Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 12 > Mão de obra de construção civil e agropecuária tem mais rotatividade

Economia e Emprego

Mão de obra de construção civil e agropecuária tem mais rotatividade

por Portal Brasil publicado: 17/12/2010 19h34 última modificação: 28/07/2014 09h30

O estudo "Movimentação Contratual no Mercado de Trabalho Formal e Rotatividade no Brasil" mostrou que a Construção Civil e a Agropecuária apresentaram as mais altas taxas de rotatividade entre os setores da economia brasileira no período de 2007 a 2009, ficando em 87,3% e 77,9%, respectivamente. Os dados foram apresentados nesta sexta-feira (17), pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

"Embora tenham um peso menor no total de vínculos trabalhistas, esses setores têm características específicas que levam a essa alta taxa de rotatividade. A Construção Civil tem os contratos temporais, por empreitada, que quando acaba a construção, acaba o contrato e o trabalhador vai para outra obra. Já o setor Agrícola tem o período de sazonalidade característico de cada cultivo", explica o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Os setores de Comércio e Serviços também tiveram taxas acima da média nacional - que ficou em 36% - registrando 41,4% e 38,3%, respectivamente. Esses setores têm ativa importância na taxa de rotatividade em função do volume de vínculos trabalhistas. A Indústria de Transformação apresenta taxas de rotatividade próximas à taxa nacional, ficando em torno de 36,6%. Os subsetores da Indústria de Calçados, Indústria de Produtos Alimentícios, Indústria da Borracha e Fumo e Indústria da Madeira e do Mobiliário registram as taxas mais elevadas do setor.

A Extrativa Mineral registrou taxa de rotatividade de 20,4% e os Serviços Industriais de Utilidade Pública de 14,9%. A menor taxa foi registrada na Administração Pública direta e autárquica, com 10,1%. "Isso mostra a estabilidade do setor. A maior parte desses desligamentos ocorre em empresas públicas, que podem demitir com mais facilidade", ressalta o ministro.

Fonte:
Ministério do Trabalho e Emprego

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

A revolução agrícola brasileira
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
Um projeto para o futuro
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Exemplos e desafios
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic elogia medidas acertadas para agricultura e aborda desafios do País para o futuro.
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
A revolução agrícola brasileira
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Um projeto para o futuro
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic elogia medidas acertadas para agricultura e aborda desafios do País para o futuro.
Exemplos e desafios

Últimas imagens

Daniel Balaban no ciclo de debates na Conab
Daniel Balaban no ciclo de debates na Conab
Conab
A partir do cadastro no sistema, o próprio trabalhador pesquisa e se candidata às vagas existentes no Sine
A partir do cadastro no sistema, o próprio trabalhador pesquisa e se candidata às vagas existentes no Sine
Divulgação/Governo do Paraná
Plataforma oferece também informações sobre o andamento do seguro-desemprego, oportunidades de qualificação profissional e abono salarial
Plataforma oferece também informações sobre o andamento do seguro-desemprego, oportunidades de qualificação profissional e abono salarial
Divulgação/Ministério da Educação
Patrus anuncia ampliação de crédito, de Ater e de compras públicas, no Ceará
Patrus anuncia ampliação de crédito, de Ater e de compras públicas, no Ceará
Foto: Paulo Henrique Carvalho/MDA
Receita Federal multou 60 empresas e 32 pessoas
Receita Federal multou 60 empresas e 32 pessoas
Divulgação/Receita Federal

Governo digital