Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 08 > País gera 1,7 milhão de empregos formais em 2009

Geral

País gera 1,7 milhão de empregos formais em 2009

por Portal Brasil publicado: 05/08/2010 17h35 última modificação: 28/07/2014 09h26

Em 2009 foram gerados no Brasil 1,766 milhão de novos empregos formais, crescimento de 4,48% em relação a 2008, segundo números da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada nesta quinta-feira (5) pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Desde total, 1,423 milhão (4,52%) de novos empregos são com carteira assinada (celetistas) e 343,1 mil (4,31%) são servidores públicos (estatutários).

Com 13,9 milhões de novos empregos formais gerados até 2010, o Brasil chega à marca de 42,6 milhões de trabalhadores com emprego formal em todo o País, somando-se os 41,2 milhões contabilizados na Rais 2009 aos 1,4 milhão de novos postos de trabalho registrados este ano no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Segundo o ministério, os 427,8 mil empregos somados aos 995 mil registrados no Caged de dezembro último se devem à inclusão na Rais de vínculos empregatícios temporários e avulsos, entre outros, e também da inclusão de declarações do Caged entregues fora do prazo.

Rendimento

 O rendimento médio dos trabalhadores formais apresentou um aumento real de 2,51% (INPC), ao subir de R$ 1.556,15 em dezembro de 2008 para R$ 1.595,22 em dezembro de 2009.

Em 2010, o ministério prevê que um milhão de trabalhadores sejam beneficiados em cursos de qualificação, sendo 400 mil deles pelo ProJovem Trabalhador. Com a qualificação, a expectativa do trabalhador é de melhora do rendimento.

Declararam a Rais 2009 7,433 milhões de estabelecimentos. Do total, 3,224 milhões têm empregados e 4,209 milhões não têm empregados. O crescimento do número total de estabelecimentos é de 4,47% em relação a 2008.

Rais

A Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto nº 76.900/75, com declaração anual e obrigatória a todos os estabelecimentos existentes no território nacional. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados Celetistas, Estatutários, Avulsos e Temporários, entre outros, segundo remuneração, grau de instrução, ocupação e nacionalidade, entre outros recortes.

Entre os objetivos da Rais constam a identificação dos beneficiários do Abono Salarial; a prestação de subsídios ao FGTS e à Previdência Social; o registro da nacionalização da mão-de-obra; auxílio à definição das políticas de formação de mão-de-obra; a geração de estatísticas sobre o mercado de trabalho formal e a prestação de subsídios ao Cadastro Central de Empresas (Cempre) e às pesquisas domiciliares do IBGE.
 

Fonte:
Ministério do Trabalho

 

Saiba mais sobre mercado de trabalho no Portal Brasil.

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

CNH terá código digital para evitar fraudes
Documentos emitidos a partir de 1º de maio já possuem este elemento de autenticação
Documentos emitidos a partir de 1º de maio já possuem este elemento de autenticação
CNH terá código digital para evitar fraudes

Últimas imagens

Para Meirelles, aprovação da reforma da Previdência resultará em queda dos juros estruturais
Para Meirelles, aprovação da reforma da Previdência resultará em queda dos juros estruturais
Agência Brasil/ José Cruz
Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apontam para recuperação do comércio exterior
Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apontam para recuperação do comércio exterior
Arquivo EBC
Encerramento do feirão acontece em Brasília (DF), Fortaleza (CE) e Curitiba (PR)
Encerramento do feirão acontece em Brasília (DF), Fortaleza (CE) e Curitiba (PR)
Divulgação/Caixa
Para os analistas, a taxa Selic ficará em 8,50 ao ano em 2017
Para os analistas, a taxa Selic ficará em 8,50 ao ano em 2017
USP Imagens/ Marcos Santos
Índice de Confiança da Indústria da FGV avançou 1,1 ponto em maio
Índice de Confiança da Indústria da FGV avançou 1,1 ponto em maio
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital