Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 09 > Queda da inflação semanal perde força, indica FGV

Geral

Queda da inflação semanal perde força, indica FGV

por Portal Brasil publicado: 01/09/2010 16h50 última modificação: 28/07/2014 09h28

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), teve deflação de 0,08% no encerramento de agosto. Essa taxa indica perda na velocidade de queda de preços, uma vez que na apuração anterior a variação havia sido de -0,17%. No acumulado do ano, o IPC-S aumentou 3,34% e nos últimos 12 meses, 4,07%.


O grupo dos alimentos foi o que apresentou maior movimento de recuperação de preços. A taxa passou de -0,94% para -0,64%, sob a influência das hortaliças e dos legumes (de -7,94% para -6,76%) e das frutas (de -2,58% para -2,46%).


Também continuaram em queda os preços do grupo vestuário, com variação de -0,40%, porém, em ritmo inferior ao da medição passada (-0,84%).


Em saúde e cuidados pessoais, o índice aumentou de 0,17% para 0,25%, puxado pelas correções nos medicamentos. Em habitação, os preços subiram 0,26% ante 0,23%, refletindo, principalmente, o aumento de preços dos móveis.


A taxa do grupo despesas diversas ficou em 0,09%, inferior ao resultado da terceira prévia de agosto (0,47%). Neste caso, a influência foi exercida pelos cigarros, cujo índice passou de 0,72% para uma estabilidade nos preços. Também houve diminuição na velocidade de alta em transportes (de 0,23% para 0,15%), com destaque para o álcool combustível, que ficou em média 3,16% mais caro, ante 5,11%.


Em educação, leitura e recreação ocorreu queda mais acentuada (de -0,05% para -0,07%), provocada pelo barateamento dos cursos de informática (de 0,21% para -0,37%).


Segundo a FGV, os principais itens que colaboraram para a pressão inflacionária são: alho (de 11,22% para 6,01%), taxa de água e esgoto residencial (de 0,74% para 1,04%), plano e seguro-saúde (de 0,49% para 0,46%), refeição em restaurante (de 0,26% para 0,82%), e pão francês (de 1,01% para 1,25%).


Ajudaram a manter a média de preços negativa os seguintes produtos: batata-inglesa (de -29,76% para -24,21%), mamão papaia (de -21,89% para -19,31%), cebola (de -20,36% para -28,65%), feijão-carioquinha (de -7,95% para -8,99%) e cenoura (de -9,82% para -11,95%).


Fonte:
Agência Brasil

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Soja, milho e feijão são os destaques da super safra 2016/2017
Safra de grãos 2016/2017 deve bater recorde com produção de 238 milhões de toneladas
Safra de grãos 2016/2017 deve bater recorde com produção de 238 milhões de toneladas
Soja, milho e feijão são os destaques da super safra 2016/2017

Últimas imagens

Evidências de retomada nas regiões estão em linha com recuperação gradual da economia
Evidências de retomada nas regiões estão em linha com recuperação gradual da economia
Fernando Frazão/Agência Brasil
Medida aumenta subvenção ao seguro rural, o que facilita acesso à proteção
Medida aumenta subvenção ao seguro rural, o que facilita acesso à proteção
Pedro Ventura/Agência Brasília
Medida vai dar mais acesso e reduzir custo em empréstimos e financiamentos que tenham bens como garantia
Medida vai dar mais acesso e reduzir custo em empréstimos e financiamentos que tenham bens como garantia
Medida vai dar mais acesso e reduzir custo em empréstimos e financiamentos que tenham bens como garantia
Medida vai dar mais acesso e reduzir custo em empréstimos e financiamentos que tenham bens como garantia
Medida foi aprovada no Senado, na última quarta-feira (16)
Medida foi aprovada no Senado, na última quarta-feira (16)
Jefferson Rudy/Agência Senado

Governo digital