Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 09 > Queda da inflação semanal perde força, indica FGV

Geral

Queda da inflação semanal perde força, indica FGV

por Portal Brasil publicado: 01/09/2010 16h50 última modificação: 28/07/2014 09h28

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), teve deflação de 0,08% no encerramento de agosto. Essa taxa indica perda na velocidade de queda de preços, uma vez que na apuração anterior a variação havia sido de -0,17%. No acumulado do ano, o IPC-S aumentou 3,34% e nos últimos 12 meses, 4,07%.


O grupo dos alimentos foi o que apresentou maior movimento de recuperação de preços. A taxa passou de -0,94% para -0,64%, sob a influência das hortaliças e dos legumes (de -7,94% para -6,76%) e das frutas (de -2,58% para -2,46%).


Também continuaram em queda os preços do grupo vestuário, com variação de -0,40%, porém, em ritmo inferior ao da medição passada (-0,84%).


Em saúde e cuidados pessoais, o índice aumentou de 0,17% para 0,25%, puxado pelas correções nos medicamentos. Em habitação, os preços subiram 0,26% ante 0,23%, refletindo, principalmente, o aumento de preços dos móveis.


A taxa do grupo despesas diversas ficou em 0,09%, inferior ao resultado da terceira prévia de agosto (0,47%). Neste caso, a influência foi exercida pelos cigarros, cujo índice passou de 0,72% para uma estabilidade nos preços. Também houve diminuição na velocidade de alta em transportes (de 0,23% para 0,15%), com destaque para o álcool combustível, que ficou em média 3,16% mais caro, ante 5,11%.


Em educação, leitura e recreação ocorreu queda mais acentuada (de -0,05% para -0,07%), provocada pelo barateamento dos cursos de informática (de 0,21% para -0,37%).


Segundo a FGV, os principais itens que colaboraram para a pressão inflacionária são: alho (de 11,22% para 6,01%), taxa de água e esgoto residencial (de 0,74% para 1,04%), plano e seguro-saúde (de 0,49% para 0,46%), refeição em restaurante (de 0,26% para 0,82%), e pão francês (de 1,01% para 1,25%).


Ajudaram a manter a média de preços negativa os seguintes produtos: batata-inglesa (de -29,76% para -24,21%), mamão papaia (de -21,89% para -19,31%), cebola (de -20,36% para -28,65%), feijão-carioquinha (de -7,95% para -8,99%) e cenoura (de -9,82% para -11,95%).


Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados

Últimas imagens

Receita pagará a restituição do IRPF em sete lotes, entre junho e dezembro deste ano
Receita pagará a restituição do IRPF em sete lotes, entre junho e dezembro deste ano
Foto: Arquivo/EBC
A postura no trabalho pode influenciar no aumento de pessoas afastadas com dores nas costas
A postura no trabalho pode influenciar no aumento de pessoas afastadas com dores nas costas
Divulgação/Governo de Mato Grosso
Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Arquivo/Agência Brasil
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital