Economia e Emprego

BM&FBovespa

Trata-se da única bolsa de valores, mercadorias e futuros em operação no Brasil. É ainda a principal instituição de intermediação para operações do mercado de capitais do País. Foi formada em 2008 a partir da integração da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e da Bolsa de Mercadorias & Futuros
publicado: 05/11/2009 08h56, última modificação: 22/12/2017 17h43

A BM&FBovespa – única bolsa de valores, mercadorias e futuros em operação no Brasil – é a principal instituição de intermediação para operações do mercado de capitais do País.

A companhia, de capital nacional e formada em 2008 a partir da integração da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e da Bolsa de Mercadorias & Futuros, desenvolve, implanta e provê sistemas para a negociação de ações, derivativos de ações, títulos de renda fixa, títulos públicos federais, derivativos financeiros, moedas à vista e commodities agropecuárias.

O principal e mais importante indicador de desempenho médio de cotações do mercado, que retrata o comportamento dos papéis negociados, é o Índice Bovespa (Ibovespa), criado em 1968. Sua composição procura aproximar-se da maior configuração real possível das negociações à vista, ou seja, da compra ou venda de uma determinada quantidade de ações.

O Ibovespa é calculado em tempo real, considerando os preços dos últimos negócios efetuados no mercado com ações que compõem sua carteira. A divulgação é feita pela rede de difusão da BM&FBovespa e também retransmitida por uma série de "vendors" (empresas que compram o sinal de transmissão das cotações). Assim, é possível acompanhar online seu comportamento em qualquer parte do Brasil e do mundo.

Abertura de capital

As empresas que têm ações negociadas em bolsas de valores são chamadas de “companhias listadas”. Para isso, ela deve ser aberta ou pública, o que não significa que pertença ao governo, mas que o público em geral possa deter suas ações. 

A companhia deve ainda atender a requisitos estabelecidos pela Lei das S.A. (Sociedades Anônimas) e pelas instruções determinadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão fiscalizador do mercado de capitais brasileiro. Precisa também obedecer a uma série de normas e regras estabelecidas pela própria BM&FBovespa. 

É conhecido como IPO (Initial Public Offering ou Oferta Pública de Ações) o lançamento de ações de uma empresa em bolsas de valores. Com isso, a empresa passa a permitir que outras pessoas sejam sócias de seu negócio.

Antes de abrir capital, a empresa avalia quanto vale no total, divide esse valor em pedacinhos – as ações – e, depois, os põe a venda na bolsa. A partir daí, a empresa encontra uma fonte de captação de recursos financeiros permanentes para utilizar, por exemplo, como investimento para sua expansão.

Ao final da década de 1990, a BM&FBovespa criou um sistema que liga o investidor, via internet, diretamente ao pregão da bolsa, denominado home broker. Por esse meio, o investidor envia ordens de compra e venda de ações e opções diretamente para a bolsa, utilizando o site ou o sistema de sua corretora.

Os especialistas alertam, entretanto, que ganhar dinheiro no mercado de ações não é fácil. Embora alguns meios de comunicação destaquem recorrentemente casos de investidores que tiveram grandes ganhos no curto prazo na bolsa, esta não deve ser a expectativa de quem decide investir em ações.

Por ser um investimento de renda variável (sem previsão de ganho ou perda), explicam os economistas, o investidor nunca deve comprometer na compra de ações recursos que serão necessários para despesas de primeira necessidade ou gastos imediatos.

Leia também:
Cuide bem do seu dinheiro
Livre-se das dívidas

Fontes:
BMF&Bovespa
Portal do Investidor
Comissão de Valores Mobiliários (CVM)