessoas com deficiência visual, assim como as marcas táteis em relevo, que também foram aprimoradas em relação às atuais.

Fontes:
Banco Central

Casa da Moeda

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , , ,

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Ministério do Trabalho organiza ações de incentivo a contratação de pessoas com deficiência
Atividades fazem parte do Dia D da Inclusão Social e Profissional de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no mercado de trabalho
Pesquisa avalia evolução da agricultura no Brasil nos últimos 40 anos
A pesquisadora da Embrapa Marisa Prado explica a evolução do setor no contexto mundial
Meirelles cita ações para recuperação econômica
Em seminário da Fiesp, em São Paulo, Henrique Meirelles destacou a limitação dos gastos públicos, entre outras ações do governo para recuperação da economia
Atividades fazem parte do Dia D da Inclusão Social e Profissional de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no mercado de trabalho
Ministério do Trabalho organiza ações de incentivo a contratação de pessoas com deficiência
A pesquisadora da Embrapa Marisa Prado explica a evolução do setor no contexto mundial
Pesquisa avalia evolução da agricultura no Brasil nos últimos 40 anos
Em seminário da Fiesp, em São Paulo, Henrique Meirelles destacou a limitação dos gastos públicos, entre outras ações do governo para recuperação da economia
Meirelles cita ações para recuperação econômica

Últimas imagens

Em um ano, governo economizou R$ 1,77 bilhão
Em um ano, governo economizou R$ 1,77 bilhão
Reprodução/Agência Brasil
A partir do dia 5 de outubro, cada estado terá disponível a quantidade necessária de carteiras para atender à demanda local
A partir do dia 5 de outubro, cada estado terá disponível a quantidade necessária de carteiras para atender à demanda local
Foto: Agência Brasil/Arquivo
Acordo prevê certificação de produtos de defesa, mecanismos de exportação que possam se consolidar em negócios
Acordo prevê certificação de produtos de defesa, mecanismos de exportação que possam se consolidar em negócios
Reprodução/Agência Brasil
Segundo Dyogo Oliveira,  há sinais que apontam para a recuperação da economia brasileira
Segundo Dyogo Oliveira, há sinais que apontam para a recuperação da economia brasileira
Marcos Santos/USP
Banco Central explica que essas operações terão taxas mais baratas, de até 12% ao ano
Banco Central explica que essas operações terão taxas mais baratas, de até 12% ao ano
BCB

Governo digital