Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2011 > 02 > Índice Nacional da Construção Civil variou 0,27% em janeiro

Economia e Emprego

Índice Nacional da Construção Civil variou 0,27% em janeiro

por Portal Brasil publicado: 08/02/2011 12h36 última modificação: 28/07/2014 14h12

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em convênio com a Caixa Econômica Federal (CEF), iniciou o ano de 2011 com variação praticamente igual a registrada em dezembro de 2010 (0,26%), avançando apenas 0,01 ponto percentual.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em dezembro havia sido R$ 769,06, em janeiro passou para R$ 768,44, sendo R$ 436,29 relativos aos materiais e R$ 332,15 à mão-de-obra.

A parcela dos materiais apresentou variação de 0,32%, recuando 0,11 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,43%), enquanto a mão-de-obra registrou aceleração de 0,15 ponto percentual, passando de 0,05% em dezembro para 0,20% em janeiro.

Pressionada pelos reajustes salariais do Piauí, a região Nordeste, com alta de 0,46%, ficou com a maior taxa regional em janeiro. Os demais resultados foram: 0,37% (Norte), 0,21% (Centro-Oeste), 0,16% (Sudeste) e 0,14% (Sul).

Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 809,06 (Sudeste), R$ 779,58 (Norte), R$ 755,14 (Centro-Oeste), R$ 752,44 (Sul) e R$ 726,65 (Nordeste).

Devido à pressão exercida pelos reajustes salariais decorrentes de acordos coletivos, Piauí e Tocantins registraram as maiores taxas mensais, respectivamente, 4,19% e 3,00%. Os estados que apresentaram as menores variações foram: Mato Grosso (0,04%), Alagoas (0,08%), Roraima, Amapá e Rio Grande do Sul, todos com taxa de 0,09%.

Segundo o IBGE, estes resultados foram calculados com uma nova estrutura de ponderação das áreas geográficas. Ela pode ser acessada no site do instituto.


Fonte:
IBGE

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

A revolução agrícola brasileira
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
Um projeto para o futuro
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Exemplos e desafios
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic elogia medidas acertadas para agricultura e aborda desafios do País para o futuro.
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
A revolução agrícola brasileira
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Um projeto para o futuro
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic elogia medidas acertadas para agricultura e aborda desafios do País para o futuro.
Exemplos e desafios

Últimas imagens

Cerca de 92,5% da produção de petróleo e gás natural foi proveniente de campos operados pela Petrobras
Cerca de 92,5% da produção de petróleo e gás natural foi proveniente de campos operados pela Petrobras
Divulgação/Planalto
Destaque foram as medidas de melhoria do ambiente de negócios no setor de bebidas
Destaque foram as medidas de melhoria do ambiente de negócios no setor de bebidas
Divulgação/Governo do Rio Grande do Sul
Agricultura Familiar tem espaço na capital federal
Agricultura Familiar tem espaço na capital federal
Dênio Simões/ Agência Brasília
Ministério da Agricultura já repassou R$ 989,3 milhões para 12 bancos para linhas de capital de giro de cooperativas de produção e de indústria de torrefação e moagem
Ministério da Agricultura já repassou R$ 989,3 milhões para 12 bancos para linhas de capital de giro de cooperativas de produção e de indústria de torrefação e moagem
Divulgação/EBC

Governo digital