Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2011 > 03 > Fazenda prevê PIB entre 5% e 6,5% para 2011-2014 e inflação caindo de 5% para 4,5%

Economia e Emprego

Fazenda prevê PIB entre 5% e 6,5% para 2011-2014 e inflação caindo de 5% para 4,5%

por Portal Brasil publicado: 15/03/2011 19h39 última modificação: 28/07/2014 14h14

O Ministério da Fazenda projetou em 5% o crescimento da economia brasileira em 2011, segundo o relatório Economia Brasileira em Perspectiva, divulgado nesta terça-feira (15). Já as taxas de inflação no Brasil, medidas pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), devem chegar a 5% em 2011 e 4,5% em 2012. A Fazenda também espera uma expansão maior da economia nos próximos anos, passando a 5,5% em 2012 e 6,5% ao ano em 2013 e 2014, em uma média aproximada de 5,9% ao ano. 

O documento consolida as principais variáveis macroeconômicas do País e afirma, por exemplo, que o IPCA sofreu forte impacto no início de 2010 pelo aumento do preço do álcool, açúcar, transportes e educação. “Esse crescimento, somado ao aumento nos preços das commodities, pressionaram o índice, que fechou em 5,9% no ano passado”, afirma a Fazenda. 

Para março e abril de 2011, o índice caminha para a desaceleração em função da redução dos preços de alimentos e do término do efeito das tarifas de ônibus e das mensalidades escolares. 

Com relação à política fiscal, a estimativa do Ministério da Fazenda é de resultado primário de 3% do PIB para o setor público consolidado, crescimento do PIB de 5% e taxa real de juros de 6% ao ano. Já a relação dívida pública/PIB, que em 2009 chegou a 42,8%, e em 2010, 40,4%,  deve cair para 37,8%. 

O relatório traz um balanço da economia brasileira em 2010, quando o PIB fechou em 7,5%, o melhor desempenho desde o ano de 1986. Para o período 2011-2014, a estimativa da Fazenda é de que a economia volte a crescer no patamar entre 5% e 6,5%, impulsionado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). 

A expansão do investimento em infraestrutura é o carro-chefe para o desenvolvimento sustentável, conforme o relatório. Entre 2007 e 2010, por exemplo, o PAC mobilizou mais de R$ 500 bilhões nas áreas de transporte, energia, saneamento, habitação e recursos hídricos. Com a criação do PAC 2, a meta para 2014 é que esse índice chegue a 24% do PIB. 

Em 2010, os investimentos obtiveram crescimento de 21,8% em comparação com o ano anterior. Já o consumo das famílias expandiu-se 7%, influenciado pelo aumento real do salário mínimo e do crédito para as pessoas físicas. As exportações e as importações de bens e serviços também apresentaram crescimento de 11,5% e 36,2%, respectivamente.

 

Juros 

O ciclo de juros estáveis em 10,75% desde julho de 2010 foi interrompido em janeiro de 2011, quando a taxa Selic foi elevada em 0,50 p.p. A redução da Selic  aliada ao crescimento da economia impactou na queda dos juros pagos pelo governo. Desde 2003, a redução foi de 38%, passando de 8,5% para 5,3% do PIB.

 

Fonte:
Ministério da Fazenda

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Tesouro Direito lança campanha para democratizar o acesso a títulos públicos
Tesouro Direto lança a campanha "Transformação pelo Conhecimento", com objetivo de democratizar o acesso aos títulos públicos e a educação financeira
Tesouro Direto lança a campanha "Transformação pelo Conhecimento", com objetivo de democratizar o acesso aos títulos públicos e a educação financeira
Tesouro Direito lança campanha para democratizar o acesso a títulos públicos

Últimas imagens

Medida promete reduzir custos de produção das empresas
Medida promete reduzir custos de produção das empresas
Arquivo EBC
Valor investido em setembro bateu recorde do programa
Valor investido em setembro bateu recorde do programa
Marcos Santos/USP Imagens
Medida foi anunciada nesta sexta-feira (22) pelo ministro Dyogo Oliveira
Medida foi anunciada nesta sexta-feira (22) pelo ministro Dyogo Oliveira
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Expectativa para os próximos meses também aumentou em setembro
Expectativa para os próximos meses também aumentou em setembro
Valter Campanato/Agência Brasil

Governo digital