Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2011 > 05 > Crédito para microempresas do BNDES cresce 13% no primeiro trimestre

Economia e Emprego

Crédito para microempresas do BNDES cresce 13% no primeiro trimestre

por Portal Brasil publicado: 16/05/2011 16h09 última modificação: 28/07/2014 14h18

Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atingiram R$ 24,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, mostrando recuo de 2% na comparação com igual período do ano anterior. Embora pequena, esta foi a primeira queda nos desembolsos registrada desde 2006, considerando-se apenas primeiros trimestres. 

Ainda assim, as liberações às micro, pequenas e médias empresas e pessoas físicas permaneceram em alta nos três primeiros meses do ano, com R$ 11,2 bilhões em financiamentos — o que indica um crescimento de 13%. O balanço indica que 160 mil operações foram realizadas no período, uma expansão de 43%. Os dados foram divulgados pelo banco nesta segunda-feira (16).

Somente no primeiro trimestre do ano, segundo o banco, o Cartão BNDES realizou 98,2 mil operações, movimentando um total de R$ 1,3 bilhão – cifra 81% superior à observada no mesmo período do ano anterior. Atualmente são mais de 390 mil cartões emitidos, que somam R$ 17 bilhões em limite de crédito concedido. 

No acumulado de 12 meses, encerrados em março último, os desembolsos do banco ficaram equilibrados em R$ 143,1 bilhões (sem incluir a operação de capitalização da Petrobras, realizada em setembro do ano passado), ou seja, no mesmo patamar de 2010.

Segundo o banco, o resultado reflete o objetivo do governo de abrir espaços para uma maior participação do mercado privado de capitais no financiamento de longo prazo no País. Veja o resultado do trimestre na página do banco.


Março registra queda

Em março, isoladamente, os desembolsos do BNDES alcançaram R$ 7,7 bilhões, com declínio de 18% em relação aos R$ 9,4 bilhões liberados em igual mês do ano anterior.

Também as consultas recuaram no mês de março, somando R$ 15,2 bilhões. A queda de 26% é, da mesma forma, explicada pela alta base de comparação. Os enquadramentos no mês, no entanto, cresceram 6%, alcançando R$ 13,4 bilhões.


Fonte:
BNDES

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil