Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 10 > Em agosto, produção industrial varia -0,1% mas continua em alta

Geral

Em agosto, produção industrial varia -0,1% mas continua em alta

por Portal Brasil publicado: 01/10/2010 19h59 última modificação: 28/07/2014 09h29

Os dados da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil, divulgados nesta sexta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que, em agosto de 2010, a produção industrial variou -0,1% frente a julho.Por outro lado, na comparação com agosto de 2009, a produção global da indústria cresceu 8,9%, praticamente repetindo a marca observada no mês anterior (8,8%). 

Na formação da taxa de -0,1%, 16 das 27 atividades pesquisadas apontaram redução na produção, com o principal impacto negativo vindo do setor de metalurgia básica (-5,8%), seguido por refino de petróleo e produção de álcool (-3,6%).

Em seguida, houve queda nas áreas farmacêutica (-5,5%), de bebidas (-4,9%) e material eletrônico e equipamentos de comunicações (-6,5%).

Por outro lado, os ramos que mais pressionaram positivamente foram: máquinas e equipamentos (5,6%), que recuperou parte da perda observada em julho (-6,2%), veículos automotores (1,4%), edição e impressão (4,1%) e outros equipamentos de transporte (4,5%).

Em categorias de uso, apenas bens de capital apresentaram melhora

Ainda na comparação com o mês anterior, nos índices por categorias de uso, somente o segmento de bens de capital (1,4%) apontou avanço na produção, após ligeira variação positiva (0,2%) em julho.

As demais categorias de uso registraram resultados negativos, com destaque para bens intermediários (-1,5%), que mostrou a queda mais acentuada. Em seguida, houve queda na produção de  bens de consumo semi e não duráveis (-0,8%) e bens de consumo duráveis (-0,1%). Esses setores assinalaram taxas positivas no mês anterior: 0,7%, 0,3% e 1,1%, respectivamente.

Com a virtual estabilidade (-0,1%) do setor industrial em agosto, o índice de média móvel trimestral (-0,2%) permaneceu negativo pelo terceiro mês e repetiu o ritmo de queda observado no mês anterior.

Por categorias de uso, todos os segmentos também registraram taxas negativas, com o setor de bens de consumo duráveis (-0,8%) apontando a maior a perda entre julho e agosto, seguido por bens intermediários (-0,5%), bens de consumo semi e não duráveis (-0,4%) e bens de capital (-0,1%).

Na comparação com agosto de 2009, alta em 62 dos 76 subsetores

Na comparação com agosto de 2009, a produção global da indústria cresceu 8,9%, praticamente repetindo a marca observada no mês anterior (8,8%). O perfil de crescimento em agosto deste ano permaneceu generalizado, com todas as categorias de uso, 22 das 27 atividades, 62 dos 76 subsetores e 68% dos 755 produtos investigados sustentando taxas positivas.

Entre as atividades, veículos automotores (27,2%) se manteve como a de maior influência positiva na formação da média da indústria, com 96% dos produtos pesquisados no setor apontando acréscimo na produção, seguido por máquinas e equipamentos (20,7%), alimentos (9,5%), indústrias extrativas (10,7%), metalurgia básica (9,9%) e produtos de metal (18,5%).

Em termos de produtos, os destaques nesses ramos foram: caminhões, caminhão-trator e automóveis; aparelhos carregadoras-transportadoras, empilhadeiras propulsoras, motoniveladores e tratores agrícolas; açúcar cristal e sucos concentrados de laranja; minérios de ferro; ferronióbio, artefatos e peças de ferro fundido e barras de outras ligas de aço; e parafusos, ganchos, porcas e roscas de ferro e aço.

Por outro lado, entre os cinco ramos que registraram queda na produção, os principais impactos ficaram com refino de petróleo e produção de álcool (-3,6%), influenciado por uma paralisação técnica em unidade produtiva do setor, e farmacêutica (-5,6%). Nestas atividades sobressaíram, respectivamente, os recuos na fabricação dos itens óleo diesel e medicamentos.

Por categorias de uso, ainda na comparação com agosto de 2009, a produção de bens de capital (28,0%) apontou ritmo de crescimento bem acima da média global (8,9%), apoiada sobretudo na expansão generalizada de máquinas e equipamentos, sinalizando ampliação dos investimentos em diferentes setores frente a 2009.

O principal impacto positivo ficou com o subsetor de bens de capital para transporte (45,5%), seguido por bens de capital para construção (103,8%), para uso misto (12,9%), para fins industriais (19,2%), agrícola (48,3%) e energia elétrica (8,3%). As demais categorias de uso registraram taxas abaixo da indústria geral: bens intermediários (8,7%) e bens de consumo, duráveis (4,7%) e semi e não duráveis (4,3%).

O desempenho de bens intermediários ficou 8,7% acima do de agosto de 2009, décima taxa positiva consecutiva, mas a menor desde novembro de 2009 (5,2%).

Esse resultado foi explicado em grande parte pelos avanços nos produtos associados às atividades de veículos automotores (28,7%), metalurgia básica (9,9%), indústrias extrativas (10,8%), alimentos (15,7%) e produtos de metal (20,6%), enquanto refino de petróleo e produção de álcool (-7,9%), pressionado pela redução na produção de óleo diesel, exerceu a única contribuição negativa.

Nos grupamentos com taxas positivas sobressaiu a maior fabricação de chassis com motor para caminhões e ônibus e peças e acessórios para motor; ferronióbio; minérios de ferro; açúcar cristal; e parafusos, ganchos, porcas e roscas de ferro e aço. Vale destacar também os desempenhos positivos vindos dos grupamentos de insumos típicos para construção civil (10,8%) e de embalagens (12,1%).

Ainda no confronto com agosto de 2009, avançando também abaixo da média da indústria, figuraram ainda bens de consumo duráveis (4,7%) e bens de consumo semi e não duráveis (4,3%). No primeiro segmento, a expansão foi influenciada em grande parte pelo acréscimo na fabricação de automóveis (9,0%), de eletrodomésticos da “linha marrom” (9,6%) e de outros eletrodomésticos (13,0%), uma vez que os eletrodomésticos da “linha branca” (-18,5%) e os telefones celulares (-5,7%) registraram queda na produção.

O setor de bens de consumo semi e não duráveis mostrou crescimento em todos os seus subsetores: alimentos e bebidas elaborados para consumo doméstico (6,1%), semiduráveis (8,9%), carburantes (4,6%) e outros não duráveis (0,7%). Nesses grupamentos destacaram-se, respectivamente, os acréscimos observados nos itens sucos e concentrados de laranja, refrigerantes, cervejas e chope, calçados e cds, álcool e, por último, revistas.

No indicador acumulado dos primeiros oito meses do ano, a taxa global de 14,1% foi explicada, principalmente, pelo desempenho positivo de 25 dos 27 itens pesquisados, com destaque para a liderança de veículos automotores (30,8%) e de máquinas e equipamentos (35,0%), ambos impulsionados pelos índices positivos em mais de 85% dos produtos investigados nas respectivas atividades.

Fonte: IBGE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Contratações com jornadas imprevisíveis são formalizadas
A modernização trabalhista trouxe benefícios para diferentes tipos de contratação como o trabalho intermitente, comum no mercado de eventos
A modernização trabalhista trouxe benefícios para diferentes tipos de contratação como o trabalho intermitente, comum no mercado de eventos
Contratações com jornadas imprevisíveis são formalizadas

Últimas imagens

Dinheiro arrecadado será importante para reforçar as contas públicas
Dinheiro arrecadado será importante para reforçar as contas públicas
Divulgação/Cemig
Brasil registra criação de postos de trabalho pelo quinto mês seguido
Brasil registra criação de postos de trabalho pelo quinto mês seguido
Arquivo: EBC
Condições econômicas estão melhores, de acordo com especialistas
Condições econômicas estão melhores, de acordo com especialistas
Marcos Santos/USP Imagens
Balança comercial vem registrando recordes consecutivos neste ano
Balança comercial vem registrando recordes consecutivos neste ano
Arquivo EBC

Governo digital