Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2010 > 12 > Mão de obra de construção civil e agropecuária tem mais rotatividade

Economia e Emprego

Mão de obra de construção civil e agropecuária tem mais rotatividade

por Portal Brasil publicado: 17/12/2010 19h34 última modificação: 28/07/2014 09h30

O estudo "Movimentação Contratual no Mercado de Trabalho Formal e Rotatividade no Brasil" mostrou que a Construção Civil e a Agropecuária apresentaram as mais altas taxas de rotatividade entre os setores da economia brasileira no período de 2007 a 2009, ficando em 87,3% e 77,9%, respectivamente. Os dados foram apresentados nesta sexta-feira (17), pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

"Embora tenham um peso menor no total de vínculos trabalhistas, esses setores têm características específicas que levam a essa alta taxa de rotatividade. A Construção Civil tem os contratos temporais, por empreitada, que quando acaba a construção, acaba o contrato e o trabalhador vai para outra obra. Já o setor Agrícola tem o período de sazonalidade característico de cada cultivo", explica o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Os setores de Comércio e Serviços também tiveram taxas acima da média nacional - que ficou em 36% - registrando 41,4% e 38,3%, respectivamente. Esses setores têm ativa importância na taxa de rotatividade em função do volume de vínculos trabalhistas. A Indústria de Transformação apresenta taxas de rotatividade próximas à taxa nacional, ficando em torno de 36,6%. Os subsetores da Indústria de Calçados, Indústria de Produtos Alimentícios, Indústria da Borracha e Fumo e Indústria da Madeira e do Mobiliário registram as taxas mais elevadas do setor.

A Extrativa Mineral registrou taxa de rotatividade de 20,4% e os Serviços Industriais de Utilidade Pública de 14,9%. A menor taxa foi registrada na Administração Pública direta e autárquica, com 10,1%. "Isso mostra a estabilidade do setor. A maior parte desses desligamentos ocorre em empresas públicas, que podem demitir com mais facilidade", ressalta o ministro.

Fonte:
Ministério do Trabalho e Emprego

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Linha de crédito beneficia agricultores familiares
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
Linha de crédito beneficia agricultores familiares

Últimas imagens

Investimento, indústria e exportações mostraram desempenho positivo
Investimento, indústria e exportações mostraram desempenho positivo
Marcos Santos/USP Imagens
Convenção foi desenvolvida conjuntamente pela OCDE e pelo Conselho da Europa em 1988
Convenção foi desenvolvida conjuntamente pela OCDE e pelo Conselho da Europa em 1988
Foto: Arquivo/EBC
Na ocasião, também será realizada a 14ª Assembleia-Geral da OIV
Na ocasião, também será realizada a 14ª Assembleia-Geral da OIV
Foto: Divulgação/Ministério da Agricultura
Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 11,49%
Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 11,49%
Marcos Santos/ USP Imagens
O benefício é equivalente a um salário mínimo (R$ 880)
O benefício é equivalente a um salário mínimo (R$ 880)
Marcos Santos/USP Imagens

Governo digital