Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2009 > 11 > Lucro do café financiou industrialização nacional

Economia e Trabalho

Lucro do café financiou industrialização nacional

Desenvolvimento econômico

Substituição de produtos importados acelerou desenvolvimento da indústria a partir da década de 1950
por Portal Brasil publicado: 05/11/2009 08h24 última modificação: 28/07/2014 08h57

A indústria brasileira, desde o início de suas atividades, representou muito para a economia e para a geração de emprego no País.

A chegada da Família Real portuguesa, em 1808, e a publicação da Carta Régia de Abertura dos Portos brasileiros às nações amigas, que liberava a produção de produtos em série, deram ao Brasil a oportunidade de exercer, de forma autônoma, seu próprio comércio exterior, isto é, a troca de serviços e de produtos entre países.

O desenvolvimento de fato do setor pode ser dividido em quatro períodos, sendo o primeiro de 1932 a 1962. Nesse período, a taxa média de crescimento da indústria atingiu 9% ao ano – destaque principal fica com a produção de café, líder em exportação, seguido do algodão.

Os lucros da produção e comercialização do café deram origem ao capital necessário para criar indústrias.

Na década de 1950, houve um processo de industrialização provocado pela substituição dos produtos importados, o que favoreceu a aceleração do desenvolvimento da indústria nacional. 

Na segunda etapa, denominada “milagre econômico”, entre 1967 e 1973, a produção industrial cresce a um ritmo de 13% ao ano e o PIB, de 12%.

A participação dos produtos manufaturados, aqueles produzidos em série, aumentou em 47% de 1974 a 1979. O Brasil conquistava novos mercados no Oriente Médio e África.

Nos anos 80 a produção industrial sofreu queda com a instabilidade da moeda nacional e criação de sucessivos planos econômicos, que tentavam domar a hiperinflação.

A década 1990, apesar de modesta, é caracterizada pela recuperação do setor industrial, se comparada aos dez anos anteriores. Naquele período, o País dá continuidade ao processo de abertura comercial com redução de tarifas de importação e reformulação dos incentivos às exportações.

As trocas comerciais aumentam e é criado o Mercosul, que reduz as taxas dos produtos comercializados entre os países pertencentes o grupo (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai). 

A partir de 2000, o comércio exterior aumentou em um ritmo mais forte. O crescimento econômico mundial, o aumento dos preços internacionais de produtos básicos, a diversificação dos mercados importadores e a maior produtividade de produtos básicos foram os fatores que favoreceram o dinamismo das exportações brasileiras, que passou a atingir sucessivos recordes, inclusive e partir do começo da década seguinte.

Fonte:

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo prorroga para 14 de novembro o prazo de adesão ao Refis
O governo prorrogou o prazo para pessoas físicas e jurídicas quitarem as dívidas com a união. Agora, o Refis está valendo até 14 de novembro
O governo prorrogou o prazo para pessoas físicas e jurídicas quitarem as dívidas com a união. Agora, o Refis está valendo até 14 de novembro
Governo prorroga para 14 de novembro o prazo de adesão ao Refis

Últimas imagens

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão anunciou mais uma liberação de recursos orçamentários
Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão anunciou mais uma liberação de recursos orçamentários
Gleice Mere/MP
Neste ano, a balança comercial vem registrando recordes seguidos
Neste ano, a balança comercial vem registrando recordes seguidos
Arquivo EBC
Cerca de 417 mil aposentados já receberem o benefício por meio de crédito em conta
Cerca de 417 mil aposentados já receberem o benefício por meio de crédito em conta
Arquivo/USP
O lote contempla 2.358.433 contribuintes, totalizando mais de R$ 2,8 bilhões
O lote contempla 2.358.433 contribuintes, totalizando mais de R$ 2,8 bilhões
Arquivo/EBC

Governo digital