Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 08 > Vencimento de títulos prefixados faz Dívida Pública Federal cair R$ 11 bi em julho

Geral

Vencimento de títulos prefixados faz Dívida Pública Federal cair R$ 11 bi em julho

por Portal Brasil publicado: 19/08/2010 20h53 última modificação: 28/07/2014 09h26

O vencimento de títulos prefixados (que tem os juros definidos com antecedência) fez a dívida pública cair em julho. Segundo números divulgados pelo Tesouro Federal, a Dívida Pública Federal (DPF) teve queda de R$ 11 bilhões em julho, passando de R$ 1,612 trilhão para R$ 1,601 trilhão. Em termos percentuais, a redução foi de 0,68%.


Por meio da dívida pública, o Estado pega empréstimos dos investidores para honrar os compromissos. Em troca, o Tesouro compromete-se a devolver o dinheiro com correção, que pode ser prefixada, ou seja, definida com antecedência, ou seguir a Selic, índices de preços ou o câmbio.


A dívida pública mobiliária (em títulos) federal interna caiu 0,49%, passando de R$ 1,516 trilhão para R$ 1,509 trilhão. A queda ocorreu porque o Tesouro resgatou, em julho, R$ 19,4 bilhões em títulos a mais do que emitiu. A redução final, no entanto, ficou menor por causa do reconhecimento de R$ 12,01 bilhões em juros.

 

A dívida pública federal externa caiu 3,8% no último mês, encerrando julho em R$ 92,26 bilhões, contra R$ 95,9 bilhões em junho. O principal fator foi a queda de 2,46% no dólar.

 

O resgate líquido de R$ 24,5 bilhões de papéis prefixados fez a parcela desses títulos na dívida mobiliária interna cair de 35,27% em junho para 34,13% em julho.

 
Por terem os juros definidos no momento da emissão, esses tipos de títulos são preferíveis para o Tesouro, porque facilitam a administração da dívida pública. No entanto, tradicionalmente ocorre uma concentração de vencimentos desses papéis no início de cada trimestre, como em julho.

 
Com o resgate de prefixados, a participação dos títulos corrigidos pela taxa Selic na dívida mobiliária interna aumentou de 33,57% para 34,24%. A fatia dos títulos corrigidos por índices de preços subiu de 28,93% em junho para 29,46% em julho. A parcela da dívida interna vinculada ao câmbio ficou praticamente estável, passando de 0,66% para 0,65%.
 

O prazo médio da DPF subiu de 3,55 anos em junho para 3,59 anos em julho. Prazos mais longos são preferíveis porque esse é o tempo que o governo leva para renovar completamente a dívida pública. Desde o ano passado, o Tesouro divulga o prazo apenas em anos, não em meses. A parcela dos títulos que vencem em 12 meses, no entanto, aumentou de 25,86% para 28,22%.

 

Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo prorroga para 14 de novembro o prazo de adesão ao Refis
O governo prorrogou o prazo para pessoas físicas e jurídicas quitarem as dívidas com a união. Agora, o Refis está valendo até 14 de novembro
O governo prorrogou o prazo para pessoas físicas e jurídicas quitarem as dívidas com a união. Agora, o Refis está valendo até 14 de novembro
Governo prorroga para 14 de novembro o prazo de adesão ao Refis

Últimas imagens

Ministro Dyogo Oliveira defendeu aprovação da reforma da Previdência para evitar danos ao País
Ministro Dyogo Oliveira defendeu aprovação da reforma da Previdência para evitar danos ao País
Valter Campanato/Agência Brasil
Alta na massa salarial é explicada por melhora no mercado de trabalho, que vem empregando mais neste ano
Alta na massa salarial é explicada por melhora no mercado de trabalho, que vem empregando mais neste ano
Marcos Santos/USP Imagens
Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão anunciou mais uma liberação de recursos orçamentários
Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão anunciou mais uma liberação de recursos orçamentários
Gleice Mere/MP
Neste ano, a balança comercial vem registrando recordes seguidos
Neste ano, a balança comercial vem registrando recordes seguidos
Arquivo EBC

Governo digital