Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2011 > 10 > Crescimento populacional do Brasil é o menor já registrado

Economia e Emprego

Crescimento populacional do Brasil é o menor já registrado

por Portal Brasil publicado: 26/10/2011 10h27 última modificação: 28/07/2014 16h14

A população do Brasil, que chegou 190,7 milhões de pessoas em 2010, cresce no menor ritmo já registrado (1,12% ao ano) e de maneira desigual pelo território do País, com as maiores taxas concentradas nas regiões Norte e Centro-Oeste.

As informações constam da Sinopse do Censo Demográfico 2010, que contém os primeiros resultados definitivos do último censo e foi divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a pesquisa, a população brasileira cresceu 12,3% desde 2000, quando havia 169,8 milhões de habitantes no País e chegou a 190.755.799.

Nesse período, seguindo tendência das últimas décadas, a população rural perdeu 2 milhões de pessoas e reduziu sua participação para 15,6% do total. Já a população urbana ganhou 23 milhões membros e hoje representa 84,4% do total dos brasileiros.

Os dez estados onde a população mais cresceu nos últimos dez anos estão nas regiões Norte e Centro-Oeste. À frente deles, Amapá, Roraima e Acre tiveram crescimento demográfico anual de 3,45%, 3,34% e 2,78%, respectivamente.

Pesquisador da Coordenação de População e Indicadores Sociais do IBGE, Gabriel Borges disse que o maior crescimento no Norte e no Centro-Oeste reflete em grande medida a migração interna para novas regiões de agronegócio, as chamadas “novas fronteiras agrícolas”.

De acordo com ele, a maioria desses migrantes se integrou à população urbana dessas regiões, e não ao campo. Já as unidades da Federação com menor crescimento demográfico foram o Rio Grande do Sul, com 0,49%, a Bahia, com 0,7%, e o Paraná, com 0,89%.

O censo revela poucas mudanças no ranking das maiores cidades brasileiras: São Paulo segue à frente, com 11,2 milhões de habitantes, seguida pelo Rio de Janeiro (6,3 milhões), por Salvador (2,6 milhões) e Brasília (2,5 milhões). Logo abaixo, Fortaleza (2,4 milhões) ultrapassou Belo Horizonte (2,3 milhões), e Manaus (1,9 milhão) deixou para trás Curitiba (1,7 milhão). Recife (1,5 milhão) e Porto Alegre (1,4 milhão) completam a lista das dez maiores.

Embora permaneçam à frente, São Paulo e Rio estão entre as quatro capitais que menos cresceram nos últimos dez anos, com incremento populacional médio de 0,76% ao ano. No outro extremo, Palmas e Boa Vista cresceram, respectivamente, 5,21% e 3,55%.

As capitais do Tocantins e de Roraima se enquadram no conjunto de municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes, grupo que apresentou maior crescimento nos últimos dez anos. Já cidades com 5 mil a 10 mil moradores tiveram perda populacional de 0,97% ao ano.

Para a realização do censo, que serve de parâmetro para políticas públicas e ocorre a cada dez anos, foram visitados 67,6 milhões de domicílios. Os recenseadores não conseguiram fazer a entrevista em 901 mil. Nesses casos, usou-se a metodologia para estimar o número de habitantes.

 

Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

"Previdência Social atual não é sustentável" afirma o economista Marcos Lisboa
O Ph.D em economia, Marcos Lisboa, mostra dados e argumentos sobre a insustentabilidade da atual Previdência Social, ao longo dos anos.
Economista fala sobre o problema da Previdência nas contas públicas
Raul Velloso, consultor econômico e Ph.D em economia, mostra o quanto os gastos com Previdência impactam as contas públicas da União, municípios e estados
Secretário Marcelo Caetano reforça necessidade da Reforma da Previdência
O secretário da Previdência Social, Marcelo Caetano, aponta dados que ressaltam a necessidade da Reforma da Previdência e o quanto o modelo praticado atualmente não é sustentável
O Ph.D em economia, Marcos Lisboa, mostra dados e argumentos sobre a insustentabilidade da atual Previdência Social, ao longo dos anos.
"Previdência Social atual não é sustentável" afirma o economista Marcos Lisboa
Raul Velloso, consultor econômico e Ph.D em economia, mostra o quanto os gastos com Previdência impactam as contas públicas da União, municípios e estados
Economista fala sobre o problema da Previdência nas contas públicas
O secretário da Previdência Social, Marcelo Caetano, aponta dados que ressaltam a necessidade da Reforma da Previdência e o quanto o modelo praticado atualmente não é sustentável
Secretário Marcelo Caetano reforça necessidade da Reforma da Previdência

Últimas imagens

A abertura do mercado sul-coreano à manga nacional é fruto de longa negociação
A abertura do mercado sul-coreano à manga nacional é fruto de longa negociação
Divulgação/Emater-MG
Acordo vai contribuir nas investigações de desvios de recursos públicos
Acordo vai contribuir nas investigações de desvios de recursos públicos
Agência Brasil
Marcos Pereira apontou EUA como parceiro fundamental para Brasil iniciar novo ciclo de desenvolvimento
Marcos Pereira apontou EUA como parceiro fundamental para Brasil iniciar novo ciclo de desenvolvimento
Divulgação/MDIC
Mesmo com a crise em 2015, número de imigrantes admitidos alcançou 54.086
Mesmo com a crise em 2015, número de imigrantes admitidos alcançou 54.086
Agência Brasil
O preço do feijão em 24 cidades onde foi feita a pesquisa
O preço do feijão em 24 cidades onde foi feita a pesquisa
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital